Mais um leopardo-das-neves morre com complicações da covid em zoológico dos Estados Unidos

Nos últimos meses já foram registradas as mortes por covid de vários leopardos-das-neves os leopardos-das-neves (Panthera uncia). A espécie tem se mostrado muito vulnerável à doença. O último caso ocorreu no Miller Park Zoo na cidade de Bloomington, no estado de Illinois. Rilu tinha 11 anos e não resistiu a uma pneumonia decorrente do novo coronavírus.

Rilu tinha chegado em 2011 ao zoológico americano e desde então tinha dado à luz a sete filhotes, que vivem agora no local.

“A personalidade e a beleza de Rilu farão falta aos visitantes e funcionários do zoológico, mas ela não será esquecida”, escreveu o Miller Park Zoo em suas redes sociais.

A fêmea de leopardo-das-neves era uma celebridade. Ela havia sido fotografada por Joel Sartore para o projeto “Arca de Noé da Extinção“, que ao longo dos últimos 15 anos capturou para a prosperidade imagens de milhares de espécies consideradas em risco de desaparecer do planeta.

Em seu perfil no Instagram, o renomado fotógrafo lamentou a morte de Rilu.

“Estamos muito tristes em compartilhar a notícia de que Rilu, um leopardo-da-neve de onze anos morreu de complicações da covid. Os leopardos-da-neve estão se mostrando extremamente suscetíveis à doença, que muitas vezes é fatal. Se você ainda não recebeu a vacina e o reforço, faça-o. É mais do que apenas vidas humanas que estão em jogo”, ressaltou.

 

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

A post shared by Joel Sartore- Photo Ark (@joelsartore)

Em novembro, três leopardos-das-neves também morreram de covid em outro zoológico americano, o Lincoln Children’s Zoo, no Nebraska.

O leopardo-das-nevesem risco de extinção

Originários das regiões central e sul da Ásia, no passado os leopardos-das-neves (Panthera uncia) eram observados em montanhas, em terrenos acidentados de penhascos, enseadas rochosas e ravinas de países como China, Butão, Nepal, Índia, Paquistão, Afeganistão, Rússia e Mongólia.

Infelizmente, esses felinos foram levados praticamente à extinção. Segundo a Lista Vermelha, da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), que avalia as condições de sobrevivência de milhares de espécies de animais e plantas no planeta, restam apenas entre 2.700 e 3.386 indivíduos da espécie na vida selvagem.

Mais um leopardo-das-neves morre com complicações da covid em zoológico dos Estados Unidos

Em seu habitat natural, esse animal está bem preparado para enfrentar o frio. Os leopardos-da-neve possuem um pelo grossíssimo, com mais de 10 centímetros de comprimento, e que cobre tudo, exceto o nariz. Sua cauda tem todo o comprimento do corpo e lhe confere equilíbrio e agilidade. Com sua patas traseiras conseguem pular de um penhasco para outro.

Leia também:
Morre fêmea de leopardo-das-neves, que com seus sete filhotes, trouxe esperança para sobrevivência de espécie tão ameaçada
Mais animais, como gorilas e leões, testam positivo para a covid em zoológicos dos Estados Unidos
Cientistas alertaram, em 2007, que consumo de animais exóticos era bomba-relógio porque morcego é “reservatório de vírus SARS-Cov”
Tráfico de animais silvestres aumenta ameaça de novas pandemias e expansão para comércio digital impõe risco ainda maior à humanidade
“Se não restabelecermos equilíbrio entre natureza e homem, pandemias como essa se tornarão mais comuns”, alertam cientistas

Foto: Joel Sartore (abertura) e domínio público/pixabay (última)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta