Membros da Comissão de Defesa e Meio Ambiente da Assembleia do RJ são impedidos de visitar girafas do Bioparque em Mangaratiba

Membros da Comissão de Defesa e Meio Ambiente da Assembleia do RJ são impedidos de visitar girafas do Bioparque em Mangaratiba

Um grupo de membros da Comissão de Defesa e Meio Ambiente (CDMA) da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), acompanhado por uma equipe de biólogos e especialistas especializados em fauna silvestre, tentou visitar na quinta-feira (08/07) as 15 girafas importadas da África do Sul pelo Bioparque do Rio de Janeiro e que estão há oito meses no Resort Safari Portobello, em Mangaratiba, no sul do estado. O objetivo era averiguar as condições de saúde e bem-estar dos animais. A expectativa era ainda que, ao final do encontro fosse realizada uma reunião no local “para troca de experiências e prestação de esclarecimentos”.

A vistoria técnica tinha sido acordada previamente entre o coordenador da CDMA, Gerhard Sardo, e o Diretor de Operações, Jurídico e Relações Institucionais do Grupo Cataratas, Manoel Browne (além de ser proprietário do Bioparque, o grupo administra também o Parque das Cataratas, em Foz do Iguaçu, o Centro de Visitantes Paineiras, aos pés do Cristo Redentor, o AquaRio, o Marco das Três Fronteiras e toda a área de visitação pública do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha).

Todavia, quando chegou na portaria, na entrada do Resort Portobello, o grupo foi barrado. Em mensagens trocadas com Sardo, Browne diz que a “razão seria técnico e jurídica”. O representante da empresa informou que como o Ibama já tinha realizado uma visita há cinco dias e nada de diferente ocorreu, “a interrupção recorrente no manejo irá prejudicar a transição de fases das girafas”.

Sardo tentou ainda ressaltar que a visita era apenas para garantir a transparência do processo de manejo dos animais, mas não adiantou.

O Grupo Cataratas alegou ainda que alguns dos nomes que constavam na lista das pessoas que fariam a vistoria estariam arrolados em processos judiciais contra o Bioparque.

Membros da Comissão de Defesa e Meio Ambiente da Assembleia do RJ são impedidos de visitar girafas do Bioparque em Mangaratiba

Membros da comissão que foram barrados na entrada do Resort Safari Portobello

Abaixo um vídeo divulgado pela organização de proteção animal Ampara Silvestre, que faria parte da visita:

Domesticação das girafas

Já faz oito meses que as 15 girafas chegaram ao Brasil. Originalmente, eram 18 animais, mas três morreram durante uma fuga.

De acordo com o Bioparque, as girafas estão “muito bem” e passando por um processo de “aclimatação” que não tem prazo definido para acabar. Na verdade, aclimatação significa domesticação para que esses animais de vida selvagem possam a partir de agora viver em zoológicos.

As girafas (Giraffa Camelopardalis) são os mamíferos terrestres mais altos da Terra. Os machos podem ter até 5 metros de altura e pesar mais de 1 tonelada. Em seu habitat natural, na África, passam mais de doze horas por dia pastando, de preferência ao anoitecer ou ao amanhecer. Mas desde novembro, 15 desses animais estão confinados em recintos no hotel em Mangaratiba (leia mais aqui).

Leia também:
União recorre contra decisão da justiça que devolveu cargo a servidor do Ibama que denunciou irregularidades na importação de girafas do Bioparque
ONGs repudiam uso de suas marcas em documento do Bioparque sobre “programa de conservação” das girafas trazidas da África
Necropsia aponta que as três girafas do Bioparque morreram por miopatia, causada por estresse extremo
Ministério Público Federal recomenda devolução imediata de girafas importadas pelo Bioparque à África do Sul e à vida livre
Documentos de importação revelam que girafas trazidas pelo Bioparque foram retiradas da vida selvagem e adquiridas de empresa na África que comercializa animais

Foto: Carol M. Highsmith on @rawpixel

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.