Peixes-bois da Flórida são alimentados com 9 toneladas de alface por semana para evitar que mais animais morram de fome

Peixes-bois da Flórida são alimentados com 9 toneladas de alface por semana para evitar que mais animais morram de fome

Depois do registro da morte de mais de 1 mil peixes-bois no estado americano da Flórida, no ano passado, foi montada uma operação de emergência, e temporária, para evitar que mais animais percam a vida por falta de alimentos, como contei nesta outra reportagem.

Desde o começo deste ano, equipes da Florida Fish and Wildlife Conservation Commission (FWC) estão alimentando os peixes-bois com duas variedades diferentes de alface. São ofertadas 9 toneladas por semana, mais de 1 mil kg por dia. As folhas possuem nutrientes e carboidratos necessários para a dieta dos animais.

Foi-se decidido pela suplementação alimentar porque a situação da espécie na Flórida é alarmante. Há alguns anos as autoridades locais acompanham com preocupação o número de mortes cada vez maior. Para se ter uma ideia da escala crescente de óbitos, em 2001, foram registrados 325. Anos depois, a média anual subiu para 500. E em 2021, foram 1,1 mil mortos. Só nos dois primeiros meses de 2022, 261 animais já foram achados sem vida.

A principal causa para a mortalidade é a falta de alimentos: a maioria dos peixes-bois está morrendo de fome. No segundo semestre do ano passado, centenas de carcaças foram encontradas ao longo da costa do estado americano e outros, muito magros, foram avistados.

Peixes-bois da Flórida são alimentados com 9 toneladas de alface por semana para evitar que mais animais morram de fome

Equipe da FWC próximo à Indian River Lagoon

Extremamente dócil, o peixe-boi é um gigante das águas. Pode chegar a pesar 600 quilos e medir até quatro metros de comprimento. Herbívoro, se alimenta da vegetação encontrada no fundo do mar. Todavia, a poluição da água e a proliferação em massa de uma alga vermelha tóxica têm matado essa espécie de grama marinha.

A distribuição das alfaces está sendo realizada num ponto próximo ao estuário da Indian River Lagoon, habitat de 1/3 dos peixes-bois dos Estados Unidos, que em algum momento vivem ali. O local teve uma perda de quase 60% de sua vegetação na última década e apresenta uma enorme quantidade de micropartículas de plástico em suas águas.

Uma média de 350 indivíduos têm sido alimentados todos os dias, mas em algumas ocasiões, estiveram ali até 800. A ideia inicial é que a ação emergencial vá até março.

“Até este momento, tivemos sucesso. Os peixes-boi estão comendo a alface. Estamos oferecendo esses alimentos a uma grande quantidade de animais e acreditamos que estamos fazendo a diferença”, diz.

Existem quatro espécies de peixes-boi no mundo. O da Flórida, chamado de manati, em inglês, é o Trichechus manatus latirostris. De acordo com a Florida Fish and Wildlife Conservation Commission, a população de peixes-bois no estado deve beirar os 7.500 mil indivíduos.

Peixes-bois da Flórida são alimentados com 9 toneladas de alface por semana para evitar que mais animais morram de fome

Alimentação suplementar oferecida aos peixes-bois

*Com informações adicionais da CNN International

Leia também:
Comportamento agressivo de botos machos contra filhotes na Amazônia intriga biólogos
Vítimas de caça ilegal ou captura acidental, peixes-bois da Amazônia serão devolvidos à natureza
Pesquisadores e ator oferecem recompensas por informações sobre autor da gravação do nome de ‘Trump’ em peixe-boi
Depois de oito anos, peixe-boi Raimundo volta à natureza novamente

Fotos: Flickr Florida Fish and Wildlife Conservation Commission/Avery Bristol

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.