Nanocamaleão, o menor réptil da Terra, é descoberto em Madagascar

O macho mede apenas 13,5 mm (ou 1,35 cm); do topo à cauda seu comprimento é de 22 mm (ou 2,2 cm). Como de costume entre camaleões, a fêmea é um pouco maior: 29 mm (ou 2,9 cm).

Por isso, de acordo com a coleção de Zoologia do Estado da Baviera em Munique, Alemanha, o Brookesia nana é o menor de cerca de 11.500 espécies de répteis conhecidas no mundo.

A nova subespécie de camaleão foi identificada por uma equipe alemã-malgaxe de cientistas – liderados pelo herpetólogo Frank Glaw (autor das imagens) durante expedição no norte de Madagascar numa floresta tropical montanhosa degradada e pode estar ameaçado de extinção.

Oliver Hawlitschek, cientista do Centro de História Natural de Hamburgo, explicou essa situação ao jornal Scientific Reports : “O habitat do nanocamaleão infelizmente foi desmatado, mas, recentemente, a área foi colocada sob proteção para que a espécie sobreviva”.

Miniaturização extrema e risco de extinção

O nanocamaleão viola o padrão das menores espécies encontradas em pequenas ilhas. Sua miniaturização extrema pode ser resultado da degradação do habitat
Foto: Frank Glaw

Os pesquisadores descobriram que, ao contrário da maioria dos camaleões da ilha, Brookesia nana não muda de cor e não vive em árvores, preferindo o chão da floresta tropical, onde caça ácaros e se esconde de predadores à noite por baixo de folhas, na grama.

Um detalhe que pode ajudar muito a espécie é que a floresta onde esta espécie foi encontrada, mesmo degradada, ainda está conectada com outras nessa região da ilha, como destaca Mark Scherz, um dos pesquisadores envolvidos na descoberta. 

Mas ele salienta, também, que este “minúsculo novo camaleão” é “um caso espetacular de miniaturização extrema” e que ele “viola o padrão das menores espécies encontradas em pequenas ilhas. Isso sugere que algo mais está fazendo com que esses camaleões se miniaturizem”. 

Por tudo isso, em seu relatório, os cientistas recomendaram que o camaleão seja incluído como criticamente ameaçado de extinção na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) para ajudar a protegê-lo e ao seu habitat.

Como acontece entre os camaleões, a fêmea do Brookesia nana (acima) é maior
do que o macho (abaixo): a diferença é de cerca de 7 milímetros – Fotos: Frank Glaw

Foto (destaque): Engagerex/Divulgação

Fontes: BBC, Mongabay

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta