‘Me Deixa Ser Selvagem’: campanha pressiona líderes globais pelo fim do comércio de animais silvestres

Em 21 de novembro, o Grupo dos 20 ou G20, que reúne líderes das principais economias do mundo (19 países, entre eles o Brasil, mais a União Europeia) vai se encontrar, como faz todos os anos desde 1999, para debater temas imprescindíveis para o futuro da humanidade.

Nos dois dias de conferência, eles terão que se dedicar a discutir e a encontrar soluções para a pandemia do novo coronavírus e suas consequências econômicas e sociais.

Por isso, é imprescindível que incluam na pauta o comércio de animais silvestres e tomem decisões que contribuam para o seu fim, como forma de prevenir o surgimento de novas pandemias como a da Covid19.

Em diversas partes do mundo esses animais são comercializados como produtos. São caçados, criados em cativeiro, mantidos em jaulas e ambientes insalubres, para serem vendidos: “comidos, transformados em remédios e explorados como animais de estimação ou na indústria do entretenimento“, relata a ONG em seu site.

Importante ressaltar que o convívio ou a ingestão da carne desses bichos podem representar um risco enorme para a nossa saúde humana. Taí o coronavírus para provar que isso é fato e que não podemos mais ignorar os riscos da interação com eles.

Apelo global e nacional

Nesse cenário, uma ação global e nacional que pode ser protagonizada pelo grupo dos mais poderosos – se apresenta como “uma das estratégias mais eficazes” para ajudar a impedir que enfrentemos outras pandemias, “ao mesmo tempo em que pode reduzir o sofrimento de milhões de animais e proteger a biodiversidade“.

A campanha mundial Me Deixa Ser Selvagemque inclui uma petição -lançada pela organização Proteção Animal Mundial (World Animal Protection – WAP), que trabalha pelo bem-estar animal, se configura numa importante ação para pressionar o G20 – e o governo brasileiro – contra essa atividade desumana que movimenta entre 7 e 23 bilhões de dólares por ano, no mundo.

No Brasil. carta e projeções de imagens

No Brasil, a ONG já angariou mais de 500 mil assinaturas com a petição (um milhão no mundo) e enviou uma carta assinada em parceria com mais 41 organizações aos ministérios da Economia, Relações Exteriores, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e à Casa Civil exigindo que nossos representantes “apoiem e defendam a proibição permanente das atividades comerciais envolvendo animais silvestres na cúpula do G20“.

Como parte das ações da campanha no país, em 6/11 foram realizadas projeções de animais silvestres em prédios e monumentos de São Paulo, Rio de Janeiro e Belém.

As imagens criadas pelo artista indígena Denilson Baniwa exibiam araras, micos, cobras, entre outros animais que, no dia seguinte, enfeitaram prédios e momentos da Esplanada dos Ministérios, como a Biblioteca Nacional, o Museu Nacional e o Panteão da Pátria, em Brasília.

Esta exibição contou com a participação do Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal, e encerrou o ciclo de projeções da campanha, que ainda exibe outdoors próximos ao Aeroporto Internacional de Brasília e em relógios de rua na cidade.

E a diretora-executiva da Proteção Animal Mundial no Brasil, Helena Pavese, ressalta:.“O que estamos vivendo com a pandemia do novo coronavírus é umas das piores crises sanitárias da história moderna. Se a interação entre humanos e animais silvestres continuar no nível que está, certamente novas e piores crises virão. Por isso, o banimento de todo e qualquer comércio de animais selvagens é necessário e urgente”.

E a diretora-executiva da Proteção Animal Mundial no Brasil, Helena Pavese, ressalta:.“O que estamos vivendo com a pandemia do novo coronavírus é umas das piores crises sanitárias da história moderna. Se a interação entre humanos e animais silvestres continuar no nível que está, certamente novas e piores crises virão. Por isso, o banimento de todo e qualquer comércio de animais selvagens é necessário e urgente”.

Acompanhe a campanha pelas redes sociais: Instagram (veja um dos posts), Facebook e Twitter.

Foto: Divulgação/World Animal Protection

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

2 comentários em “‘Me Deixa Ser Selvagem’: campanha pressiona líderes globais pelo fim do comércio de animais silvestres

  • 11 de novembro de 2020 em 8:14 PM
    Permalink

    Excelente e oportuna publicação. Partilhei, compartilhei, postei e procurei divulgar ao máximo que pude. Obrigada e tomara que acolham com sabedoria e compaixão.

    Resposta
    • 22 de novembro de 2020 em 3:24 PM
      Permalink

      Apesar da petição e da relevância do assunto, o excrementíssimo presidente do Brasil o ignorou, acentuando sua própria incompetência.
      De forma vexatória, deixou a todos os participantes do G20 indignados com um discurso delirante que não acrescentou NADA à finalidade do encontro.

      Resposta

Deixe uma resposta