Papa Francisco recorda a tragédia de Brumadinho e se solidariza com as famílias das vítimas

“Neste primeiro aniversário da tragédia de Brumadinho, oremos pelos 272 irmãos e irmãs que ficaram sepultados. Lamentamos a contaminação de toda a bacia fluvial. Oferecemos nossa solidariedade às famílias das vítimas, um apoio à Arquidiocese (de Belo Horizonte) e a todas as pessoas que estão sofrendo e precisam de nossa ajuda. Com a intercessão de São Paulo, que Deus ajude a amparar e proteger nossa Casa Comum”.

Foi esta a mensagem que o Papa Francisco dedicou aos fiéis reunidos em Brumadinho para recordar o primeiro aniversário da tragédia. A diocese de Belo Horizonte, presidida por Dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), organizou uma romaria pela Ecologia integral com o intuito de “rezar e refletir, caminhar e celebrar, conscientizar e indignar, cantar e esperar”. Também por intenção das vítimas da devastação provocada em Brumadinho pelo rompimento da barragem do Córrego do Feijão, gerida pela mineradora Vale.

O Pontífice vem mencionando o drama da região sempre que tem uma oportunidade: em pronunciamentos públicos ou momentos privados com autoridades civis e eclesiásticas. De acordo com o site do Vaticano, ele é informado constantemente sobre temas relacionados a um dos maiores crimes socioambientais do Brasil por intermédio de seus colaboradores no Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral.

Em fevereiro de 2019, o Cardeal Sérgio da Rocha, então presidente da CNBB,  entregou ao Papa um colete utilizado por voluntários em Brumadinho. E declarou: “O Papa expressa a sua solidariedade, a sua oração, acolhendo esta veste com muita atenção. Isto é, o Papa se interessou por saber melhor da própria situação em Brumadinho e expressou sua oração, sua solidariedade. Que este testemunho de atenção do próprio Papa em relação a Brumadinho motive toda a Igreja no Brasil a ter a mesma solidariedade, a querer sempre mais estar unida aos irmãos e irmãs que ali estão, mas também a oferecer a sua contribuição para que situações como ocorreu lá jamais aconteçam novamente no Brasil”, disse o cardeal para o site do Vaticano.

Acusados indiciados e Marcha para Brumadinho

Esta semana, o Ministério Público Federal de Minas Gerais indiciou os acusados: a mineradora Vale e seu ex-presidente, a empresa alemã de inspeções e certificações TUV SUD e mais 15 pessoas. Já é um avanço, mas vamos aguardar. A pressão da sociedade é vital.

Os brasileiros, em geral, têm vocação para “empurrar para debaixo do tapete” as tragédias e esquecer. Mas não dá pra esquecer as cicatrizes. É preciso cuidar delas e cura-las. E curar não significa fazer de conta que não existem, mas lembrar com responsabilidade e resistência. Não em vão.

Em 20 de janeiro, segunda-feira, uma marcha com cerca de 350 pessoas do movimento de pessoas atingidas por barragens no país saiu de Belo Horizonte rumo a Brumadinho para não deixar passar a data em branco, se manifestando em cada uma das cidades onde parou – Pompeu, Juatuba, Citrolândia, São Joaquim de Bocas e Betim – até chegar à região do Córrego do Feijão.

Foto: Reprodução/Instagram


Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta