PUBLICIDADE

Nível do Rio Negro fica ainda mais baixo e quase 60 municípios do Amazonas seguem em estado de emergência

Nível do Rio Negro fica ainda mais baixo e quase 60 municípios do Amazonas seguem em estado de emergência

*Por Luciano Nascimento

Após o envio pelo governo de mais brigadistas para combater incêndios na região metropolitana de Manaus, os focos de fogo diminuíram, segundo o governo do Amazonas. Foram registrados 415 focos de calor entre os dias 8 e 10 de outubro e no período de 11 a 15 deste mês, as ocorrências caíram para 28.

“A gente tem um conjunto de situações, primeiro essa ação que se intensificou e também as chuvas que caíram nos últimos dias ajudaram a diminuir sensivelmente a questão desses focos de calor aqui na região metropolitana”, afirmou Wilson Lima, governador do estado, em entrevista coletiva.

Segundo o Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas, de 12 de julho a 15 de outubro já são 2.386 incêndios combatidos, 1.691 no interior e 695 na capital. Os focos fizeram com que Manaus ficasse encoberta por uma nuvem de fumaça.

Ao apresentar o balanço, Lima também disse que se encontrará, em Brasília, com o vice-presidente Geraldo Alckmin, juntamente com outros ministros para tratar da questão da estiagem no estado.

o nível do Rio Negro baixou ainda mais, chegando a 13,49 metros, o menor desde 1902, quando começaram as medições do volume das águas. O baixo volume afetou a navegação de navios que transportam cargas de insumos para o comércio e fabricação de produtos na Zona Franca de Manaus (ZFM).

A Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem (Abac) disse que empresas de navegação que possuem linhas regulares para atender a zona produtora e a comunidade, já começaram a sentir os impactos da seca, especialmente sobre o transporte de produtos mais pesados, como  alimentos (arroz, congelados e resfriados), cimento, metais, cerâmica, porcelanato e fertilizantes.

“As empresas apontam que a seca poderá impactar a navegação em 50%, ou seja, 50% do que deveria ser transportado deixará de ser durante este período. No pior cenário, em função da segurança, não será possível a navegação pelo Rio Amazonas”, disse a Abac.

Para reduzir o impacto, o governo federal anunciou a realização de obras de dragagem em trechos dos rios da região.

Segundo o governador do Amazonas, as obras de dragagem no trecho do Rio Amazonas, conhecido como Tabocal, próximo a Itacoatiara, localizado a 176 quilômetros de Manaus, terão início nos próximos dias.

Seca histórica no Amazonas

Boletim atualizado da Defesa Civil do estado, mostra que a situação da seca no Amazonas levou 59, dos 62 municípios a decretar situação de emergência, um está em alerta (Canutama) e dois permanecem em situação de normalidade (Presidente Figueiredo e Apuí). Até o momento, 138 mil famílias foram afetadas e aproximadamente 557 mil pessoas.

“Com relação à ajuda humanitária, 40 mil cestas básicas estão entregues, em trânsito ou prontas para entrega pelo Governo do Amazonas, por meio da Defesa Civil, em parceria com Exército e Marinha. O Estado também segue com entregas de alimentos do Merenda em Casa, com mais de 2,2 mil kits já entregues”, informou o governo do Amazonas.

*Texto publicado originalmente em 18/10/23 no site da Agência Brasil

Leia também:
Queimadas no Amazonas: defensor público pede intervenção federal no estado e que STF seja acionado
Fumaça de queimadas segue afetando vida de milhares de pessoas no Amazonas, que sofre com estiagem histórica
Mais de 100 botos morrem no Lago de Tefé (AM) em meio à seca severa e ao aquecimento da água: pesquisadores investigam
Manaus está entre cidades com a pior qualidade de ar do mundo por causa de queimadas e estiagem

Foto de abertura: Antônio Lima / Secom

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE