PUBLICIDADE

Mutum-de-penacho, espécie ameaçada de extinção, é reintroduzido em áreas de São Paulo e Mato Grosso do Sul

Mutum-de-penacho, espécie ameaçada de extinção, é reintroduzida em áreas de São Paulo e Mato Grosso do Sul

Uma das muitas aves belíssimas encontradas no Brasil, o mutum-de-penacho (Crax fasciolata) desfila imponente com sua plumagem preta e seu topete característico. No passado era observado no Brasil desde o sul do Rio Amazonas, na região compreendida entre o Rio Tapajós e o Maranhão, até o oeste de São Paulo, Paraná e Minas Gerais. Todavia, em muitas dessas regiões, nos dias de hoje suas populações estão em declínio, e com isso, a espécie ameaçada de extinção.

E devido à construção da Usina Hidrelétrica Engenheiro Sérgio Motta, no distrito de Porto Primavera, em Rosana, no extremo oeste paulista, há duas décadas, 140 mutuns-de-penacho foram retirados daquela área e a grande maioria solta em outros ambientes naturais, onde havia a presença da espécie, mas algumas restantes foram levadas para centros de conservação e zoológicos.

Agora, 20 anos depois, descendentes daqueles indivíduos estão sendo reintroduzidos na natureza. A iniciativa faz parte de um projeto de soltura, conduzido por especialistas e pela Companhia Energética de São Paulo (Cesp).

Assim como todo processo de reintrodução de uma espécie, ele envolve diversas etapas e é feito com muito cuidado, obedecendo o ritmo de adaptação dos animais. No caso dos mutum-de-penacho, primeiramente 20 indivíduos foram transferidos para uma área transitória, com grandes viveiros, no meio da mata, para se acostumarem com a novo habitat.

Foram escolhidas duas áreas de soltura, uma Unidade de Conservação da Cesp no município de Brasilândia (MS), e outra próxima à foz do Rio Aguapeí, em Castilho (SP).

Neste mês, um novo grupo de mutuns, com mais 20 aves, será solto também nos mesmos locais. Todos os animais recebem equipamentos radiotransmissores no dorso, para que possam ser monitorados pela equipe de biólogos e veterinários.

Nas duas fases, é feita inicialmente a chamada “soltura branda”, em que as portas dos viveiros são abertas e os alimentos continuam a ser oferecidos, todavia, são escondidos no meio da mata.

Apenas num segundo momento é que as grades do viveiros são definitivamente fechadas.

mutum

Uma mutum-de-penacho fêmea, com o radiotransmissor
(Foto: Luciano Candisani)

Segurança genética da espécie

Especialistas explicam que é muito importante aumentar o número de mutuns-de-penacho na vida selvagem, já que atualmente as populações encontradas são pequenas e isso compromete a segurança genética das mesmas.

Mutuns se alimentam de frutos, folhas e brotos de plantas, mas consomem ainda insetos pererecas, lagartixas e outros pequenos animais. Por isso mesmo, são importantes dispersores de sementes onde vivem. 

Os machos têm a plumagem completamente negra e as fêmeas apresentam listras brancas. Elas fazem seus ninhos em árvores e colocam entre dois a três ovos por vez.

mutum

A fêmea mais na frente, com a plumagem listrada de branco
(Foto: Luciano Candisani)

*Com informações da reportagem do portal G1 e do site Wikiaves

Leia também:
Como a paixão de um brasileiro pelo mutum-do-sudeste conseguiu trazer esperança para a sobrevivência da espécie
Mutum-de-alagoas será reintroduzido na natureza depois de extinto há mais de 40 anos
Jacutingas são reintroduzidas em reserva no Paraná, em área onde há anos não havia registro da espécie em vida livre

Foto de abertura: Luciano Candisani/divulgação Cesp

Comentários
guest

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Maria Aparecida de Castro Maranhão
Maria Aparecida de Castro Maranhão
2 meses atrás

Meu padrasto cria três, duas fêmeas e um macho, eles apareceram na fazenda e ficaram no quintal. São aves lindas.

Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE