‘O Território’, documentário sobre as ameaças aos indígenas Uru-Eu-Wau-Wau, de Rondônia, é indicado ao Emmy 2023

Desde que começou a ser exibido em festivais de cinema pelo mundo, em janeiro de 2022 – foram 120 em um ano! – o documentário ‘O Território’ tem colecionado boas críticas e prêmios. Só no site Rotten Tomatoes, agregador de criticas de cinema e TV, 95% dos textos elogiam a obra. E trouxe pra casa mais de 20 prêmios internacionais.

Também participou da shortlist do Oscar, este ano, e acaba de ser anunciado entre as indicações ao 75º Emmy Awards 2023, principal premiação da televisão americana, em três categorias de não-ficção: cinematografia, melhor direção e mérito excepcional (produção).

'O Território', documentário sobre as ameaças aos indígenas Uru-Eu-Wau-Wau, de Rondônia, é indicado a três categorias do Emmy Awards

A cerimônia de premiação está marcada para 18 de setembro, em Los Angeles. No entanto, devido à greve dos roteiristas de Hollywood, que começou em maio, e à paralização de cerca de 160 mil atores de TV e cinema, desde a meia-noite de ontem, 13/7, a Academia pode alterar a data da festa para novembro deste ano ou janeiro de 2024.

Depois de um período em exibição em salas de cinema pelo Brasil, agora o documentário pode ser assistido somente no canal Disney+ (para assinantes).

A história

Dirigido pelo americano Alex Pritz – também um dos responsáveis pela produção; a líder indígena Txai Suruí fez a direção executiva – e distribuído pela National Geographic, o longa mostra a luta incansável dos indígenas Uru-Eu-Wau-Wau, em defesa dos 11 mil km2 de seu território protegido em Rondônia, na Amazônia, contra posseiros, que reivindicam terra e grileiros (agricultores e colonos ilegais), que queimam e desmatam ilegalmente a floresta.

Durante 1h24m, o público acompanha o dia a dia corrido e perigoso de Bitaté, jovem Uru-Eu-Wau-Wau que recebe a missão de ser uma nova liderança para seu povo – para lutar contra o desmatamento ilegal, queimadas, invasão e grilagem -, e sua mentora Ivaneide Bandeira (mais conhecida como Neidinha Suruí), ativista e coordenadora da Associação de Defesa Etnoambiental – Kanindé

'O Território', documentário sobre as ameaças aos indígenas Uru-Eu-Wau-Wau, de Rondônia, é indicado a três categorias do Emmy Awards

Em uma das cenas (foto abaixo), Bitaté lidera fiscalização dentro da terra indígena e flagra homem armado, suspeito de invasão. Durante a abordagem, que aconteceu em 2020, os indígenas passaram álcool em gel em suas mãos e o obrigaram a usar máscara. Na época, a pandemia de covid-19 estava no auge.

'O Território', documentário sobre as ameaças aos indígenas Uru-Eu-Wau-Wau, de Rondônia, é indicado a três categorias do Emmy Awards

Ao longo da narrativa, fica clara a vulnerabilidade da família de Neidinha devido ao ativismo desta mulher de coragem que denuncia crimes ambientais de forma incessante. 

O líder Ari Uru-Eu-Wau-Wau (foto abaixo) participou do início das filmagens, mas morreu numa emboscada em abril de 2020. Ele era amigo de infância de Txai Suruí (ela falou dele em seu discurso na Cúpula da conferência do clima de 2021) e muito querido por Neidinha. Fazia parte do grupo de monitoramento (guardiões da floresta) de seu povo e registrava e denunciava extrações ilegais de madeira dentro da aldeia.

'O Território', documentário sobre as ameaças aos indígenas Uru-Eu-Wau-Wau, de Rondônia, é indicado a três categorias do Emmy Awards
Foto: Gabriel Uchida

Prêmios

Desde seu lançamento com a participação em seu primeiro festival, em Sundance, ‘O Território’ tem recebido diversas indicações a prêmios internacionais.

De acordo com o canal NatGeo, detentor dos direitos visuais do filme, ele talvez seja “um dos documentários mais condecorados de 2022”. 

Já em janeiro desse ano, no Sundance Film Festival, nos Estados Unidos, ‘faturou’ dois prêmios: Melhor Documentário do Mundo (voto popular)Prêmio Especial do Júri para Obra Documental. 

No CPH:Dox, em Copenhague, na Dinamarca, o maior festival de documentários do mundo, recebeu menção especial do júri, em março, enquanto seguia concorrendo em quase 30 outros festivais de cinema pelo mundo e, tanto os protagonistas como os integrantes da equipe, se espalhavam para dar conta.

No mês seguinte, veio a premiação como Documentário Ativista no Festival Internacional ‘Filmes que Importam’ (Movies that Matter Festival), em Haia, na Holanda.  
_________________

Leia também:
Doc ‘O Território’ conquista o mundo
(abril 2022)

Fotos do filme: divulgação

Deixe uma resposta

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.