PUBLICIDADE

Pela primeira vez, em 40 anos, kākāpōs viverão na Nova Zelândia continental

Pela primeira vez, em 40 anos, kākāpōs viverão na Nova Zelândia continental

Os kākāpōs são considerados as aves mais pesadas e de vida mais longa do mundo. Podendo pesar até 4 kg, são incapazes de voar e têm o hábito de se esconder durante o dia: gostam da noite. Daí seu nome, em Māori, a língua do povo nativo da Nova Zelândia, seu lar, que significa papagaio da noite.

Infelizmente, sua mobilidade restrita e hábitos como demorar para se reproduzir e nidificar no chão os tornaram bastante vulneráveis no passado. A espécie quase foi extinta e ainda continua em perigo crítico. Existem somente 248 deles na vida livre.

Todavia, pouco a pouco, esforços de conservação dão mais esperança a esse papagaio único que só existe na Nova Zelândia e em nenhum outro lugar do planeta.

Até então, o kākāpō só era registrado em cinco ilhas da costa neozelandesa: Anchor/Pukenui e Chalky,Te Kakahu o Tamatea em Fiordland, Whenua Hou/Codfish e Pearl perto de Rakiura Stewart e Hauturu-o-Toi/Little Barrier.  

Contudo há poucos dias o governo da Nova Zelândia anunciou um programa de reintrodução histórico que levará, após quatro décadas, quatro kākāpōs para o território continental do país, no Santuário de Mountain Maungatautari, em Waikato. A princípio serão quatro machos. A intenção não é a reprodução, mas observar como eles se adaptarão nesse novo habitat.

“Kākāpō é uma das espécies mais icônicas e raras da Nova Zelândia, recuperando-se de uma população de apenas 51 aves em 1995. Até agora, os kākāpōs foram confinados a algumas ilhas costeiras livres de predadores, para que agora retornem ao continente, o que é uma grande conquista para todos os envolvidos”, celebrou Deidre Vercoe, responsável pelo projeto de reintrodução.

Desde 2016, o número desses papagaios dobrou e como eles vivem em pequenas ilhas, sua capacidade máxima nesses lugares está atingindo o limite.

Pela primeira vez, em 40 anos, kākāpōs viverão na Nova Zelândia continental

O guarda-florestal Petrus Hedman carregando um dos quatro machos que foram levados para o continente
(Foto: Peter Drury/divulgação DOC)

O kākāpō possui olhos voltados para a frente, parecidos com os da coruja, bigodes e um grande bico cinza, além de pernas curtas, grandes pés azuis e asas e cauda relativamente curtas. Há relatos de indivíduos que teriam vivido até os 100 anos.

Pela primeira vez, em 40 anos, kākāpōs viverão na Nova Zelândia continental

Ave é considerada um tesouro sagrado da tribo Māori
(Foto: Peter Drury/Karl Drury/divulgação DOC)

*Com informações do New Zealand Department of Conservation

Leia também:
Pesquisadores registram maior população do Kãkãpõ desde os anos 70: o papagaio raro, que não voa, só existe na Nova Zelândia
Kākāpō: papagaio raro, que não voa, é eleito ‘Ave do Ano’ na Nova Zelândia

Foto de abertura: Peter Drury/Karl Drury – divulgação New Zealand Department of Conservation

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE