Mais um estado tenta liberar cultivo do panga, espécie exótica invasora que coloca em risco a biodiversidade local

Mais um estado tenta liberar cultivo do panga, peixe de espécie exótica invasora que coloca em risco a biodiversidade local

O Pangasianodon hypophthalmus, conhecido popularmente como panga ou tubarão de água doce, é um peixe de uma espécie nativa da Ásia, mais especificamente do Vietnã. Em três estados brasileiros, Rio Grande do Norte, Sergipe e São Paulo, seu cultivo em cativeiro já é autorizado. Agora um projeto de lei apresentado em Tocantins quer liberar a psicultura do panga também por lá.

Psicultores defendem que a espécie, que teria sido introduzida no Brasil há cerca de dez anos, se adaptou perfeitamente ao clima do país, especialmente nos estados das regiões Norte e Nordeste. O peixe seria uma nova alternativa para aquelas pessoas acostumadas ao consumo da tilápia.

Todavia, justamente por ser uma espécie invasora exótica, biólogos alertam sobre os riscos do cultivo desse tipo de peixe no Brasil, mesmo que em cativeiro. E ainda mais, na região da bacia do Tocantins.

“O Araguaia é uma das mais importantes e a única totalmente em território nacional das sub-bacias que formam o grande Amazonas”, ressalta o biólogo Jean Vitule, professor de Ecologia do Departamento de Engenharia Ambiental da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Ele ressalta ainda que o o panga possui grande potencial de competir com espécies nativas brasileiras, similares em em formas e hábitos, como é o caso do mapará (Hypophthalmus edentatus), um peixe encontrado na bacia amazônica.

Vitule explica que se pode perder o controle sobre a criação de espécies exóticas porque é comum acontecerem escapes de peixes criados em tanques para corpos de água naturais, como lagoas lagos, rios, riachos e várzeas. Ele cita, por exemplo, o que acontece com a tilápia.

“Quando há escapes das tilápias de tanques de cultivos, se esses indivíduos possuem parasitas, fungos ou vírus, esses organismos vão direto para os ecossitemas naturais e seminaturais. É um tipo de poluição biológica e grave, pois diferente de poluentes físicos e químicos, ela pode, por exemplo, se multiplicar no espaço e no tempo, correr nos sentidos contrários ao fluxo de rios e reservatórios entre outras coisas”, diz.

“O que se deveria perguntar para os governantes é por que investir em poucas espécies exóticas se temos a maior diversidade de peixes de água doce do planeta?”, questiona Vitule.

Em janeiro, uma das mais importantes revistas científicas do mundo, a Science, já havia destacado em suas páginas a ameaça de um decreto do governo a espécies aquáticas brasileiras.

Leia também:
Governo exclui Ibama de processos para permissão de criação de peixes em “corpos d’água da União”
Mais de 100 mil filhotes de tartarugas-da-amazônia nascem em 2020, número recorde observado em Tocantins

Foto: Vassil/wikimedia commons

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta