PUBLICIDADE

Os brasileiros que brilharam em 2022 e foram reconhecidos por seu ativismo, determinação e talento

Os brasileiros que brilharam em 2022 e foram reconhecidos por seu ativismo, determinação e talento

Mais um ano está quase chegando ao fim e como é tradição nossa, aqui no Conexão Planeta, gostamos de relembrar e homenagear os brasileiros e as brasileiras que, com seus projetos, estudos, iniciativas, pesquisas, talento, determinação e empreendedorismo, nos enchem de orgulho.

Através de prêmios nacionais e internacionais, eles tiveram seus esforços reconhecidos nas mais diferentes áreas: da educação e gastronomia ao ativismo ambiental e a luta pelos direitos dos povos indígenas.

Em 2022, em especial, há muitas mulheres nessa retrospectiva, o que nos deixa mais felizes ainda, já que o Conexão Planeta foi fundado por jornalistas mulheres e sempre sentimos enorme prazer em escrever sobre como elas estão desbravando o mundo e pouco a pouco, trabalhando por uma sociedade mais justa, feliz e equalitária para as futuras gerações.

Confira abaixo nossos destaques deste ano:

Manu Buffara

Os brasileiros que brilharam em 2022 e foram reconhecidos por seu ativismo, determinação e talento

A paranaense foi eleita a melhor chef mulher da América Latina em 2022 pela pela premiação Latin America’s 50 Best. “Cozinhar é uma expressão de amor, conhecimento, técnica, autenticidade e respeito. Respeito pelo ingrediente, pelo produto, pelo agricultor e pela terra. É sobre quem você é e sobre o lugar que você pertence”, acredita Manu, que prepara seus pratos com ingredientes frescos, locais e sazonais (conheça um pouco de sua trajetória nesta outra reportagem).

Txai Suruí e Alice Pataxó

Os brasileiros que brilharam em 2022 e foram reconhecidos por seu ativismo, determinação e talento

As duas jovens lideranças indígenas venceram o prêmio ‘Faz Diferença’. Txai e Alice foram reconhecidas por suas participações na conferência climática da ONU, em novembro de 2021, quando atraíram a atenção do mundo para a realidade dos povos indígenas e a urgência de incluí-los nos debates sociais, ambientais e climáticos, pois são os verdadeiros guardiões da floresta (a matéria completa você encontra aqui).

Gabriel Massocato

Os brasileiros que brilharam em 2022 e foram reconhecidos por seu ativismo, determinação e talento

Apaixonado pela vida selvagem desde criança, logo que se formou em Biologia, em 2021, Gabriel começou a trabalhar para proteger a maior espécie de tatu existente. Sua dedicação e paixão por este animal ameaçado de extinção lhe rendeu um dos prêmios de meio ambiente mais importantes do mundo: o Future For Nature (conheça mais sobre seu trabalho neste texto).

Pablo Hoffmann

Os brasileiros que brilharam em 2022 e foram reconhecidos por seu ativismo, determinação e talento

Um dos sócio-fundadores e diretor da Associação Chauá, que possui o maior viveiro do mundo com espécies da Floresta de Araucária, Pablo ganhou o Whitley Award, considerado o maior prêmio mundial da área ambiental (leia sua entrevista ao Conexão Planeta).

Camila Reveles

Foi durante o mestrado em biotecnologia marinha que a oceanógrafa descobriu a salicórnia ou aspargo marinho, muito apreciado na alta gastronomia. Assim que terminou os estudos, Camila criou a startup Salty Agricultura Marinha que foi uma das grandes vencedoras do Top Ten Innovators 2022 (leia reportagem completa aqui).

Projeto Tem Menina no Circuito

Há oito anos o “Tem Menina no Circuito” atua em escolas públicas de comunidades de baixa renda do estado do Rio de Janeiro oferecendo atividades semanais só para meninas para incentivar o interesse delas pelas ciências exatas e tecnologia. Criado em 2013 por três professoras do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Elis Sinnecker, Tatiana Rappoport e Thereza Paiva, a iniciativa recebeu o prêmio “Mulheres Inspiradoras na Ciência” da prestigiada revista Nature (saiba mais neste link).

Brenno Amaro

Gaúcho formado em Química, com pós-doutorado em Biotecnologia Molecular e Celular, o professor da Universidade de Brasília (UnB) criou um biofertilizante que recebeu o mais importante prêmio de inovação da Sociedade Brasileira de Química. Produzido com nanotecnologia e matéria-prima 100% nacional, é atóxico, não poluente e pode aumentar em até 40% a produtividade de alguns tipos de cultivos. “Plantas mais saudáveis produzem mais”, explica Brenno (leia entrevista completa neste link).

Padre Julio Lancelloti

O paulistano iniciou sua educação formal no Educandário Espírito Santo, no Tatuapé, e, em 1980, fez a fundamentação da Pastoral do Menor da Arquidiocese de São Paulo com Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida. Formado em pedagogia, em 1986, foi designado para a Paróquia de São Miguel Arcanjo, no bairro da Mooca, onde intensificou seu trabalho com moradores de rua e menores abandonados. Este ano ganhou o Prêmio Juca Pato – Intelectual do Ano, concedido pela União Brasileira de Escritores (a reportagem na íntegra aqui).

Valdelice Veron

Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), mestra em sustentabilidade dos povos e terras tradicionais pela Universidade de Brasília (UnB) e doutoranda em Antropologia Social pela mesma instituição, a líder indígena Guarani-Kaiowá foi homenageada com o Prêmio Global de Liderança da organização Vital Voices, fundada por Hillary Clinton em 1997 (veja matéria aqui).

Projeto Verdes Marias

Criativas e muito comunicativas, Mariana, Maria Carolina e Maria Clara Moraes criaram o projeto Verdes Marias em 2019 para inspirar as pessoas a fazerem microrrevoluções diárias, ampliando a consciência ambiental. Ele se tornou um movimento potente e em dezembro recebeu seu primeiro grande reconhecimento: o Prêmio Lixo Zero Brasil (conheça mais sobre o projeto nesta reportagem).

Camily Pereira dos Santos e Laura Nedel Drebes 

As estudantes brasileiras criaram um absorvente sustentável que foi premiado na Europa. As alunas do ensino médio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) conquistaram o “Prêmio de Excelência” da competição internacional Stockholm Junior Water Prize, pelo projeto SustainPads, escolhido entre milhares de ideias inovadoras de jovens entre 15 e 20 anos de quase 40 países (confira matéria completa neste link).

José Graziano

“O único número aceitável para a fome é zero”. Este é o mote que tem guiado a luta de Graziano nas últimas décadas. Ex-diretor geral da FAO e responsável pela formulação e coordenação do Programa Fome Zero no primeiro governo Lula, ele diz que maior desafio é não apenas garantir comida para todos, mas alimentos de qualidade. Por sua carreira dedicada a erradicação da fome em nosso país e no mundo, recebeu o prêmio concedido pela Niigata International Food Award Foundation (saiba mais neste texto).

Fotos: divulgação/arquivos pessoais

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE