O finado limoeiro e a conserva de limão siciliano

O finado limoeiro e a conserva de limão

Chega a um amarelo luminoso a cor perfeita do limão siciliano. Leva tempo pra resplandecer assim e, aberto, transbordar de suco interior. É uma caminhada paciente desde o plantio da muda no quintal. Esperar crescer, ganhar tamanho e força, engrossar tronco e galhos, brotar folhas perfumadíssimas, flores brancas perfumadíssimas, lindas. Depois acompanhar um broto, uma fruta mínima verde, o inchaço saudável, a coloração transmutante, o amadurecimento até chegar ao limão feito.

Amarelo luminoso, grande, pesado. Dele tudo se aproveita: a casca ralada pra apurar gosto de receita doce e salgada, da salada, o suco, o gomo, o limão inteiro em conserva de salmoura. Fiz de tantada pra aproveitar a safra. O pote onde ele fica lá mais de mês intercambiando sal, água, suco, sabor, se entregando pra durar pra quase sempre, pro sabor permanente. Ah, a delícia que é.

Uma fartura de colheita em um único pé de limão siciliano. Rende tudo isso e eu, sempre no afã de não desperdiçar, ralo a casca, uso em tudo que é canto, espremo o suco, congelo em porções. Garanto a presença dele comigo por gelo e por conserva.

Na temporada da fruta, vigio o limoeiro tão generoso e já rebrotando, reverencio o processo com toda cor que ele traz, todo cheiro esparramado, todo sabor que promete.

Mas teve um dia que o limão e as folhas todas amarelaram e eu fiquei apreensiva. Era um tempo de enfermidade. Me aproximei mais e muitas vezes, conversei, toquei. A folha amarela caía. Pensei que era só esperar mais uma vez e dessa vez um tempo de convalescença, que as coisas iam melhorar; procurava um rebrotar. Não veio. Mais folhas caíram. Amarelas da cor do limão maduro. Colhi limão maduro. Tinha muitos lá, pendurados. Foi como um resgate, um socorro, uma despedida. Até que não tinha mais limão nem folhas. O tronco ficou altivo, fincado, testemunhando minha  tristeza ao reconhecer que de tanta doação o limoeiro se esgotou. Morreu.

Semana passada fiz uma salada de berinjela assada. Coisa simples, assada em rodela. No tempero, busquei fatias em conserva da casca do limão siciliano do quintal, do finado limoeiro.

Não tinha comido ainda uma salada de berinjela com aquele sabor. Era o limoeiro redivivo no prato, a memória e a permanência.

Hoje, outra muda foi plantada no mesmo lugar. Recomeço a caminhada paciente.

Esperar crescer, ganhar tamanho e força, engrossar tronco e galhos, brotar folhas perfumadíssimas, flores brancas perfumadíssimas, lindas. Depois acompanhar um broto, uma fruta mínima verde, o inchaço saudável, a coloração transmutante, o amadurecimento até chegar ao limão feito.

Receita de conserva de limão siciliano

INGREDIENTES
4 limões sicilianos para a conserva
4 limões sicilianos para extrair o suco (não esquece de ralar a casca e aproveitar em outros preparos. Até em massa de bolo)
100 g de sal grosso
folhas de louro
pimenta dedo de moça
semente de coentro para aromatizar
água fria

MODO DE FAZER

Faça cortes em cruz em cada limão com medida de até dois terços de profundidade.  A base do limão deve ser preservada.

Coloque sal grosso dentro do limão, por entre as fendas. Acomode os limões salgados num pote esterilizado, despeje o suco de limão e as ervas aromáticas. Se o suco não for suficiente pra cobrir o limão, pode completar com água esterilizada e fria. Tampe hermeticamente.

O limão fica nessa salmoura por um mês, em temperatura ambiente e protegido do sol. Nesse período, não se descuide: inverta o frasco, movimente a salmoura de vez em quando para que os sabores se misturem. Ao final do tempo de conserva, a casca do limão fica tenra.

É hora de começar a usar essa conserva maravilhosa. Você pode ir tirando da conserva um limão por vez, dependendo da sua necessidade : o caldo pode ser usado em marinada de frango (com moderação); os gomos podem cobrir peixe no forno ou dar um toque discreto em carne cozida. Evite a parte branca, que é amarga. Essa você descarta.

A estrela da conserva é mesmo a casca, que pode ser usada em fatias grandes ou pequenas, finalizando saladas, peixes, assados, sanduíches,  levando pro cardápio um toque cítrico e perfumado 

Minha dica: eu ainda preservo só a casca em azeite. Então, o azeite vira azeite de limão. É uma delícia. Isso não tem fim. Amém.

Leia também:
Angu pra não ficar borocochô
Deu errado, mas a gente segue com a mão na massa do ravioli de abóbora

A visita trouxe rolinho de berinjela
Cozinha de quarentena: temperando o isolamento com acolhimento
Pão é partilha. Receita também!
Na cozinha, de quarentena
Cheesecake para adoçar a quarentena

Foto: domínio público/pixabay

Cássia Miguel

Mulher de marido, mãe de filho, madrasta de enteados. Começou a carreira profissional vendendo pinga e pão com mortadela na venda dos pais, em Minas. Foi bancária, revisora de jornal, rádio escuta, repórter, editora e apresentadora de TV. Hoje é especializada em media training, com foco para entrevistas em TV e vídeo. Fez jornalismo na PUCCAMP, pós graduação em Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional e Relações Públicas na USP e Análise do Discurso na PUC SP. Tudo isto sem tirar o pé da cozinha

Um comentário em “O finado limoeiro e a conserva de limão siciliano

  • 27 de novembro de 2020 em 7:18 AM
    Permalink

    Eu conheço essa história. É um pouco triste, mas é assim. Seu limoeiro completou seu ciclo. E deixou ótimas lembranças!

    Resposta

Deixe uma resposta