Mais de 15 milhões de visons serão sacrificados na Dinamarca por causa do coronavírus

Mais de um milhão de visons serão sacrificados na Dinamarca por causa do coronavírus

*Texto alterado em 06/11/20 para atualizar o número de visons que serão abatidos, devido a um novo comunicado das autoridades da Dinamarca

————————————————————————————————-

Pra começar, é difícil acreditar que ainda hoje, animais sejam criados e mortos pela indústria da moda. Para que suas peles sejam usadas na fabricação de casacos. Sim, em alguns países, a atividade ainda é permitida, como no caso da Dinamarca. Só que desde junho, as fazendas de visons (Mustela vison), um mamífero semiaquático, usado para este fim, começaram a ter surtos do novo coronavírus.

Em setembro, depois de um aumento significativo no número de casos de COVID-19 entre os visons, o governo dinamarquês decidiu abater os animais infectados em fazendas, aqueles suspeitos de estarem infectados, bem como os que sejam saudáveis, mas que estejam em um raio de 8 quilômetros de um grupo contaminado.

Mas em um novo comunicado divulgado no início de novembro, o governo informou que foi encontrada uma nova cepa do coronavírus, uma variação do SARS-CoV-2, entre os animais, por isso, cerca de 17 milhões de visons devem ser sacrificados – a estimativa inicial, em meados de outubro, era de que seriam pouco mais de 1 milhão.

A partir do dia 6 de novembro e até, no mínimo, 3 de dezembro, bares, restaurantes, transporte público e todos os esportes internos públicos serão fechados em sete municípios da região de Jutland do Norte.

A Dinamarca é a maior produtora mundial de pele desses bichinhos. Exporta ainda, em pequenas quantidades, peles de raposa, lebre e chinchila.

Dinamarca é o maior produtor mundial de pele desses bichinhos

Desde agosto, foram confirmados casos de COVID-19 em 270 fazendas de North Jutland e doze pessoas foram contaminadas. O primeiro caso, em junho, foi detectado porque um funcionário de uma fazenda testou positivo para o coronavírus, ou seja, ele deve ter infectado os visons.

“Lançamos iniciativas continuamente para gerenciar e conter a propagação da infecção. Tendo em vista o grande aumento recente, devemos, infelizmente, afirmar que não foi suficiente para prevenir a disseminação contínua da infecção entre os rebanhos de visons de North Jutland”, afirmou Mogens Jensen, ministro da Agricultura, Alimentação e Pesca da Dinamarca.

Moradores da região demonstraram preocupação com os surtos de coronavírus entre os animais. De acordo com relatos, eles ficam doentes rapidamente com a COVID-19 e morrem em poucos dias. Não se sabe ainda porque a espécie é tão vulnerável ao coronavírus.

O abate dos visons será feito pelas autoridades federais e os criadores receberão uma compensação financeira.

Na Dinamarca há cerca de 1.500 fazendas de vison, que produzem aproximadamente 19 milhões de peles por ano. É o terceiro produto de origem animal mais comercializado internacionalmente pelo país escandinavo. Os principais importadores são asiáticos: China, Hong Kong, Cambodia, Tailândia e Vietnã.

Nos estados de Utah e Wisconsin, nos Estados Unidos, onde há criação de visons, animais também foram infectados e morreram devido ao SARS-CoV-2, vírus responsável pela COVID-19.

*Com informações do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e da BBC Brasil

Leia também:
Cientistas alertaram, em 2007, que consumo de animais exóticos era bomba-relógio porque morcego é “reservatório de vírus SARS-Cov”


Tráfico de animais silvestres aumenta ameaça de novas pandemias e expansão para comércio digital impõe risco ainda maior à humanidade


“Se não restabelecermos equilíbrio entre natureza e homem, pandemias como essa se tornarão mais comuns”, alertam cientistas

Foto: Peter Trimming/flickr/creative commons

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta