Nova espécie de cobra, encontrada na Índia, é batizada pelos cientistas com o nome de um personagem de ‘Harry Potter’

Muita gente adora dar “nome de gente” para seus bichinhos de estimação: Julio, Yasmin, Victor, Mônica… Alguns escolhem nomes de amigos, parentes, de heróis ou divindades. E os cientistas, quando descobrem uma espécie, ao batizá-la também gostam de incluir no nome cientifico o de alguém querido e admirado. E esse foi o caso dos pesquisadores que descobriram uma nova espécie de cobra, que vive no norte da Índia.

Fãs da saga de Harry Porter, no artigo científico que escreveram a respeito da descoberta, para o periódico especializado Zoosystemathics and Evolution, revelaram que, ao batizá-la, fizeram “referência a uma personagem ficcional criado por J.K. Rowling“. Na história, “é o cofundador da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts: Salazar Sonserina“.

E parece que não poderia ser mais mais adequado. Na série, Salazar é o patrono da casa comunal Sonserina, representada por uma serpente e pela cor verde. E mais: como Harry e Voldemort, ele é ofidioglota, ou seja, capaz de falar a língua das cobras.

Mas eles não se inspiraram na série de livros de Rowling apenas pela paixão que têm pela história e pelos personagens, mas também porque queriam chamar a atenção do público leigo e da mídia para a urgência de proteção da biodiversidade no norte da Índia. Muito pouco estudada pela ciência, já está ameaçada por conta do desenvolvimento econômico, mais especificamente devido ao avanço da agropecuária e da construção de hidroelétricas. Poxa…

Moradora das florestas próximas ao Himalaia

A mais nova descoberta feita na Índia – a Trimeresurus salazar ou, como já é mais conhecida, a “víbora de Salazar” – é verde e amarela em tons cítricos, muito chamativos e vibrantes. Então, porque será que ela não foi descoberta antes?

Além da biodiversidade riquíssima da regiãoas florestas de Arunachal Pradesh, próximas ao Himalaia -, nenhum pesquisador a havia mapeado. O que quer dizer que é bem possível que outras pessoas já tenham visto essa cobra linda, mas certamente sem o conhecimento de que era desconhecida para os biólogos.

Outro motivo é que ela é muito parecida com outras espécies do gênero Trimeresurus – inclusive, na cor -, então, só estando focado na pesquisa e nos mínimos detalhes é que se descobriria que há diferenças entre elas.

Só para citar algumas, a Trimeresurus salazar tem uma listra laranja nas costas (machos, apenas) e um formato diferente de pênis (esse gênero tem dois!). A quantidade de dentes também a diferencia das demais cobras do mesmo gênero. Por isso, a confirmação de que ela é uma nova espécie só foi possível depois da análise de seu DNA em laboratório.

Vespa e aranha também homenageiam a saga de Hogwarts

Salazar não é a primeira espécie a homenagear personagens da história de Rowling. Os dementadores, criaturas que guardam a prisão de segurança máxima, de Azkaban – onde Sirius Black ficou injustamente detido – e Godric Gryffindor, patrono da casa Grifinória, que também era cofundador de Hogwarts deram seus nomes a duas novas espécies de insetos: uma vespa e uma aranha.

A vespa recebeu o nome de Ampulex dementor, em 2014. E, dois anos depois, a aranha foi batizada de Eriovixia gryffindori. Neste caso, a razão encontrada pelos pesquisadores fãs da ficção tava na cara, ou melhor no corpo todo.

A aranha tem o formato do chapéu seletor usado por Gryffindor, que é um artefato mágico falante que escolhe onde cada estudante será acolhido.

Fotos: Aamod Zambre/Divulgação Eaglenest Biodiversity Project

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta