Mergulhadores fazem descoberta no Taiti de um dos maiores recifes de corais do mundo, ainda em estado intocado

Mergulhadores fazem descoberta no Taiti de um dos maiores corais do mundo, ainda em estado intocado

“Foi mágico ver corais rosas gigantes e lindos que se estendem até onde os olhos conseguem enxergar. Era como uma obra de arte”, foi assim o fotógrafo francês, Alexis Rosenfeld, definiu sua emoção após se deparar com um dos maiores corais do mundo, e até então, desconhecido, na costa do Taiti, a maior ilha da Polinésia Francesa, arquipélago que fica no Oceano Pacífico. O profissional, fundador da organização 1 Ocean, fez parte de uma expedição de mergulhadores e cientistas que está fazendo o mapeamento dos oceanos.

O recife está localizado a uma profundidade entre 30 e 65 metros. Tem aproximadamente 3km de comprimento e entre 30 e 60/65 metros de largura, o que o torna um dos corais saudáveis mais extensos já registrados. Em forma de rosa, eles chegam a ter até 2 metros de diâmetro.

Segundo os pesquisadores, a descoberta é mais surpreendente ainda porque, em geral, recifes de coral ficam situados a uma profundidade máxima de 25 metros abaixo da superfície do mar. Para eles, o achado no Taiti pode indicar que há outros corais ocultos nas profundezas dos oceanos.

“A Polinésia Francesa sofreu um evento de branqueamento significativo em 2019, no entanto, este recife não parece ter sido afetado. Sua descoberta em tão bom estado é uma boa notícia e pode inspirar a conservação futura. Achamos que os recifes mais profundos podem estar mais bem protegidos do aquecimento global”, afirma Laetitia Hedouin, pesquisadora do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França.

A expedição no Oceano Pacífico tem o apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco). Com equipamentos mais modernos, hoje em dia mergulhadores conseguem passar mais tempo debaixo de água e assim, estudar melhor os ecossistemas marinhos. Durante a viagem ao Taiti, foram aproximadas 200 horas de mergulho. Já estão planejadas novas incursões na região nos próximos meses para aprofundar as pesquisas do novo recife.

“Até o momento conhecemos a superfície da lua melhor do que o oceano profundo. Apenas 20% de todo o fundo do mar foi mapeado. Esta notável descoberta no Taiti demonstra o incrível trabalho de cientistas que ampliam nosso conhecimento sobre o que está nas profundezas”, destaca Audrey Azoulay, diretor-geral da Unesco.

Registro do novo recife encontrado na costa do Taiti

De acordo com o levantamento “Status of Coral Reefs of the World: 2020” da organização Global Coral Reef Monitoring Network (GCRMN), publicado no final do ano passado, o aumento da temperatura dos oceanos provocou perda de 14% dos corais do mundo desde 2009. Apesar de os recifes cobrirem apenas 0,2% do fundo dos oceanos do planeta, eles abrigam 25% de todas as espécies de vida marinha, fornecendo habitat e alimentos para esses seres.

*Com informações do site de notícias da Unesco

Leia também:
Espetáculo da desova de bilhões de corais é esperança para recuperação da Grande Barreira na Austrália

Cientistas brasileiros fazem registro inédito no mundo de reprodução de corais branqueados
Para preservar recifes de corais, a Tailândia proíbe uso de protetor solar em praias paradisíacas

Em primeira nova descoberta após 120 anos, cientistas se deparam com recife de 500 m de altura na Grande Barreira de Corais

Fotos: © UNESCO/Alexis Rosenfeld/1 Ocean

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta