“O governo italiano precisa encarar o elefante na sala”, diz Jane Goodall, ao pedir que G20 proíba comércio de animais silvestres

"O governo italiano precisa encarar o elefante na sala", diz Jane Goodall e pede que G20 proíba comércio de animais silvestres

Este final de semana estão reunidos em Roma, na Itália, os líderes das maiores economias mundiais, durante a Cúpula do G20. Sem dúvida alguma, os dois principais assuntos que estarão no foco das discussões serão a pandemia da covid-19 e a melhor distribuição de vacinas aos países de baixa renda e o enfrentamento à crise climática. Diante desse contexto e também, do início da Conferência das Nações Unidas para o Clima, a COP-26, em Glasgow, na Escócia, a partir de amanhã (31/10), Jane Goodall escreveu um artigo sobre a urgente necessidade de dar um basta ao comércio internacional de animais silvestres.

A cientista, primatóloga e antropóloga britânica, de 87 anos, dedicou sua vida ao estudo dos chimpanzés, à proteção da natureza e ainda, nas últimas décadas, a promover o acesso da educação aos jovens. Ela é uma das mais importantes e respeitadas vozes quando o assunto é preservação ambiental.

No ano passado, Jane já tinha falado sobre o problema do tráfico ilegal da vida selvagem, quando afirmou que “A pandemia é o resultado de nosso absoluto desrespeito ao meio ambiente e aos animais”. Agora ela conclama os líderes globais a agirem.

O artigo foi elaborado a pedido da organização Proteção Animal Mundial, da qual ela é embaixadora, e compartilhado na versão, em português, com o Conexão Planeta, que o reproduz abaixo.

“O que o raro falcão-peregrino da Itália tem em comum com os inteligentes papagaios-cinzentos do Congo ou com os crocodilos-de-água-salgada da Austrália? Eles, e milhares de outras espécies de vida silvestre, são vítimas comuns do comércio mundial de vida selvagem que movimenta vários bilhões de dólares a cada ano. Eles são explorados para ganho comercial internacional; reduzidos a mercadorias para abastecer mercados de alimentos, animais de estimação exóticos, remédios, ornamentos, moda e até mesmo para nosso entretenimento.

Tenho testemunhado com demasiada frequência a vida de animais selvagens arrancados de suas mães, torturados para serem submissos aos humanos e acondicionados em gaiolas como sardinhas. Esta é a crueldade do comércio de animais silvestres em escala industrial. Somado a esse horror está o risco muito real de transmissão de doenças zoonóticas que existe em cada etapa das cadeias de suprimentos, e provavelmente estamos sentindo suas consequências agora mesmo com a pandemia de Covid-19. A Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES) estima que existam cerca de 1,7 milhão de vírus não descobertos em animais selvagens, dos quais aproximadamente metade pode se espalhar para humanos.

Em todo o mundo – dos mercados de vida selvagem da Ásia às fazendas de visons da Europa – estamos criando ambientes perigosos para que doenças se espalhem dos animais para os humanos. Este é um problema global que exige uma resposta global. Estou conclamando todos os líderes mundiais do G20 a se unirem na Cúpula dos Líderes deste final de semana (30 e 31 de outubro) em Roma para porem fim ao comércio internacional de vida silvestre. Isso deve abranger a vida selvagem viva ou morta, suas partes e derivados para produza resultados eficazes.

Existem inúmeras deficiências nas estruturas jurídicas dos países do G20 que continuam a explorar cruelmente a vida selvagem e deixam o mundo vulnerável a futuras pandemias. Por quanto tempo mais podemos ignorar essa ameaça?

A Itália já mostrou que pode liderar o apelo do Parlamento italiano por uma legislação que proíba o comércio de animais selvagens e exóticos. O governo italiano também está tomando medidas cruciais para reconhecer, assim como nós, que cada indivíduo é importante ao se comprometer a melhorar o bem-estar dos macacos em cativeiro. A proposta do Instituto Jane Goodall sobre este assunto foi recebida pelos ministérios envolvidos, e temos esperança de que ações serão tomadas em breve. A Proteção Animal Mundial, uma organização global de bem-estar animal, também se envolveu com ministros italianos e do G20 em eventos do G20 este ano – da Cúpula de Saúde Global à Cúpula de Ministros da Agricultura – com o objetivo de garantir seu apoio para a proibição do comércio de animais selvagens.

O que une essas questões é que uma abordagem de saúde única deve ser adotada. Esta abordagem foi endossada pelo governo italiano e enfatiza que a saúde animal, humana e ambiental estão interligadas e, portanto, requerem um tratamento holístico. Em 2020, o Jane Goodall Institute juntou-se ao inovador grupo Wildlife Conservation 20 (WC20, Conservação da Vida Silvestre 20) e aos nossos colegas da Global Initiative to End Wildlife Crime (EWC, Iniciativa Global para Acabar com os Crimes da Vida Silvestre), conclamando os países do G20 a adotarem uma abordagem de Saúde Única conforme articulado nos Princípios de Berlim de 2019. Manter tudo como está não é uma opção para a sobrevivência não só de nossa espécie, mas de todos aqueles com quem compartilhamos esta Terra.

Infelizmente, os riscos à saúde pública impostos pelo comércio de animais silvestres não foram mencionados quando os Ministros da Saúde do G20 se reuniram no início de setembro, nem quando os Ministros da Agricultura do G20 se reuniram há algumas semanas. Os líderes mundiais do G20 estão tão bem posicionados quanto qualquer grupo de tomadores de decisão na história para tomar medidas ativas em direção à proibição do comércio de vida silvestre. Ainda assim, parece que a questão não está na agenda da Cúpula do G20.

A Itália tem se mostrado empenhada em reduzir os riscos de futuras pandemias, mudando o assunto da preparação e resposta para a pandemia para a prevenção de pandemias. No entanto, a cada dia que passa o G20 deixa de agir para mitigar o risco de danos inerentes ao comércio global de vida selvagem, eles colocam em perigo não apenas a vida selvagem, mas também o bem-estar dos humanos. Há muitos motivos pelos quais sempre acreditei que os animais selvagens deveriam ser deixados onde pertencem, mas tenho certeza de que todos podemos concordar que isso é mais relevante agora do que nunca.

A Itália tem a oportunidade de liderar o mundo ao endossar e implementar a proibição do comércio de animais selvagens, seus produtos e derivados. Isso deve ser aplicado em todo o comércio e tornado permanente, abrangente e reforçado. A alternativa a isso é permitir que o próximo vírus zoonótico inevitável cause mais mortes e devastação. Seria um erro do Governo italiano ignorar este risco, quando o destino dos animais, das pessoas e do nosso planeta depende das escolhas dos líderes mundiais do G20″.

Leia também:
Jane Goodall se une a campanha pelo plantio de um trilhão de árvores até 2030
Jane Goodall recebe o Templeton Prize, prêmio internacional por trabalho que alia ciência e espiritualidade
“Precisamos ter mais compaixão e respeito pelos animais e por seus habitats para criar um futuro melhor”, alerta Jane Goodall
Animação de poema infantil sobre um novo olhar para a natureza pós-pandemia ganha a narração de Jane Goodall

Foto: reprodução Facebook Dr. Jane Goodall/Michael Christopher Brown

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta