O que é reconexão e como ela se relaciona com nosso propósito de vida?


“A questão do propósito de vida é causa de angústia para muita gente, especialmente para aqueles que iniciaram o processo de despertar da consciência, que é sinônimo de desamortecimento. Essas pessoas começaram a remover as armaduras e a se curar da normose, o estado hipnótico de ‘normalidade’, no qual a entidade age de forma condicionada e se amortece basicamente com comida, sexo e dinheiro. Aqueles que iniciaram esse processo, estão se questionando: ‘Quem sou eu? O que vim fazer nesse mundo? Para onde estou indo?’. Para essas pessoas, essas questões tornaram-se urgentes, pois a inconsciência a respeito do propósito gera sintomas bastante desagradáveis, entre eles um terrível sentimento de desencaixe e de falta de sentido na vida”, afirma Sri Prem Baba.

Um dia estive nesse lugar. Não soube por que raios era jornalista. Mas a Amazônia, “o berço esplêndido de vida verde” – como diria o cientista Antonio Nobre -, me acolheu neste despertar, mas eu não teria ido muito adiante se não olhasse para dentro de mim mesma e aceitado o que via.

Só Deus e meus amigos mais próximos sabem o quanto eu já chorei e sofri ao ver a Amazônia desaparecer um pouco mais, a cada dia. Foram anos de muitas lágrimas que começaram em 2006, na visão que tive em um ritual xamânico. Eu sentia a floresta pedir socorro ao mesmo tempo em que imagens da Amazônia em chamas ardiam em minha mente e em minha alma. Eu via a floresta queimando e sentia a dor dela, ao mesmo tempo em que sentia sua dor dentro de mim. Chorei na semana seguinte inteira, cada vez que me lembrava daquelas queimadas.

Reconhecer a dor da floresta trouxe à tona muita dor em mim, mas com ela veio a força de lutar para cuidar da Amazônia com todos os meus talentos possíveis. Foi o reconhecimento desta dor que me colocou na jornada de cuidado com a floresta. Isso aconteceu há 11 anos. Hoje, entendo porque a dor me impulsionou a caminhar para a frente e me tirou da normose mencionada por Prem Baba.

Como enxergar a dor e sair dessa normose? A norte-americana Joanna Macy – vou falar bastante dela por aqui – desenvolveu um trabalho maravilhoso hoje reconhecido internacionalmente chamado O Exercício da Reconexão ou, em inglês, The Work That Reconnects, cuja missão é “ajudar as pessoas a descobrirem e vivenciarem suas conexões inatas umas com as outras e com os poderes sistêmicos e de autocura da rede da vida, para que possam se animar e se motivar a representar seu papel na criação de uma civilização sustentável”.

Existem, obviamente, diversos caminhos para isso. Nos próximos posts, falarei sobre eles. O primeiro ponto é assumirmos que temos a liberdade para expressarmos como nos sentimos em relação às condições atuais de nosso planeta. Vemos as notícias, elas nos impactam, mas o quanto temos de fato nos permitido dar vazão às emoções que nos assaltam quando somos impactados pelas dores do mundo?

Olhar para os problemas e reconhecer nossas emoções em relação a eles é um importante passo no exercício da reconexão – lembre do que aconteceu comigo! Que possamos dizer a nós mesmos: “eu sinto (angústia, tristeza, ansiedade, raiva etc) quando vejo que (o desmatamento aumenta na Amazônia, a Síria voltou a ser bombardeada, mulheres sofrem estupros coletivos no Congo etc)”.

Então, agora, te deixo com algumas perguntas para reflexão:
– o que te causa incômodo, entre as notícias que você acompanha e fatos que você presencia, em seu dia a dia?
– quais são esses incômodos? Quais são as emoções que você identifica?
– com quem você poderia falar abertamente sobre isso, em tom de “abrir o coração” (que é bem diferente de reclamação)?

Escreva as respostas em um papel e guarde. Na semana que vem, aprofundaremos. Espero que, ao fazer este exercício, seu coração fique mais aliviado. Ah… e permita-se sentir o que quer que seja. Não se reprima. Se acolha. Aceite.

Quanto mais você se permitir entrar nesta jornada, mais consciente ficará de suas forças e de seu imenso poder para curar a sua vida, deixar o mundo mais bonito e se afinar com o propósito de sua existência.

Foto:

Karina Miotto

Conectada com a força da floresta – guiada, protegida e inspirada por ela. Jornalista ambiental, educadora e fundadora do Reconexão Amazônia. Há mais de uma década tem se dedicado a proteger a Amazônia, onde morou por cinco anos. Mestre em Ciências Holísticas pela Schumacher College, Inglaterra, é formada em Educação para a Sustentabilidade pelo Gaia Education e Vivências com a Natureza pelo Instituto Romã.

Deixe uma resposta