Nas urnas, população do Colorado vota pela reintrodução do lobo cinza no estado americano

Nas urnas, população do Colorado vota pela reintrodução do lobo cinza no estado

O resultado foi apertado, mas 50,4% dos eleitores do Colorado decidiram que o lobo cinza será reintroduzido no estado americano. Esta foi a primeira vez nos Estados Unidos que um tema como esse é resolvido nas urnas. Geralmente, a reintrodução de espécies na vida selvagem é definida por um comitê de biólogos em âmbito estadual.

Mas nos Estados Unidos, durante as eleições, como a que aconteceu no último dia 3 de novembro, além dos votos em candidatos, a população também dá sua opinião sobre outros temas, como redução de impostos, legalização de drogas ou aumento do valor do salário mínimo.

A reintrodução do lobo cinza no Colorado será feita até 2023. A proposta para que o assunto entrasse em votação foi elaborada pelo Rocky Mountain Wolf Action Fund. A organização defende que por ser um animal de topo de cadeia, ele ajudará a reestabelecer o equilíbrio dos ecossistemas locais.

O primeiro passo será a reintrodução de 40 lobos em uma área de 6 milhões de hectares de terras públicas. Uma iniciativa similar e que teve imenso sucesso foi feita no Parque Nacional de Yellowstone, em 1995.

Desde 1974 os lobos fazem parte da lista de Espécies Ameaçadas Protegidas dos Estados Unidos. Eles tinham sido praticamente dizimados em solo americano na década de 30, inclusive, com o apoio governamental, que incentivou a caça, uso de armadilhas e envenenamento. Restavam pouco mais de 1 mil indivíduos na vida selvagem.

Nas últimas décadas, graças à proteção da espécie, esses números subiram para aproximadamente 6 mil lobos.

Infelizmente, há poucas semanas, apesar do apelo de cientistas, o governo de Donald Trump derrubou a proteção aos lobos cinzas (leia mais aqui).

No ano passado, mais de 100 cientistas vieram a público, em uma carta enviada ao governo dos Estados Unidos, ressaltar que a proteção aos lobos deveria ser mantida.

“Este não é um momento de ‘missão cumprida’ para a recuperação dos lobos. Eles estão apenas começando a se firmar em lugares como o norte da Califórnia e o noroeste do Pacífico, e precisam de proteção federal para explorar o habitat nas Montanhas Rochosas do Sul e no Nordeste”, afirmou Kristen Boyles, advogada da organização Earthjustice. “Essa decisão de exclusão é o que acontece quando ciência ruim leva a políticas ruins”.

Segundo o International Wolf Center, existem duas espécies de lobos amplamente reconhecidas no mundo, o vermelho e o cinza. No entanto, cientistas suspeitam sobre a existência de outras possíveis subespécies do lobo cinzento. Há também um canídeo pouco conhecido, que vive nas terras altas da Etiópia, chamado Canis simensis, que se acredita ser um parente muito próximo do lobo.

Os lobos são os maiores membros da família canídeos, a mesma a que percentem os cães de estimação. Há muitas décadas, os lobos eram os mamíferos terrestres selvagens mais amplamente distribuídos no Hemisfério Norte.

Leia também:
Pesquisadores celebram presença de loba onde vive lobo que perdeu companheira grávida morta por caçadores
Organizações de conservação oferecem 30 mil euros para quem encontrar fêmea de lobo selvagem ou o caçador que a matou
Trump muda regras para caça e volta a permitir métodos cruéis contra ursos e lobos
Após morte da mãe, filhotes de lobo-guará são levados para zoo de Brasília, para no futuro, poderem voltar à natureza

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta