PUBLICIDADE

Mesmo sob duras críticas, Islândia anuncia nova cota para a caça de baleias

Islândia anuncia nova cota para a caça de baleias

Em 2022, a Islândia se comprometeu com o fim à caça de baleias a partir de 2024. O país escandinavo, ao lado da Noruega e Japão, eram os últimos no mundo que ainda permitiam a caça comercial desses animais. Na época, entretanto, o governo islandês admitiu que o motivo para a decisão não era a conservação desses cetáceos, mas a queda na demanda pela carne da baleia, sobretudo, do mercado japonês.

Todavia, no ano passado, a Islândia voltou atrás e após uma suspensão temporária, as autoridades anunciaram a cota de caça para 161 baleias-fin (Balaenoptera physalus) – a espécie é a segunda maior existente nos oceanos.

E mais uma vez, agora em 2024, o governo permitirá a matança desses animais, na temporada que começou em junho e vai até setembro.

PUBLICIDADE

“A decisão baseia-se numa abordagem preventiva e reflete a crescente ênfase do governo na utilização sustentável dos recursos”, afirmou o Ministério do Meio Ambiente em nota.

Apesar de a cota estabelecida para este ano, 128 baleias, ser a metade daquela liberada em 2023, de 264, organizações de proteção animal, como o International Fund for Animal Welfare, criticaram veemente o governo da Islândia.

“É absolutamente ridículo que a caça em qualquer nível possa continuar”, disse Patrick Ramage, diretor da ONG. “Isso é uma péssima notícia para a Islândia e péssima notícia para a conservação marinha.

Só resta uma companhia na Islândia que ainda caça baleias, a Hvalur. Em junho do ano passado, o governo islandês suspendeu as operações baleeiras da empresa depois que um relatório divulgado pela Autoridade Alimentar e Veterinária do país apontou que muitas baleias sofriam imensamente após serem arpoadas. Algumas demoravam até duas horas para morrer.

Entretanto, a Hvalur recorreu da proibição e declarou que iria se comprometer com o “bem-estar” animal. Em uma pesquisa recente feita entre os islandeses, 51% deles afirmaram ser contra a caça comercial das baleias.

Em 1986, a Comissão Internacional de Baleias (IWC, na sigla em inglês) impôs uma moratória global à caça comercial das baleias. No século passado, quase 3 milhões delas foram mortas no mundo todo. Por esta razão, a maioria das espécies estava ameaçada de extinção – umas mais do que outras -, mas todas corriam o risco de desaparecer dos oceanos do planeta.

*Com informações da Agência de Notícias Reuters, Associated Press e BBC

———————-

Acompanhe o Conexão Planeta também pelo WhatsApp. Acesse este link, inscreva-se, ative o sininho e receba as novidades direto no celular

Leia também:
Japão quer incluir mais uma espécie de baleia, a segunda maior do mundo, na lista de caça permitida
Experimento científico com baleias na Noruega gera protestos e denúncia de crueldade contra animais
Governo de Ilhas Faroé promove novo abate cruel de baleias, apesar de protestos mundiais
Em duas horas, mais de 150 baleias são mortas em novo massacre nas Ilhas Faroé
Sangue e leite podem ser vistos ao lado das mais de 80 baleias mortas em novo massacre nas Ilhas Faroé

Foto de abertura: Dagur Brynjólfsson, CC BY-SA 2.0 via Wikimedia Commons

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE