PUBLICIDADE

Mesmo com ferimento grave na coluna, a baleia Moon completa jornada de 5 mil km… Talvez sua última!

Mesmo com ferimento grave na coluna, a baleia Moon completa jornada de 5 mil km... Talvez sua última!

Nos últimos anos foram várias as vezes que Moon foi avistada em suas jornadas migratórias. Todo mês de setembro a baleia jubarte era observada por pesquisadores da estação de Fin Island, na Colúmbia Britânica, no Canadá. Lá ela se alimentava de krills, antes de rumar nos próximos meses para as águas mais quentes do Havaí.

Em 2020, Moon que sempre estava sozinha, apareceu com um filhote, o que foi motivo de muita celebração para os pesquisadores canadenses.

Todavia, há três meses, enquanto se fazia o monitoramento da espécie com drone, nas proximidades de Fin Island, as imagens revelaram um animal com uma curva anormal na coluna, em forma de “S”. Era Moon.

“Enquanto nosso drone pairava sobre ela, imediatamente reconhecemos que ela havia sido atingida por uma embarcação devido à curvatura na espinha da nadadeira dorsal até sua cauda”, relatou a equipe da organização BC Whales em suas redes sociais.

E para surpresa e incredulidade de todos, no último dia 1o de dezembro, Moon foi fotografada novamente, todavia, a 5 mil km de distância, próximo de Maui. Mesmo apesar de sua condição, ela nadou todo esse percurso no Oceano Pacífico.

“Tenacidade e tragédia. Moon viajou da Colúmbia Britânica para o Havaí com uma grave lesão na coluna devido ao choque de um navio, mas ela não conseguirá retornar”, dizem os cientistas.

Moon provavelmente nasceu no Havaí. E por isso, todos os anos voltava pra lá. Porque deve ter aprendido isso com sua mãe.

As imagens da baleia documentadas pela Pacific Whale Foundation (PWF) revelam que o estado dela é muito grave.

“As imagens angustiantes de seu corpo retorcido mexeram com todos nós. Ela provavelmente estava com dores consideráveis, mas migrou milhares de quilômetros sem ser capaz de se impulsionar com a cauda. Sua jornada a deixou completamente emaciada e coberta de piolhos de baleia como prova de sua condição severamente depreciada. Esta é a dura realidade sobre colisões com embarcações e mostra o sofrimento prolongado que as baleias podem suportar depois. Também reforça seu instinto: até onde as baleias vão para seguir padrões de comportamento”, lamentou a BC Whales.

Mesmo com ferimento grave na coluna, a baleia Moon completa jornada de 5 mil km... Talvez sua última!

Imagens de Moon em setembro e agora, no começo de dezembro

Infelizmente não há nada o que possa ser feito para amenizar a dor de Moon. Não é possível tentar abreviar a vida uma criatura do tamanho dela através da eutanásia. Se fossem dados medicamentos para matá-la, eles poderiam ser ingeridos por outros animais que eventualmente se alimentassem da carcaça dela.

“Nunca entenderemos verdadeiramente a força necessária para Moon assumir o que é, lamentavelmente, sua última jornada, mas cabe a nós respeitar tal tenacidade dentro de outra espécie e reconhecer que as colisões com navios levam a um fim devastador”, diz a organização.

Mesmo com ferimento grave na coluna, a baleia Moon completa jornada de 5 mil km... Talvez sua última!

Fotos mostram Moon há dois anos, antes da possível colisão com o navio
(Fotos: North Coast Cetacean Society e Pacific Whale Foundation)

*Com informações adicionais do site Phys.org

Leia também:
Biólogos acompanham apreensivos baleia, que mesmo presa numa rede de pesca, teve um filhote
Registrado pela primeira vez nascimento de filhote de jubarte em águas cariocas
Baleia jubarte sai da lista de espécies ameaçadas de extinção na Austrália

Foto de abertura: @North Coast Cetacean Society/BC Whales

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE