Medo da pandemia de coronavírus enfraquece proteção da Amazônia e de seus povos, pouco antes da temporada de queimadas

Por Jonathan Watts, editor global de meio ambiente do The Guardian*
(texto publicado no site Amazônia Latitude, parceiro do Conexão Planeta)

A pandemia do coronavírus está enfraquecendo a proteção estatal brasileira para a Amazônia e seus povos logo antes da temporada de queimadas deste ano, segundo comunidades indígenas e ONGs.

Um menor número de agentes oficiais está em campo e missões de monitoramento estão sendo adiadas, abrindo caminho para mais invasões de terra e desmatamento, alertam.

Grupos indígenas – os principais defensores da floresta – estão se isolando para se proteger da doença, enquanto pedem ajuda para conseguir alimentos e medicamentos. Eles relatam que há uma escalada da invasão de garimpeiros em algumas áreas, movida em parte pela alta no preço do ouro desde o começo da crise. Nesta semana, o Brasil anunciou o primeiro caso de Covid-19 em sua população indígena. Enquanto a pandemia se espalha pelo país, a violência e as ameaças de morte continuam: recentemente houve a quinta morte entre os Guardiões da Floresta Guajajara em cinco meses.

No ano passado, o desmatamento e as queimadas atingiram seus mais altos níveis em mais de uma década, seguindo a ideologia de extrema direita de Jair Bolsonaro, que prega o enfraquecimento da proteção ambiental, o encorajamento de madeireiros e garimpeiros, e faz críticas a comunidades indígenas e organizações voltadas para a conservação.

O oficial afirmou que a Amazônia não seria afetada, mas ativistas do estado de Rondônia disseram já ter notado uma redução nas atividades pelo Ibama e ICMBio (órgão estatal responsável pela manutenção de reservas naturais) e o ressurgimento da ameaça de posseiros.

O grupo ambiental WWF e seu parceiro local, Kanindé -– Associação de Defesa Etnoambienal, dizem que uma grande invasão está sendo planejada para os próximos dias perto da aldeia Alto Jamari, na terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau.

Os posseiros pretendem reunir um grande grupo e começar um tumulto como pretexto para entrar na área e dividir a terra. “Vai começar na próxima semana, então eles querem juntar uma equipe e ir até lá” revela um áudio de WhatsApp enviado ao The Guardian.

Essa não é a primeira ameaça à comunidade originária, que já expulsou invasores e enfrentou ameaças de morte anteriormente. Mas os indígenas afirmam que a pandemia fortaleceu os criminosos contra a já reduzida presença de autoridades.

“Os invasores sabem que a doença está enfraquecendo ainda mais os órgãos de inspeção”, disse Awapy Uru-Eu-Wau-Wau ao grupo ambiental. Ele aparece na foto de destaque deste post com sua esposa, Juwi Eu Wau Wau, ambos da associação Kanandé, nos arredores de Porto Velho-RO. Integram o grupo de monitoramento que vigia a terra indígena para registrar invasões de madeireiros e desmatamento ilegais (foto de Marizilda Cruppe/WWF).

A WWF Brasil planeja doar 14 drones para comunidades indígenas e governos locais, para que possam conduzir seu próprio monitoramento em tempo real. “Isso nunca foi tão importante quanto durante a atual crise na saúde global, com o monitoramento oficial sendo reduzido, trazendo a ameaça de uma escalada de invasões de terras indígenas”, disse Mike Barret, diretor de ciência e conservação na WWF UK.

No primeiro voo sobre o território Uru-Eu-Wau-Wau, habitantes locais descobriram que 1,4 hectares de floresta foram derrubados sem seu conhecimento no ano passado. Recentemente eles avistaram aviões despejando sementes de pasto na área para que a terra possa ser usada para criação de gado.

O território Yanomami, em Roraima, tem visto um influxo de garimpeiros ilegais. Mesmo que a invasão tenha começado antes da pandemia, grupos ambientais temem que essa tendência se acelere porque a crise impulsionou o preço do ouro e a desaceleração econômica que se seguirá vai pressionar mais pessoas a buscar outras fontes de renda.

Tensões quanto à terra e os recursos naturais têm crescido há algum tempo, em alguns casos levando à violência e assassinatos. Na terça-feira, a imprensa brasileira informou o assassinato de um Guardião da Floresta no Maranhão. Zezico Rodrigues Guajajara, professor e líder local, foi o quinto membro da etnia Guajajara morto desde novembro. As circunstâncias do crime estão sob investigação.

“Eu sou o líder mais procurado pelos invasores e pistoleiros”, disse Zezico previamente a Scott Wallace, jornalista e acadêmico, como mostra no tweet abaixo:

Alertas de satélites governamentais mostram que, em geral, o desmatamento é reduzido durantea temporada de chuvas, entre novembro e março, começa a crescer entre abril e junho e alcança seu ápice nos meses seguintes.

Se a atual situação levará a mais desmatamento e queimadas, também irá depender de outros fatores. Uma desaceleração na economia global poderá suprimir a demanda por carne, madeira, minerais, soja e outras produções da Amazônia, o que pode aliviar a pressão sobre a floresta.

Mas isso será contrariado pela provável recessão doméstica no Brasil, que poderia levar mais pessoas pobres a “limpar” a terra para o cultivo de subsistência.

Os riscos à saúde provocados por essas invasões também são enormes. Bolsonaro foi além de Donald Trump em termos de rejeição de conselhos da comunidade científica sobre a necessidade de medidas de isolamento e quarentena para frear a disseminação da doença.

Ele vem encorajando a população a desprezar a restrição adotada pelos governadores, estimulou massivas manifestações de apoiadores e divulgou informações não comprovadas sobre remédios, além de uma suposta resistência imunológica do povo brasileiro.

Suas posições foram recebidas com o repúdio internacional e uma particular preocupação com os povos indígenas no Brasil, que se mostraram terrivelmente vulneráveis a epidemias anteriores. Mais de 90% das populações pré-colombianas das Américas podem ter sido exterminadas pelo sarampo, varíola e outras doenças trazidas por invasores europeus nos séculos XVI e XVII, segundo estudos recentes.

Muitos grupos indígenas estão agora se retirando para suas aldeias na floresta e bloqueando o tráfego externo. Eles têm feito um apelo por mais comida e auxílio médico e condenado a forma com a qual o governo tem lidado com a crise, dizendo ter piorado uma situação que já era ruim.

“Existem regras proibindo a entrada em terras indígenas e áreas de conservação”, disse. “Mas posseiros, madeireiros ilegais e garimpeiros não seguem as regras”.

Jonathan Watts é editor global de meio ambiente no The Guardian, onde também exerceu a função de correspondente na América Latina e no Leste Asiático.

Imagem em destaque – Área de desflorestamento ilegal desciberta pelos Uru-Eu-Wau-Wau em 15 de dezembro de 2019 pode ser vista à esquerda. À direita, uma área de desflorestamento ilegal para criação de gado. Foto: Marizilda Cruppe/WWF.

A Amazônia Latitude é um projeto independente, sem fins lucrativos, que visa ampliar o debate crítico a respeito da região amazônica e expor sua diversidade cultural, sua riqueza natural e seus dilemas. O site é gerido por uma rede de colaboradores e editores remotos de diversos pontos do país e do globo. Dito isso, precisamos de sua ajuda para a execução de pautas, captação de imagens, e ampliação da equipe para que possamos manter a regularidade e qualidade das publicações.

*Jonathan Watts é editor global de meio ambiente no The Guardian, onde também exerceu a função de correspondente na América Latina e no Leste Asiático.

Fotos: Marizilda Cruppe / WWF Brasil

Amazônia Latitude

Projeto independente, sem fins lucrativos, visa ampliar o debate crítico a respeito da região amazônica e expor sua diversidade cultural, sua riqueza natural e seus dilemas. Seu site é gerido por uma rede de colaboradores e editores remotos de diversos pontos do país e do globo

Deixe uma resposta