Paraná é único estado que não tem período de defeso para reprodução do caranguejo-uçá

Paraná é único estado que não tem período de defeso para reprodução do caranguejo-uçá

*Por Sandrah Guimarães

O caranguejo-uçá é a principal espécie de crustáceo extraída para fins comerciais dos manguezais brasileiros, de acordo com dados do IBAMA. A captura ocorre ao longo de toda costa. Em todos os estados há um período de defeso, ou seja, quando ela é proibida na época de reprodução. Mas no Paraná a lei protegendo a espécie permite a captura de dezembro a março, justamente quando os caranguejos ficam totalmente vulneráveis ao sair da toca para acasalar.

A espécie já foi incluída na Lista Nacional das Espécies de Invertebrados Aquáticos e Peixes Sobreexplotadas ou Ameaçadas de Sobreexplotação do Ministério do Meio Ambiente. Isso significa que a captura da população é tão grande, em todas as idades, que reduz a biomassa, o potencial de desova e as capturas no futuro a níveis inferiores aos de segurança.

No litoral paranaense, a captura do caranguejo começa em dezembro e vai até perto do dia 15 de março. Duas portarias do Ibama estabelecem, entre outras coisas, tamanhos mínimos, prevendo multas e até prisão por desobediência às normas. Enquanto nos outros estados, o crustáceo pode ser comercializado a partir de 6 cm de largura da carapaça, no Paraná o limite mínimo é 7 cm. Mas praticamente não há controle nem fiscalização. E um dos impactos disso é a redução do tamanho do animal ao longo do tempo. 

“A seleção por tamanho é descrita para qualquer espécie super explorada comercialmente. Quando se tira os grandes indivíduos da população antes deles reproduzirem, a genética não passa paras próximas gerações. Temos ouvido muitos testemunhos dessa redução no tamanho ano após ano, por parte de coletores e atravessadores”, conta a pesquisadora Cassiana Baptista Metri, do Programa de Recuperação da Biodiversidade Marinha, REBIMAR, da Associação MarBrasil.

Metri explica que a espécie demora de 4 a 5 anos para atingir a maturidade e pode viver pouco mais de 10 anos. “Quando se captura um animal de grande porte, ele levou até 8 anos para chegar a esse tamanho, e o crescimento é coordenado, quando um está maduro, pode ter certeza que os outros também vão estar”.

Não existe um histórico de dados estatísticos da captura de caranguejo, apenas iniciativas pontuais de pesquisa. Com isso, ainda não é possível confirmar cientificamente as mudanças físicas na espécie. O REBIMAR, patrocinado pelo Programa Petrobras Socioambiental e pelo Governo Federal, já está na quarta edição, e a longa história com a região costeira do Paraná e do sul de São Paulo revelou descobertas importantes. Para os pesquisadores, chegou o momento em que, para responder algumas perguntas, é preciso entender algumas relações dos caranguejos com o ambiente em que vivem.

Paraná é único estado que não tem período de defeso para reprodução do caranguejo-uçá

Cassiana Metri em pesquisa em campo

Mais do que um alimento, o crustáceo tem papel importante no ecossistema costeiro

Seu comportamento e suas condições de saúde estão sendo decifrados. Há caranguejos endêmicos, que só ocorrem em áreas de manguezal. Eles tendem a responder às pressões ambientais de várias formas. A composição das espécies, a quantidade e até mesmo os próprios tecidos dos caranguejos podem indicar a presença de metais pesados e outros contaminantes.

“O caranguejo é bastante resiliente, aguenta muita bordoada, mas quando nos dedicamos a análises mais delicadas e complexas, encontramos indícios bem importantes, especialmente com o caranguejo-uçá, espécie mais comercializada e consumida no Brasil”, alerta Cassiana Metri. “Além do trabalho nos laboratórios, a equipe do REBIMAR  “enfiou o pé na lama” para estudar a complexa sociedade dos caranguejos. A reprodução é um grande evento para a espécie.  Ocorre em períodos de luas nova e cheia, durante marés e períodos de chuva bem específicos”.

Paraná é único estado que não tem período de defeso para reprodução do caranguejo-uçá

Os caranguejos-uçá são muito organizados e absurdamente territorialistas. A espécie cava as galerias no manguezal e esse espaço é habitado por um único bicho. Nem para acasalar o caranguejo divide a casa. Mas na época reprodutiva, no verão, eles abandonam as suas tocas e se reproduzem todos juntos, em massa, em um fenômeno chamado de andada ou corrida do caranguejo.

Essa saída da toca não ocorre com frequência. A espécie espera ter uma luz, uma quantidade de chuva e uma qualidade da água bem específicas.  “Precisa de quase um alinhamento dos planetas para isso acontecer”, brinca Cassiana Metri.

“É uma espécie arisca, super tímida, mas no momento certo todos saem da toca. Os machos brigam e disputam a fêmea. Logo após o acasalamento, ela sobe nos caules do manguezal e solta os ovos, em um momento super interessante. De dois a três meses as fêmeas ficam com esses ovinhos incubados e depois soltam na água”.

Como seres semi-terrestres, possuem uma câmara branquial e têm capacidade de resistir longos períodos fora da água. “Por isso vemos aqueles cachos de caranguejos vivos à venda”.

Perguntas importantes sobre o caranguejo-uçá precisam ser respondidas

No Paraná, como em outros estados, a captura do caranguejo carece de informações socioeconômicas, isto é, caracterizar o quanto é capturado, quem são os catadores e quais as rotas de comercialização são informações imprescindíveis à gestão desse recurso. 

A estatística pesqueira de longo prazo é importantíssima para se avaliar se o estoque está diminuindo ou não. Além disso, entender a dependência das pessoas com a captura do caranguejo pode embasar alternativas de manejo que tragam benefício aos pescadores tradicionais da região.

A diminuição da quantidade e do tamanho dos caranguejos pode levar a maior vulnerabilidade social dos catadores aumentando o esforço (tempo de pesca) e tornando-os mais suscetíveis a problemas com a fiscalização.

“Também não sabemos se temos áreas principais de reprodução para o fornecimento de larvas para outros manguezais. No Paraná, acredita-se que as principais regiões de fornecimento de larvas sejam justamente os manguezais da Baía de Paranaguá, justamente numa região com atividades industriais e portuárias, além do elevado despejo de esgoto doméstico das cidades da região”, diz a especialista.

Outro ponto importante é entender o quanto os caranguejos podem acumular de poluentes e os riscos para os consumidores, sejam eles as pessoas ou os animais da cadeia alimentar.

Paraná é único estado que não tem período de defeso para reprodução do caranguejo-uçá

Equipe do projeto REBIMAR num manguezal

Leia também:
Caranguejos, lagostas e polvos são reconhecidos como seres sencientes pelo governo britânico e não devem ser cozidos ou desmembrados vivos, alertam cientistas
É época de reprodução de milhões de caranguejos vermelhos na Austrália: até viadutos eles ganham para não serem atropelados
Pescadores de caranguejos processam empresas petrolíferas nos Estados Unidos pelos prejuízos das mudanças climáticas

Fotos: divulgação Ibama (abertura) e Gabriel Marchi/Associação MarBrasil

Observatório de Justiça & Conservação

O Observatório de Justiça e Conservação (OJC) é uma iniciativa apartidária e colaborativa que trabalha fiscalizando ações e inações do poder público no que se refere à prática da corrupção e de incoerências legais em assuntos relativos à conservação da biodiversidade, prioritariamente no Sul do Brasil, dentre os quais se destacam, a Floresta com Araucária

Deixe uma resposta