Ministério Público entra com ação para cobrar U$2 bilhões de Bolsonaro e ex-ministro Ricardo Salles pelo fim do Fundo Amazônia

Ministério Público entra com ação para cobrar U$2 bilhões de Bolsonaro e ex-ministro Ricardo Salles pelo fim do Fundo Amazônia

O Ministério Público (MP) moveu uma ação junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) na última quinta-feira (30/6) pedindo que o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, paguem cerca de US$ 2 bilhões, mais de R$ 10 bilhões, pelo fim do Fundo Amazônia.

A ação, protocolada pelo subprocurador-geral do MP, Lucas Rocha Furtado, solicita que o TCU apure se a conduta “intransigente, temerária e ideologizada” de Bolsonaro e Salles levou à “a ocorrência de prejuízos ao Brasil, sobretudo às políticas públicas de preservação ambiental, havidos na perda de contribuições financeiras para o Fundo Amazônia, bem assim na paralisação da aplicação dos respectivos recursos”.

Furtado denuncia ainda que “o governo Bolsonaro insistiu em manipular a finalidade do fundo, decidindo livremente e de maneira unilateral a destinação dos recursos”.

O MP sugere que, caso o presidente e Salles sejam condenados, paguem US$ 1 bilhão em multas e mais US$ 1 bilhão em débitos.

Criado em 2008, o fundo promovia e apoiava financeiramente projetos para a prevenção e o combate ao desmatamento e também, para a conservação e o uso sustentável das florestas na Amazônia Legal, área que compreende nove estados brasileiros e corresponde a quase 60% do território nacional.

Financiado principalmente pelos governos da Noruega (o principal investidor, responsável por 93% dos recursos) e da Alemanha, o fundo tinha seus recursos geridos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) e os projetos analisados pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA). Até hoje foram apoiadas 103 iniciativas e o fundo contava com R$ 3,4 bilhões em caixa.

Todavia, em 2019, o governo federal decidiu, por conta própria, tentar mudar as regras do Fundo Amazônia. O então ministro do Meio Ambiente declarou que queria usar os recursos da iniciativa para desapropriar terras e tentou ainda colocar dúvidas sobre o trabalho feito pelas ONGs recebedoras do dinheiro.

Naquele ano, o governo norueguês declarou oficialmente a insatisfação em relação à política ambiental do governo Bolsonaro e os índices crescentes de desmatamento na Amazônia, além de ter sido contra o fim do comitê técnico e da diretoria da iniciativa. O ministro do Meio Ambiente Ola Elvestuen citou ainda a preocupação da comunidade científica ao possível “ponto sem volta” da destruição da Floresta Amazônica.

*Com informações do jornal Metrópoles

Leia também:
Preservar 80% da Amazônia e evitar sua desertificação custaria ao Brasil 7 vezes menos do que a Europa investe em conservação ambiental
ONG entra com Ação Civil Pública Climática contra o governo federal para impedir “savanização” da Amazônia devido ao desmatamento desenfreado
Oito municípios da Amazônia estão entre os que mais emitem gases de efeito estufa no Brasil
Em maio, Ama
zônia Legal registra alertas de desmatamento em 900 km2, a segunda maior área, nesse mês, desde 2016

Foto: Marcos Corrêa, PR/Agência Brasil

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.