PUBLICIDADE

PF indicia Marcelo Xavier, ex-presidente da Funai, por omissão e pelo assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips no Vale do Javari

A Polícia Federal (PF) indiciou Marcelo Xavier, ex-presidente da Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas), por homicídio qualificado e ocultação de cadáver no caso dos assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips.

O crime bárbaro aconteceu em junho de 2022, no Vale do Javari, no Amazonas, onde fica a segunda maior terra indígena do Brasil.  

Após investigações e a avaliação da ata de uma reunião realizada em outubro de 2019 em Atalaia do Norte, a PF entendeu que ele não tomou as medidas necessárias para combater crimes identificados por servidores do órgão na região – um deles acabara de ser assassinado por isso -, então, assumiu o risco que outros crimes ocorreriam.

Nem ele, nem Alcir Teixeira, coordenador-geral de monitoramento territorial do órgão, que o substituia ou representava sempre que necessário e era chamado de “o número 2 na Funai”.

Denúncias ignoradas e omissão

Desde que assumiu a presidência da Funai, em junho de 2019, Xavier havia recebido diversas notificações dos servidores sobre os perigos da região, como ataques às bases da Funai (na que fica na Terra Indígena Vale do Javari foram mais de uma dezena!) e ameaças de morte, em especial depois que o indigenista Maxciel Pereira dos Santos, 29 anos, foi morto com dois tiros na cabeça numa rua de Tabatinga, por um pistoleiro.

Maxciel e Bruno eram parceiros, dedicados a combater os crimes praticados contra os indígenas e seu território no Vale do Javari, que também abriga povos isolados

Indígenas do Vale do Javari se manifestam em Atalaia do Norte: “Quem mandou matar Bruno e Dom? E Maxciel?”- Foto: reprodução das redes sociais

Como Xavier não tomou nenhuma providência, os servidores pediram encontro com um representante da Funai em Atalaia. Depois de ouvi-los sobre todos os acontecimentos, Alcir Teixeira respondeu que os relatos não “possuíam materialidade”.

Questionado por um dos servidores se a presidência da Funai então assumia “que nós não corremos risco de vida”?, Teixeira disse que “não havia convicção por parte da presidência de que existam, de fato, riscos a estes servidores, ‘até que se prove o contrário’”. 

Foi assim que a PF concluiu que Xavier e Teixeira se omitiram diante de fatos – como o assassinato de Maxciel, que nunca foi investigado! – e das solicitações dos funcionários da Funai, portanto, agiram “com dolo eventual”: sabiam dos perigos e não agiram para contê-los, assumindo riscos e consequências, como o assassinato de Bruno e Dom. 

Sua decisão foi condizente com o desmonte que Xavier vinha promovendo no órgão a mando de Bolsonaro. 

Quem se destacava no combate ao crime, se não morresse, era afastado de suas funções, como aconteceu com Bruno. Ele “ganhou” um cargo administrativo na sede da Funai, em Brasília, onde ficou por pouco tempo até pedir licença e voltar ao Vale do Javari – por conta e risco – para continuar protegendo os indígenas e os ensinando a se protegerem.

Quando Bruno e Dom sumiram, faziam uma expedição para reportagens do jornalista na região que fariam parte de um livro sobre a Amazônia. Há tempos, o indigenista o acompanhava nas viagens ao Javari e tornaram-se amigos. Depois de alguns dias na base da Funai na terra indígena, eles voltavam de barco para Atalaia do Norte, onde chegariam em duas horas, mas nunca completaram a viagem. 

Ilustração: Cristiano Siqueira (Cris Vector)

Uma semana depois, seus pertences foram encontrados próximo de uma árvore; mais três dias e a Polícia Federal foi levada aos corpos por um dos suspeitos. Bruno e Dom foram mortos com tiros na cabeça e no tórax, e seus corpos queimados antes de serem esquartejados e enterrados. 

Suspeitos de um crime 

Quando tomou conhecimento do desaparecimento, Xavier disse apenas que os dois deveriam ter solicitado autorização para entrar na região. Já Bolsonaro declarou que deveriam andar armados. “É muito temerário você andar naquela região sem estar devidamente preparado fisicamente e, também com armamento devidamente autorizado pela Funai, que pelo que parece não estavam”. Ou seja, lavaram as mãos.

A PF deu início ao indiciamento porque, após investigações e o conhecimento do conteúdo da conversa entre Teixeira e os servidores, identificou-os como suspeitos de um crime

Agora, cabe ao Ministério Público Federal analisar se há elementos suficientes para que seja apresentada uma denúncia formal à Justiça. Neste caso, os suspeitos viram acusados. 

Caso a denúncia seja encaminhada e aceita pela Justiça, Marcelo Xavier e Alcir Teixeira se tornarão réus e responderão judicialmente às acusações.

“Este homem [Xavier] é um assassino!”

Vale lembrar que, em junho de 2022, durante a 15ª Assembleia Geral promovida pelo FILAC (Fundo para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas da América Latina e Caribe), realizada em Madri, Espanha, Marcelo Xavier foi acusado publicamente por Ricardo Henrique Rao, ex-servidor da Funai.

Quando viu o presidente da Funai no recinto, denunciou: “Este homem é um assassino! Este homem é responsável pela morte de Bruno Pereira! Este homem é responsável pela morte de Dom Phillips! Miliciano!”. Antes, ele havia dito, em alto e bom tom, que Xavier “não é de digno de estar entre vocês” e que “o Itamaraty é uma vergonha!” por levá-lo à reunião. “O Itamaraty está sendo babá de miliciano!”. Xavier teve que se retirar.

Rao trabalhava no órgão desde 2010, mas fugiu do Brasil em 28 de novembro de 2019 para não morrer. Foi morar na Noruega, pedindo asilo em Oslo. Um ano depois, foi exonerado (retroativamente) por Xavier, num ‘processo sórdido’ que transformou o indigenista em devedor da Funai.

Em dezembro do ano passado, relatório da comissão da Câmara dos Deputados responsabilizou o Estado brasileiro pelas mortes de Dom e Bruno.
________

Leia também:
Comitiva do governo se reúne com lideranças indígenas do Vale do Javari, onde Bruno Pereira e Dom Phillips foram assasinados
(fevereiro 2023)
A antropóloga Beatriz Matos, viúva do indigenista Bruno Pereira, é nomeada diretora para povos isolados no Ministério dos Povos Indígenas
(fevereiro 2023)
“A justiça será feita quando os povos da floresta forem respeitados”, diz Alessandra Sampaio, viúva do jornalista Dom Phillips
(janeiro 2023)
Presidente da Funai oferece apoio a servidor preso por arrendar terra indígena em Mato Grosso; áudio é interceptado pela PF
(agosto 2022)
APIB leva o caso de Bruno Pereira e Dom Phillips e a omissão do governo ao Tribunal Penal Internacional, de Haia
(junho 2022)
O sertanista Sydney Possuelo repudia o desprezo da Polícia Federal pelos indígenas no Vale do Javari, onde morreram Bruno e Dom
(junho 2022)
Indígenas participaram ativamente das buscas de Bruno e Dom, mas foram ignorados em coletiva de imprensa que confirmou o assassinato dos ativistas
(junho 2022)
Indígenas pedem afastamento do presidente da Funai à Justiça Federal (outubro 2021)
Presidente da Funai torna-se réu por atraso na demarcação da terra indígena Munduruku, em Santarém, no Pará
(setembro 2021)
Coordenador da Funai no Vale do Javari ameaça “meter fogo” em indígenas isolados e incita violência entre eles e os Marubo
(junho 2021)
Funai edita medida que permite invasão, loteamento e venda de áreas em mais de 237 terras indígenas em processo de demarcação (abril 2020)
________

Imagens: foto de Mario Vilela/Funai e ilustração de Cristiano Siqueira (Cris Vector)

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE