Personalidades da política mundial são personagens de campanha pelo fim da violência contra as mulheres

Personalidades da política mundial são personagens de campanha pelo fim da violência contra as mulheres

“Sou vítima de violência doméstica, recebo salário menor, sofri mutilação genital, não tenho o direito de me vestir como quero, não posso escolher com quem me casar, fui estuprada…

A violência contra as mulheres é um problema global que afeta a todos, sem distinção de raça, classe social ou religião”.

O texto acima acompanha os cartazes, espalhados pelas ruas de Milão, com os rostos de diversas mulheres, algumas das mais importantes e poderosas do mundo. As imagens que foram manipuladas digitalmente fazem parte da campanha “Só porque eu sou uma mulher”, idealizada pelo artista italiano AleXsandro Palombo. Seu objetivo é chamar a atenção das pessoas sobre a violência e a discriminação enfrentada por mulheres nos quatro cantos do planeta.

Palombo usou fotografias da chanceler alemã Angela Merkel, da ex-primeira-dama americana Michelle Obama, da congressista democrata americana Alexandria Ocasio-Cortez, da primeira-dama francesa Brigitte Macron e da ex-candidata à presidência dos Estados Unidos Hillary Clinton, dentre outras. Todas aparecem com hematomas, inchaços e marcas de violência.

“Queria ilustrar o drama que afeta milhões de mulheres em todo o mundo … denuncie, desperte a consciência e obtenha uma resposta real de instituições e políticas”, diz o artista.

Personalidades da política mundial são personagens de campanha pelo fim da violência contra as mulheres

Michelle Obama, ex-primeira dama dos Estados Unidos

Números estarrecedores divulgados pelas Nações Unidas, em novembro do ano passado, revelam que um terço de todas as mulheres e meninas sofrem violência física ou sexual durante a vida.

Além disso, metade das mulheres mortas no mundo foi assassinada por parceiros ou familiares. E a violência perpetrada contra elas é uma causa tão comum de morte e incapacidade para as pessoas em idade reprodutiva, quanto o câncer, e uma causa maior de problemas de saúde do que acidentes rodoviários e a malária juntos.

No Brasil, como escrevi no início do ano passado, 536 mulheres são agredidas, por hora.

AleXsandro Palombo já fez diversas campanhas e obras denunciando questões sociais e culturais, sobretudo, relacionadas às mulheres.

No passado, ele havia, inclusive, feito outra campanha parecida. Utilizou o rosto de atrizes, entre elas, Angelina Jolie e Madonna, para falar sobre a violência doméstica. Em outro trabalho, usou as princesas da Disney para discutir os problemas enfrentados por deficientes físicos.

A líder birmanesa Aung San Suu Kyi

Leia também:
Congresso aprova punição contra assédio moral no trabalho e constrangimento à amamentação em público
Médico e jovem ativista contra violência sexual como arma de guerra são ganhadores do Nobel da Paz
Mulheres, a lei e a política
Como apagar tanto dedo de violência?
Projeto quer formar mulheres motoristas para acabar com assédio no transporte público no Sri Lanka

Imagens: reprodução campanha “Só porque eu sou mulher”

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta