ONU convoca criativos para participarem de grande campanha de informação sobre pandemia de coronavírus no mundo

Designers, artistas, músicos, produtores de conteúdo como fotógrafos, videomakers, jornalistas, blogueiros maiores de 18 anos e interessados em participar da campanha de esclarecimento da ONU – Organização das Nações Unidas sobre o coronavírus podem inscrever suas propostas criativas neste link, até 9 de abril, às 14h (horário de Brasília) ou 18h (horário de Londres).

Trata-se de uma convocação global que visa reunir as mensagens mais esclarecedoras a respeito da contaminação pelo vírus e como evitá-la efetivamente, como forma de prevenção contra a falta de conhecimento sobre a COVID-19, contra a desinformação que gera cenários propícios para a proliferação de fakenews.

“Vivemos tempos sem precedentes. A Organização Mundial da Saúde lidera e coordena uma resposta global ao novo coronavírus, buscando garantir que todos países consigam, minimamente, prevenir-se, detectar e responder à pandemia. Para garantir a eficácia destas ações, precisamos que pessoas de todas as localidades adotem cuidados com a saúde pública, sejam solidários com seus concidadãos, e previnam-se contra a desinformação”, dizem os organizadores da convocação no site Talent House, que media a submissão dos trabalhos.

Sim, este é o momento de união, de unir esforços para tentar conter a transmissão do coronavírus que, sabemos, se dá de forma extremamente veloz, por isso se espalhou rapidamente e se configura talvez na maior tragédia sanitária do planeta, neste século.

A compreensão deve ser o mais ampla possível, por isso, qualquer meio de produção é bem vindo – ilustração, meme, texto, foto… – nesta campanha, desde que a mensagem seja “clara, simples, impactante e compartilhável”.

Eis os temas (mensagens-chave) propostos para a campanha. Escolha um ou mais para trabalhar e atenha-se a eles, embasado no “verdadeiro espírito de saúde pública”:
higiene pessoal;
distanciamento físico, isolamento ou quarentena;
identificação dos sintomas;
“contágio” de bondade: fale de humanidade comum, saúde mental, carinho, solidariedade, empoderamento, desmistificação, alegria;
combate a mitos (Mythbusting); e
doação: “faça mais, doe!”.

Para entender melhor o que significa cada um dos temas, leia as informações do site (em inglês).

O que a ONU busca com esta campanha

A Organização das Nações Unidas precisa reunir um grupo de soluções criativas para atingir diferentes públicos, com idades, localidades e cultura diversas.

Por isso, a ONU espera receber propostas criativas que utilizem peculiaridades culturais ou façam interpretações que ajudem a amplificar a mensagem para públicos ainda não alcançados (desconhecem a pandemia) ou que ainda não compreenderam a urgência de agir para evitar uma tragédia maior.

Caso você escolha mais de um tema (ou mensagem-chave), faça uma inscrição para cada uma. Não serão aceitos trabalhos de diferentes temas numa mesma inscrição.

E existem restrições que podem anular a sua inscrição, portanto, veja o que não fazer:
– Não usar os logotipos da ONU e da OMS;
– Não se desviar dos temas (mensagens-chave) fornecidos;
– Não usar linguagem que possa ser interpretada como inflamatória, discriminatória ou estigmatizante;
– Não utilizar imagens ou fotos de pessoas que sejam ou pareçam menores de 18 anos. Apenas inclua imagens ou fotos de alguém que tenha concedido o uso para este propósito, portanto, a responsabilidade pelo consentimento é de sua inteira responsabilidade. Ou seja, somente você responderá por ela caso o retratado venha a reclamar do uso de sua imagem. Mais: você deve deter todos os direitos de uso dos elementos empregados no seu trabalho.

Concessão de uso e autoria

A inscrição é gratuita e os trabalhos não serão pagos, por isso, ao se inscrever, é importante que você concorde em ceder à ONU, a seus apoiadores e quaisquer pessoas que queiram compartilhar sua mensagem positiva, os direitos de uso, conceder permissão para que todos usem seu trabalho, em quaisquer meios.

Ou seja, ao inscrever seu projeto, você garante à ONU e a seus apoiadores uma licença de não-exclusividade, royalty-free, por até um ano, desde o lançamento, em 30/3/2020.

Claro que a autoria deverá preservada e, para tentar garantir que isso aconteça, todos os que compartilharem o material receberão solicitação para creditarem o autor. No entanto, a ONU não pode se comprometer que isso será feito por todos.

Trabalhos selecionados, e depois

A seleção de criadores será feita até 22 de abril. E, se você for um dos criativos selecionados, a Talent House entrará em contato por e-mail ativo. Fique atento.

Você terá 48 horas para responder e, nessa ocasião, a organização poderá requisitar o fornecimento dos arquivos abertos e uma cópia digitalizada da sua identidade.

Durante o período de inscrições e de seleção, seu trabalho poderá ser exibido para o público em um microsite da ONU – onde serão apresentados os selecionados -, nas redes sociais da ONU, nos canais dos apoiadores (que podem usar seus arquivos para criar versões traduzidas e de uso internacional) e nos sites TLNT (incluindo TalentHouse, Ello e Zooppa) e canais de marketing.

Quem participar desta campanha deve ter em mente que o trabalho submetido será revisado e considerado para co-branding e distribuído para todos os canais associados à organização.

Todas as inscrições ficarão visíveis, no site da Talent House, após o anúncio dos selecionados e você será convidado a compartilhar seu trabalho nas redes sociais desde o lançamento na plataforma. E, ao compartilhar, é desejável que marque a @WHO (OMS), @UnitedNations@Talenthouse, além de usar as hashtags: #UNCovid19Brief #FlattenTheCurve #SafeHands #AloneTogether #ViralKindness #StopTheSpread #Coronavirus #Covid19.

Fotos: Stokpic/Pixabay, Jonathan Farber e Valentim Salja / Unsplash

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta