PUBLICIDADE

Pessoas se jogam no mar para fugir de chamas em incêndio que deixou dezenas de mortos em Maui

Pessoas se jogam no mar para fugir de chamas em incêndio que deixou dezenas de mortos em Maui, no Havaí

Cenas do apocalipse. Esse é o relato de moradores e turistas que estavam na quarta-feira (09/08) na ilha de Maui, no Havaí, no que já está sendo considerado um dos incêndios florestais mais devastadores da história recente dos Estados Unidos.

Durante a noite de terça-feira (08/08) incêndios que já atingiam partes da ilha se propagaram com ainda mais força com a chegada de ventos fortes, de 60 km/h, de um furacão distante. Rapidamente o fogo saiu de controle e começou a queimar casas, lojas, restaurantes e hotéis.

Desesperadores, moradores pegos de surpresa se jogaram no mar tentando fugir das chamas. A Guarda Costeira precisou resgatar vários deles, incluindo crianças.

Até este momento, o número de mortes já chega a 36 pessoas. Infelizmente, acredita-se que ele deva subir.

Construída em 1700, a cidade histórica de Lahaina foi a mais impactada. Imagens feitas por helicópteros mostram fumaça e destruição por todo lado. Autoridades estão retirando centenas de turistas e a população local da região oeste de Maui e os levando para aeroportos e abrigos. Milhares de pessoas perderam suas casas.

“Acabamos de passar pelo pior desastre que já vi. Toda Lahaina está queimada. É como um apocalipse”, disse Mason Jarvi, morador da cidade que conseguiu sobreviver, em entrevista ao The Guardian.

O governo federal enviou reforços ao Havaí para ajudar no combate aos incêndios e também, no trabalho de rescaldo da tragédia. A ilha de Maui é um dos principais pontos turísticos do arquipélago. Em 2022, quase 3 milhões de visitantes estiveram lá. Julho e agosto, meses de verão no Hemisfério Norte, são de alta temporada.

Há cada vez uma pressão maior para o que presidente Joe Biden declare que o país enfrenta uma emergência climática, contudo, até agora a Casa Branca ainda não se pronunciou sobre isso.

Pessoas se jogam no mar para fugir de chamas em incêndio que deixou dezenas de mortos em Maui, no Havaí

Imagem aérea mostram a destruição em Lahaina, na ilha de Maui
(Foto: reprodução Instagram County of Maui)

Mais uma vez, especialistas do clima ressaltam que o ocorrido foi agravado pela crise climática. Julho de 2023 foi declarado oficialmente o mês mais quente da história da humanidade, desde o início das medições com termômetros, no século 19. As temperaturas médias globais superaram o recorde histórico 23 vezes no mês passado.

Todo o Hemisfério Norte vive uma onda de calor sem precedentes. Poucas vezes se observou temperaturas tão impressionantes. Vários países do Mediterrâneo estão lutando contra incêndios florestais, como Grécia, Itália, Tunísia e Argélia, onde dezenas de pessoas morreram.

Do outro lado do Oceano Atlântico, há meses o Canadá também enfrenta o que já é considerado a pior temporada de incêndios florestais de sua história. E de costa a costa dos Estados Unidos, mais de 100 milhões de pessoas ficaram sob alerta. Em Phoenix, no Arizona, por três semanas seguidas os moradores acordam diariamente com temperaturas acima dos 43oC.

Será que alguém duvida ainda que o planeta está pegando fogo?

Leia também:
Oceano na Flórida registra temperatura de mais de 38 graus, um possível recorde no planeta
Meteorologista batiza ondas de calor nos EUA com nomes de companhias de petróleo
Mais de 5 mil desaparecidos em enchentes no Congo e calor extremo na Espanha: o novo normal no planeta

Foto de abertura: Pacific Disaster Center/Creative Commons/Flickr

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE