Parque da Califórnia é renomeado “Sue-meg”, em reparação histórica à tribo indígena, massacrada por europeus

Parque da Califórnia é renomeado "Sue-meg", em reparação histórica a tribo indígena, massacrada por colonizadores europeus

Em uma decisão unânime, uma comissão do Departamento de Parques e Recreação da Califórnia, nos Estados Unidos, votou pela mudança de nome do Parque Estadual Patrick’s Point para Sue-meg. A renomeação é uma vitória histórica para a etnia Yurok, povo que vivia no local originalmente antes dos “colonizadores” europeus chegarem à região e promoverem um massacre dos indígenas.

“Os povos indígenas em todo o mundo… estão assistindo ou ouvindo e olhando para a oportunidade que temos aqui hoje. Renomear Sue-meg de volta … isso está trazendo equilíbrio para nós, o povo Yurok”, afirmou Joseph L. James, chefe da tribo Yurok.

“Esta é a primeira mudança de nome do parque como parte da iniciativa ‘Reexaminando Nosso Passado’ do estado e é um passo importante para curar os relacionamentos com os nativos americanos e trabalhar juntos em reconhecimento e honra das relações culturais e linguísticas indígenas”, afirmou Armando Quintero, diretor do California States Park.

O nome Patrick’s Point foi dado em referência a Patrick Beegan, um irlandês que chegou à área de Eureka, no extremo norte do estado da Califórnia, na costa do Pacífico, onde construiu uma cabana por volta de 1850, mas acabou abandonando o lugar depois que foi acusado de ter matado um menino Yurok. Além disso, ele também está associado com outras mortes de indígenas.

Apesar disso, por mais de um século, o local ficou conhecido pelo nome de um assassino – que morou ali por apenas três anos.

Em 1990, começaram as esforços para reescrever essa história tão trágica. Primeiro a comunidade Yurok trabalhou com o departamento de parques da Califórnia para construir uma vila da etnia dentro do parque e a batizou de “Sumêg”, para homenagear o antigo nome associado ao lugar. Em janeiro de 2021, ocorreu a solicitação formal para a mudança do nome.

Agora, Sue-meg se torna o primeiro parque da costa oeste a representar a reparação tão tardia aos povos indígenas americanos.

“Reivindicar um nome é realmente o cerne disso. É restaurar um nome que foi indevidamente usado”, ressaltou Sara Barth, representante da comissão do Departamento de Parques e Recreação da Califórnia.

A iniciativa ‘Reexaminando Nosso Passado’ foi lançada pelo governador da Califórnia, Gavin Newsom, em 2019, quando ele se desculpou publicamente pelo “papel sistêmico do estado na tentativa de genocídio de comunidades nativas e nos esforços para aniquilar suas culturas”.

No final de setembro, também escrevi aqui sobre outra notícia parecida. O governo da Austrália restaurou o nome aborígene de uma de suas ilhas, que volta a se chamar K’Gari. A mudança foi anunciada pelo governo, que desde 1993, quando foi instituído o “Native Title Act”, começou a reconhecer o direito dos aborígenes como proprietários de suas terras originais.

*Com informações do North Coast Journal of Politics, People and Art

Leia também:
Prefeitura da Cidade do México substituirá estátua de Cristóvão Colombo por monumento às mulheres indígenas
Após anos de críticas, time de futebol americano muda nome em respeito a povos indígenas

Foto: Kirt Edblom/Creative Commons/Flickr

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Parque da Califórnia é renomeado “Sue-meg”, em reparação histórica à tribo indígena, massacrada por europeus

  • 18 de outubro de 2021 em 2:14 PM
    Permalink

    A reparação dos erros cometidos é indispensável porque apenas arrepender-se e pedir desculpas não corrige as injustiças.

    Resposta

Deixe uma resposta