PUBLICIDADE

Mais de 50 possíveis novas espécies são descobertas em cordilheira marinha no Chile

Mais de 50 possíveis novas espécies são descobertas em cordilheira marinha no Chile

Lulas, peixes, corais, moluscos, estrelas-do-mar, esponjas-de-vidro, ouriços, caranguejos e lagostas, entre outros, estão entre as mais de 160 espécies encontradas por pesquisadores internacionais durante uma expedição em montanhas marinhas na região da Cordilheira de Salas y Gómez, na costa do Chile, que ficam sobre a Placa de Nazca, um maciço vulcânico, com mais 2.900 km de comprimento e 3.500 metros de altura.

Dessas espécies, os cientistas acreditam que pelo menos 50 são novas para a ciência. Além disso, a expedição a bordo do navio Falkor, do Schimdt Ocean Institute, documentou o ser mais profundo que dependente da fotossíntese e que se tem conhecimento no mundo: um Leptoseris, comumente conhecido como coral-enrugado.

Essa nova expedição acontece alguns meses após uma outra, quando também, mais de 100 novas espécies foram descobertas em montanhas subaquáticas no Chile. O objetivo dos estudos de campo é compreender melhor os ecossistemas ao redor desses mais de 100 montes, que vão desde as águas chilenas até a Ilha de Páscoa -, e com isso fazer recomendações ao governo sobre a criação de uma área de proteção marinha ali.

A região também é um importante corredor migratório de tubarões, baleias, tartarugas, atuns e peixes-espadas.

“A observação de ecossistemas distintos em montes submarinos individuais destaca a importância de proteger toda a cordilheira, não apenas alguns montes submarinos”, diz Erin Easton, pesquisadora da Universidade do Texas, Rio Grande Valley, e cientista chefe da expedição. “Esperamos que os dados coletados ajudem a estabelecer novas áreas marinhas protegidas, inclusive em alto mar na cordilheira Salas y Gómez.”

Mais de 50 possíveis novas espécies são descobertas em cordilheira marinha no Chile

A cordilheira chilena tem uma diversidade gigantesca de corais
Foto: ROV SuBastian/Schmidt Ocean Institute

A Cordilheira Salas y Gómez é um dos vários pontos no mundo que considera-se designar como área marinha protegida de alto mar após a ratificação do Tratado de Alto Mar da ONU. Partes da cordilheira dentro da jurisdição nacional do Chile estão protegidas; no entanto, outras encontram-se em águas internacionais.

Apesar de muitos países terem assinado o acordo, apenas o Chile e Palau o ratificaram. É necessário que no mínimo 60 nações façam o mesmo para que se possa estabelecer áreas marinhas protegidas em águas internacionais.

“Os surpreendentes habitats e comunidades animais que revelamos durante estas duas expedições constituem um exemplo dramático de quão pouco sabemos sobre esta área remota”, ressalta Javier Sellanes, cientista da Universidade Católica del Norte, no Chile. “Estas expedições ajudarão a alertar tomadores de decisão sobre a importância ecológica das áreas e contribuir para fortalecer as estratégias de proteção dentro e fora das águas jurisdicionais.”

Mais de 50 possíveis novas espécies são descobertas em cordilheira marinha no Chile

Peixes encontrados a 200 metros de profundidade
Foto: ROV SuBastian/Schmidt Ocean Institute

Abaixo uma compilação de algumas das criaturas incríveis e belíssimas registradas durante a expedição:

————————————

Agora o Conexão Planeta também tem um canal no WhatsApp. Acesse este link, inscreva-se, ative o sininho e receba as novidades direto no celular

Foto de abertura: ROV SuBastian/Schmidt Ocean Institute

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE