‘Marcha pelo Clima’ toma as ruas de Glasgow e pressiona líderes mundiais que participam da COP26

'Marcha pelo Clima' toma as ruas de Glasgow e pressiona líderes mundiais que participam da COP26

Em 5 de novembro, sexta-feira, quinto dia após o início da Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, a COP26. em Glasgow, jovens se uniram em mais uma marcha pelo clima promovida pelo movimento Fridays for Future, lançado em 2018 a partir da primeira greve escolar da ativista sueca Greta Thunberg, em 2018.

A manifestação foi uma espécie de “esquenta” para outro encontro: a Marcha Global por Justiça Climática (Global Day of Action), que reuniu mais de 100 mil pessoas, ontem, 6 de novembro.

Nas ruas da cidade escocesa, não estavam apenas jovens. Crianças, adultos e idosos, gente de variadas raças, cores, gêneros e origens, mas com o mesmo desejo, caminharam com eles em direção à George Square, no centro, onde ativistas como Greta Thunberg e Vanessa Nakate, de Uganda, discursariam.

'Marcha pelo Clima' toma as ruas de Glasgow e pressiona líderes mundiais que participam da COP26
Foto: Facebook de Greta Thunberg
'Marcha pelo Clima' toma as ruas de Glasgow e pressiona líderes mundiais que participam da COP26
Foto: Marcos Cólon/Amazônia Latitude
'Marcha pelo Clima' toma as ruas de Glasgow e pressiona líderes mundiais que participam da COP26
Mulheres indigenas brasileiras / Foto: Edvan Guajajara

Gritavam frases e exibiam faixas e cartazes, exigindo maior pressão pública sobre os líderes mundiaisjustiça climática. Vamos agir agora!, pediam. O capitalismo está matando o planeta ou Não há planeta B!, sentenciavam. Por que você não se importa?, questionavam, e, ainda, ironizavam: Os dinossauros também pensavam que tinham tempo.

Criminosos do clima

'Marcha pelo Clima' toma as ruas de Glasgow e pressiona líderes mundiais que participam da COP26
Criminosos do clima: negacionistas algemados / Foto: Marcos Cólon/Amazônia Latitude

Chegando à praça, os manifestantes eram recebidos por uma performance que representava o desejo de muita gente: líderes negacionistas algemados, sendo por ‘policiais’ levados para a prisão.

Sim, Bolsonaro entre eles, claro! Muito bem acompanhado por Donald Trump, ex-presidente dos EUA, por Xi Jinping, presidente da China, Scott Morrison, primeiro-ministro da Austrália, Vladimir Putin, líder russo, e Narendra Modi, premiê indiano – além de por Rupert Murdoch, magnata australiano.

Os ‘policiais’ encaminhavam-nos pela praça, acorrentados uns aos outros, e gritavam “Criminosos do clima passando! Criminosos do clima passando!”.

Festival global de greenwashing

Greta Thunberg: “Não é segredo que a COP26 é um fracasso!. Não é mais uma conferência sobre o clima”, mas “um festival global de greenwash!” / Foto: Reprodução vídeo

Greta manteve o mesmo tom adotado na conferência Youth4Climate em Milão em setembro, quando declarou que as promessas dos líderes mundiais não passavam de  “blá, blá, blá”, expressão também usada por Boris Johnson, primeiro-ministro britânico, na abertura da COP26.

Talvez inspirado por Greta, depois de saudar os líderes presentes, Johnson declarou: “sem ação, todas estas promessas nada mais serão do que blá, blá, blá e a raiva e impaciência do mundo serão incontidas”.

“Não é segredo que a COP26 é um fracasso!”, bradou Greta, dizendo que o evento “não é mais uma conferência sobre o clima”, mas “um festival global de greenwash!”. E completou: “Deve ser óbvio que não podemos resolver uma crise com os mesmos métodos que nos colocaram nela!”. 

Para a ativista sueca, se queremos combater a crise climática, é urgente fazer “cortes de emissões anuais imediatos e drásticos, diferente de tudo que o mundo já viu”.

E destacou que, ao contrário disso, “as pessoas no poder podem continuar a viver em sua bolha cheia de fantasias, como o crescimento eterno em um planeta finito e soluções tecnológicas que aparecerão de repente aparentemente do nada e irão apagar todas essas crises assim”. 

E finalizou: “Tudo isso enquanto o mundo está literalmente em chamas! E enquanto as pessoas que vivem na linha de frente já sofrem os impactos da crise climática”.

A liderança Célia Xakriabá com Greta Thunberg e Samela Awiá (Sateré Mawé) / Foto: Edvan Guajajara

Leia também:
Depois de protestar com palavrões, Greta Thunberg diz que vai ‘neutralizar linguagem’ e ‘compensar excessos’
“Quem financia hidrelétricas na Amazônia ou em qualquer outro lugar do mundo, financia assassinato”, declara Junia Xipaia na COP26
Acordo global prevê redução das emissões de metano em 30% até 2030
Brasil tem a maior delegação indígena brasileira da história das conferências de clima da ONU

Com informações do DW, Folha de São Paulo, UOL, Bloomberg

Foto: Facebook de Greta Thunberg

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.