Moradores de cidades do Texas recebem alerta sobre contaminação da água com ameba letal

Moradores de cidades do Texa recebem alerta sobre contaminação da água com ameba letal

A descoberta da presença da ameba Naegleria fowleri na água que abastece a região de Lake Jackson, no subúrbio de Houston, seu deu após a morte de um menino de 6 anos. Inicialmente Josiah McIntyre apresentou sintomas de um resfriado, mas sua condição foi deteriorando, até que o cérebro foi atingido. Testes detectaram então o micróbio letal no corpo do garoto.

De acordo com o Centro para a Prevenção e o Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês), a ameba é comumente encontrada em água doce morna, como lagos, rios e fontes termais, além do solo. A Naegleria fowleri geralmente infecta pessoas quando a água contaminada entra no corpo pelo nariz e depois, ela viaja para o cérebro – por isso é chamada popularmente de “comedora do cérebro”.

Todavia, o CDC ressalta que a simples ingestão de água com a ameba não provoca a morte. O grande problema é mesmo quando ela entra pelo nariz.

A família de Josiah contou que o menino brincou com uma mangueira no quintal de casa e também, em um brinquedo com água numa praça da cidade onde mora.

Ao coletar amostras de onze localidades, especialmente aquelas próximas de onde o menino esteve, a prefeitura encontrou a presença da ameba em três lugares.

Depois disso, moradores receberam um alerta e foram avisados a não consumir a água da Brazosport Water Authority. Para isso, estão sendo distribuídas gratuitamente garrafas de água mineral diariamente para a população e caminhões-pipas também estão circulando pelos bairros da cidade.

As comunidades de Freeport, Angleton, Brazoria, Richwood, Oyster Creek, Clute e Rosenberg, onde vivem cerca de 120 mil pessoas, também foram incluídas na “Declaração de Desastre” anunciada pelo governador do Texas, Greg Abbott.

Foi afetado ainda o abastecimento de água de uma unidade prisional da região, com mais de 2 mil detentos, e uma planta da empresa Dow Química, onde trabalham 4.200 funcionários.

Enquanto isso, está sendo feito um processo de desinfecção e descontaminação da água de Brazosport, que pode levar aproximadamente 60 dias.

Leia também:
Falta de saneamento e degradação ambiental de mananciais ameaçam qualidade e segurança da água no Rio de Janeiro
‘Coquetel’ de 27 agrotóxicos contamina a água de 1 em cada 4 cidades brasileiras

Imagem: divulgação CDC

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta