PUBLICIDADE

Organizações que defendem os direitos dos povos indígenas acionam a ONU contra projeto do marco temporal

Cinco organizações da sociedade civil se uniram para alertar a ONU para apresentar os riscos PL 490/2007 e pedir que a instituição solicite, ao Estado brasileiro, o reconhecimento de sua inconstitucionalidade. São elas: APIB – Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, COIAB – Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Conectas Direitos Humanos, Comissão Arns e ISA Instituto Socioambiental.

O projeto de lei aprovado esta semana na Câmara, em 30/5, por 283 deputados (um deles, cassado: Deltan Dalagnol), inviabiliza demarcações com base no marco temporal -, libera a exploração econômica dos territórios (também dos homologados) sem consulta prévia e fere a cultura e direitos fundamentais das comunidades.

O marco temporal considera a data da promulgação da Constituição Federal, 5 de outubro de 1988, como marco jurídico para o reconhecimento do direito sobre os territórios indígenas. Os povos teriam que provar que habitavam suas terras até essa data para terem direito a elas.

No entanto, essa tese, adotada e disseminada pelos ruralistas, ignora violações de direitos sofridas pelos povos indígenas ao longo da história, incluindo invasão, expulsão e migrações forçadas. 

Isso tudo sem falar na divergência dessa proposta legislativa com os esforços do governo Lula e do mundo para proteger o meio ambiente e enfrentar a crise climática.

O documento foi enviado aos seguintes relatores da ONU:

  • José Francisco Cali Tzay, relator especial sobre os direitos dos povos indígenas;
  • Ashwini K.P, relatora especial sobre formas contemporâneas de racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância relacionada;
  • Fernand de Varennes, relator especial para questões de minorias;
  • Mary Lawlor, relatora especial sobre a situação dos defensores dos direitos humanos;
  • David Boyd,  Relator Especial sobre obrigações de direitos humanos relacionadas ao usufruto de um meio ambiente seguro, limpo, saudável e sustentável;
  • Ian Fry, Relator Especial na promoção e proteção dos direitos humanos no contexto das mudanças climáticas, e
  • Alexandra Xanthaki, relatora especial no campo dos direitos culturais

Fonte: APIB

Foto: Fábio Nascimento/Greenpeace

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE