PUBLICIDADE

Pesquisadora brasileira resgata duas raias-mantas presas em redes de pesca

Pesquisadora brasileira resgata duas raias-mantas presas em redes de pesca

As redes de pesca estão entre as principais ameaças à vida marinha em nossos oceanos. Milhares e milhares de animais morrem, todos os anos, porque ficam presos nesses apetrechos descartados por embarcações na água. E recentemente, duas raias-mantas foram encontradas enroscadas em cordas, em Bajo Cope, no Equador, mas graças à pesquisadora brasileira Paula Romano, coordenadora do Projeto Mantas do Brasil, elas foram salvas.

Felizmente, as raias-mantas ficaram tranquilas durante a retirada das redes e isso facilitou o trabalho da equipe de mergulhadores.

“É extremamente gratificante poder ajudar esses animais, mas também é extremamente triste saber que eles passam por situações assim diariamente”, diz ela.

Segundo a pesquisadora, as duas raias-mantas apresentavam feridas na pele por causa das redes e uma delas, em específico, as lesões eram bem profundas.

“Precisamos repensar as nossas atitudes para com o bem estar do nosso planeta, para que cenas assim não se tornem tão comuns!”, alertou Paula.

As raias-mantas são um dos maiores peixes dos oceanos. Encontrada em águas mornas de regiões tropicais e subtropicais, elas têm o corpo em forma de losango e podem chegar a ter até oito metros de envergadura e pesar mais de duas toneladas.

Bajo Cope é um dos lugares com maior possibilidade de avistamentos desses animais no mundo. “Mas infelizmente, observá-las está ficando cada vez mais raro. As populações estão ficando menores. Elas estão ameaçadas de extinção”, diz Paula. 

No costa brasileira, a única raia-manta observada é a Mobula birostris, mas pesquisadores estão investigando a possibilidade da existência de uma nova espécie, como contei aqui nesta outra reportagem, em 2017.  

Há apenas duas espécies do gênero Manta conhecidas no mundo inteiro: a M. birostris e a M. alfredi. Essa possível nova está sendo estudada por biólogos mexicanos e americanos porque foi registrada no Golfo do México, em parceria com os pesquisadores do Mantas do Brasil, porque também acredita-se que ela esteja presente em águas brasileiras, em Fernando de Noronha. 

Pesquisadora brasileira resgata duas raias-mantas presas em redes de pesca

Registro belíssimo feito pela fotógrafa Stéfani Zanella de uma raia-manta
em Fernando de Noronha

Leia também:
Única raia gigante rosa do mundo é flagrada em ilha da Grande Barreira de Corais, na Austrália
Descoberto primeiro berçário do mundo de raias gigantes

Foto de abertura: reprodução vídeo

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE