PUBLICIDADE

Natura enfrenta preconceito e ódio nas redes sociais após lançamento de campanha pela diversidade

Natura enfrenta preconceito e ódio nas redes sociais após lançamento de campanha pela diversidade

Intolerância. Preconceito. Falta de respeito. Ódio.

Infelizmente, estamos vivendo uma época em que esses sentimentos tão vis e desprezíveis são disseminados, sem pudor algum, por usuários das redes sociais.

As duas mais recentes vítimas dessa onda de insensatez foram a empresa de cosméticos, Natura, e a comunidade LGBT+ do Brasil.

A marca lançou na segunda-feira (13/05) uma nova campanha: #ColeçãoDoAmor, produzida pela agência Tribal Worldwide.

Com o slogan “No Amor cabem todas as cores”, o vídeo conta a história de três casais: uma drag queen e uma mulher (Nathalia e Beatriz); uma mulher transexual e uma mulher (Dominich e Gabi) e duas mulheres (Hadassa e Dayane).

Infelizmente, no dia seguinte, a hashtag #boicoteanatureza estava entre os trending topics do Twitter. Internautas que eram contra a campanha, acusaram a Natura de “militante”, usando a frase “quem lacra não lucra”.

Em nota, a marca divulgou a seguinte mensagem:

A Natura acredita no valor da diversidade. Isso está expresso em nossas crenças há mais de vinte anos, em nossas campanhas publicitárias, projetos patrocinados e em nosso corpo de colaboradores. Com o lema “No amor cabem todas as cores”, a nova coleção de maquiagem FACES reforça o apoio da marca à causa LGBT+, incentivando o orgulho de ser quem é e amar quem quiser.”

Bravo!

Quem dera existissem mais empresas corajosas, que defendem a tolerância e a diversidade e não recuam diante do preconceito, mesmo correndo o risco de enfrentar a perda de consumidores e o embate público.

Em seu blog, a marca tem diversos textos sobre diversidade. Um deles é um glossário LGBT+, que explica a diferença entre, por exemplo, os termos queer, intersexual e pansexual.

Lamentável é o comportamento daqueles que compartilharam a hashtag contra a campanha da Natura nas redes sociais. Ninguém é obrigado a aceitar o que não gosta, então, fácil: não curte e pronto. Sem propagar o ódio.

Está com tempo livre para escrever bogagem na internet Aqui vai uma sugestão: que tal usar esse tempo precioso e fazer um trabalho voluntário na sua cidade?

Leia também:
Escócia é o primeiro país do mundo a incluir aulas sobre LGBTI no currículo das escolas
Em Paris, faixas pintadas em homenagem à Parada LGBT tornam-se permanentes depois de vandalismo
Barbie, agora, tem namorada
Disney levanta bandeira da diversidade ao mostrar casal gay com filhos em desenho infantil
Beijo gay aparece pela primeira vez em desenho infantil da Disney

Comentários
guest

4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Sandra
Sandra
5 anos atrás

O que na verdade pode ou não pode, o que é certo ou errado, o que Deus aprova ou condena, o que posso fazer e o que não posso, como educar meu filho e como não, o que é mentira e o que é verdade, o que é preconceito e o que é conceito, o que é proibido ou liberado, o que é amor e AMOR, só preciso entender como sair de casa e não voltar OUTRA PESSOA, vestindo a roupa que não quero, calçando o sapato que não gosto e falando o idioma que ninguém entende nem mesmo eu.

Carlos Alberto dos Santos
Carlos Alberto dos Santos
3 anos atrás

Não é ódio,as pessoas têm direito de se manifestar,afinal,não pregam tanto que vivemos numa democracua?A verdade dói né?

Carlos Alberto dos Santos
Carlos Alberto dos Santos
3 anos atrás

*democracia

Jacqueline
Jacqueline
4 dias atrás

De mal gosto essa campanha. Muito forçado,esquece a grande maioria dos clientes. Não gostei.

Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE