PUBLICIDADE

Mais de 600 animais silvestres morrem em um dos maiores centros de tratamento do Ibama

Este é mais um exemplo do descaso que caracteriza a gestão do antiministro Ricardo Salles, no governo Bolsonaro.

Após denúncia anônima, ontem, 22/2, peritos da Polícia Federal visitaram o Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS) do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), instalado na Floresta Nacional Mário Xavier (FLONA), em Seropédica, na Baixada Fluminense, Rio de Janeiro. 

Lá, encontraram um cenário de horror. Animais de variadas espécies – macacos, cobras e, principalmente, aves – abandonados, feridos, em situação de desnutrição e inanição, agonizando ou mortos.

PUBLICIDADE

Não há funcionários suficientes – apenas quatro! – para cuidarem dos bichos e da limpeza do local. Eles já não dão mais conta dos corpos dos animais mortos, encontrados pelo chão ou em gaiolas ou jaulas.

Foto: reprodução vídeo
Foto: arquivo pessoal

Desde novembro de 2020, mais de 600 animais morreram neste que é um dos maiores centros de tratamento e recuperação de animais silvestres do país.

Mais de 1,2 mil animais vivem (ou viviam) no local, vítimas de tráfico. Assim que se recuperam dos ferimentos, são reintroduzidos na natureza.

Sem tratamento e sem limpeza

Foto: arquivo pessoal

A administração do CETAS/RJ é terceirizada, mas a empresa que cuidava do espaço – RCA – deixou de prestar o serviço no ano passado.

Em 30 de julho,  por e-mail, ela comunicou à superintendência do centro que não tinha interesse em prorrogar o contrato. De acordo com o G1, no mesmo dia o Núcleo de Compras e Contratos do Ibama/Supes informou sobre o cancelamento do serviço aos responsáveis pelo centro de Seropédica.

A responsabilidade pela contratação é do superintendente do Ibama no Rio de Janeiro, Alexandre Dias da Cruz, contra-almirante da reserva da Marinha, que está no cargo desde março de 2019.

Os funcionários contaram (anonimamente) que os animais ficaram sem tratadores durante 47 dias até que um novo contrato foi feito. Neste período, voluntários se mobilizaram para ajudá-los a cuidar dos animais, o que evitou que a mortalidade fosse ainda pior. No entanto, o novo contrato foi rompido em 17 de janeiro.

Com um detalhe: não param de chegar novos animais ao centro. Ontem, por exemplo, sete cobras foram encontradas em Miguel Pereira e encaminhadas para lá.

Duas corujas, um falcão e três gaviões estão há mais de um mês no Cetas/RJ, sem tratamento e sem limpeza adequada, correndo o risco de contrair infecções e piorar dos ferimentos.

Foto: reprodução vídeo

Sem credenciais

Segundo o G1, o Ibama informou que a Corregedoria, a Secretaria de Biodiversidade e a diretoria da instituição foram acionadas para fazer a apuração do caso e adotar as medidas cabíveis.

Tarde, não? Foi preciso uma denúncia para que o assunto ganhasse o noticiário e alguém se prontificasse a tomar alguma atitude.

Vale ressaltar que, na trajetória do superintendente do CETAS/RJ, Alexandre Cruz, não há registro de experiência ou conhecimento na área que justifique sua indicação. O contra-almirante da reserva é responsável pelo centro, mas não tem credenciais para o cargo.

Em agosto do ano passado, cinco meses após assumir a superintendência do órgão, ele substituiu quase metade dos funcionários do Estado responsáveis pelos cuidados dos animais silvestres resgatados do tráfico.

Em julho do mesmo ano, substituiu quatro dos dez tratadores do CETAS/RJ, sem qualquer justificativa para a mudança ou critérios para essa substituição – já terceirizados.

De acordo com reportagem do G1 daquela época, para servidores do Ibama que atuavam na área, a troca resultaria em aumento do número de mortes dos animais silvestres acolhidos, devido à falta de especialistas para prestar esse tipo de serviço. Veja só!

O órgão recebia cerca de 6 mil animais por ano. A maioria era apreendida pela polícia em feiras clandestinas.

E, assim, desde que este senhor assumiu a superintendência do CETAS/RJ, os animais que tanto precisam de cuidados estão entregues à própria sorte.

Agora, é pra isso que os Centros de Triagem de Animais Silvestres existem, Ibama?

Foto: reprodução vídeo

Foto (destaque): reprodução vídeo

Fonte: G1, Ibama

Comentários
guest

5 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Adriano Marques
3 anos atrás

Olá! Boa tarde! Com esse tipo de problema acontecendo, ainda querem reduzir verbas para institutos que fiscalizam o meio ambiente no Brasil!! Muito sério oque está acontecendo! ! Obrigado! Abraços!

BINHO ZAVASKI
BINHO ZAVASKI
3 anos atrás

É infelizmente o fruto do desmonte e do aparelhamento que os órgãos federais de meio ambiente estão sofrendo, sem critérios, capacitação e formação para ocupar os cargos “politicos” em instituições técnicas.

JONATAN TOLEDO FROZZA
JONATAN TOLEDO FROZZA
3 anos atrás

Engraçado uma quantidade dessa de pássaros e outros animais na responsabilidade do ibama virem a óbito do nada, eu cuidei minha juventude toda de pássaros para ajudar meu pai, e nunca deixei um morrer, de certo o Ibama pensa que os animais abriam as jaulas para ir na geladeira etc,,
Máfia de multa
Gente sem coração sem respeito com as criaturas de deus
Pessoas estudadas que trabalham em um órgão federal,
Só servem pra canetia mentira contra podre do trabalhador, 368 mil de multa vcs me deram, fuderam com minha vida, isso pq em 2010 o precesso na federal de porto alegre teve que dar baixa, pq a acusação de anilhas falsas o próprio Ibama no laudo mostrou contrário,
Quase dez anos depois por um processo que ocorreu de forma ‘interna ‘ vem esse absurdo de multa 368 mil ,,
Que. Pais é esse???

Rosangela Conceicao Ribeiro
Rosangela Conceicao Ribeiro
3 anos atrás

So I’m aviso. Vou processar Todos os envolvidos, e cobrar do Presidente Bolsonaro a exoneracao, de todos, E. Uma promessa.

Lia Campos
Lia Campos
3 anos atrás

O melhor a fazer é fiel depositário de alguns animais, do que morrer sem cuidados do IBAMA, no qual sempre exigiu e agora os pobres animais não podem falar, então fica tudo nas escondidas, 600 animais silvestre mortos e a companhia tercerizada acabou contrato ano passado 2020, e aí babau, morram os animais, falta de amor aos animais literalmente, Ibama vivia autuando com multas, agora é a vez dela pagar Multas pelo descaso! E aí vão fazer mesmo: fiel depositário de alguns animais??? Pq vou aí pegar!
Lia Campos! Maricá

Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE