PUBLICIDADE

Pedra de âmbar-gris encontrada no intestino de baleia cachalote, que apareceu morta em praia da Espanha, pode valer R$ 2,6 milhões 

Em 21 de maio, uma baleia cachalote apareceu morta na praia de Nogales, em Las Palmas, capital das Ilhas Canárias, na Espanha. O animal encalhou e já devia estar morto ou agonizando. No dia seguinte, a Universidade de Las Palmas enviou veterinários forenses para realizar a necrópsia, que deveria ser feita rapidamente para aproveitar a maré baixa.

Antônio Fernández Rodriguez, um dos paleontólogos que participou da operação, contou que a baleia era um macho de 13 metros e mais de 15 toneladas e que, devido a seu tamanho (deveria ser mais pesada), suspeitou que a morte poderia ter sido causada por um problema digestivo.

Foto: Instituto Universitario de Sanidad Animal da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria/divulgação

Examinou seu cólon e encontrou uma pedra com 9 quilos e cerca de 60 centímetros de diâmetro, de âmbar-gris ou âmbar cinzento, substância rara também conhecida como “ouro flutuante”, muito cobiçada por perfumistas.

Âmbar-gris é uma cera produzida pela cachalote, que envolve materiais resistentes ao processo digestivo como restos de lulas de grande profundidade (que não têm dentes, mas um bico parecido com o dos papagaios, formado por quitina, resistente à digestão) e chocos (cefalópodes parentes das lulas e polvos), que se acumulam no intestino. 

A cera forma uma bolota disforme de proteção e facilita o transporte desses materiais que não são digeridos e poderiam causar ferimentos aos órgãos.

O âmbar-gris é produzido apenas por baleias cachalote, que não podem ser caçadas: estão classificadas como vulneráveis, portanto, em risco de extinção. Por isso, a única forma de se obter a pedra é encontrá-la, depois de expelida pela baleia junto com suas fezes, flutuando no mar, na praia ou recolhida por redes de pescadores. O contato da cera com a água empedra a bolota.

O que certamente aconteceu com a cachalote de Las Palmas foi que a pedra cresceu demais e rompeu seu intestino.

Por que o âmbar-gris é tão valorizado pela indústria de perfumes? 

Ele é apreciado pelos perfumistas devido a seu aroma quente, intenso e complexo, resultado da união de elementos do mar como algas, plâncton ou crustáceos. É utilizado nas ‘notas de fundo’ de fragrâncias nobres, e remete – segundo os especialistas – à sensualidade.

Foto: Instituto Universitario de Sanidad Animal da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria/divulgação

Além disso, prolonga o cheiro no corpo, ‘fixando-se’ na pele e na memória de quem o utiliza e de quem se relaciona mais intimamente com essa pessoa. Marcante e inesquecível, pra resumir.

É usado por essa indústria há séculos, mas como está cada vez mais raro (depende da sorte), o preço é alto. A pedra encontrada na baleia de Las Palmas, por exemplo, foi avaliada em até US$ 500 mil ou R$ 2,6 milhões! 

Em junho de 2021, pescadores do Iêmen tiveram mais sorte: encontraram uma baleia cachalote morta e uma pedra âmbar-gris avaliada em US$ 1,5 milhão ou cerca de R$ 7,6 milhões.
___________

Fontes: The Guardian, G1

Foto (destaque): Instituto Universitario de Sanidad Animal da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria/divulgação

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE