Luta pela Vida: maior acampamento indígena da história reúne mais de 6 mil pessoas de 173 povos em Brasília, em defesa de seus direitos

Luta pela Vida: maior acampamento indígena da história reúne mais de 6 mil pessoas de 173 povos em Brasília, em defesa de seus direitos

Atualizado em 24/8/2021 para atualizar quantidade de indígenas e de povos participantes em Brasília
____________________

Mais de 6 mil indígenas, de 173 povos e de todas as regiões do Brasil, estão reunidos ao lado da Esplanada dos Ministérios, atrás do Teatro Nacional, em Brasília, em defesa de seus direitos, principalmente do direito à terra.

Trata-se da maior mobilização do gênero já realizada na história, o Acampamento Luta pela Vida (ALV), organizado pela Apib – Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, que vai até 28 de agosto e integra as celebrações internacionais do Agosto Indígena.

Ao longo de toda semana, serão promovidos debates, protestos, atos, atividades culturais e reuniões com representantes dos três poderes para discutir a situação dos povos e terras indígenas no país.

Os manifestantes protestam contra a agenda anti-indígena do governo Bolsonaro e do Congresso e também apoia o Supremo Tribunal Federal (STF). Na quarta (25), acontece na Corte o julgamento mais importante da história sobre os direitos indígenas e que pode pode decidir o futuro das demarcações.

Luta pela Vida: maior acampamento indígena da história reúne mais de 6 mil pessoas de 173 povos em Brasília, em defesa de seus direitos
O acampamento está ao lado da Esplanada dos Ministérios / Foto: Kamikiá Kisedje

O julgamento do século!

NOTA DO CONEXÃO PLANETA – Este julgamento trata da reintegração de posse da Terra Indígena Xokleng a pedido do governo de Santa Catarina, e considerado pelo STF como de repercussão geral, ou seja, o que for decidido nele valerá para todas as demarcações de terras indígenas no Brasil.

Ele deveria ter acontecido em 11 de junho, em plenário virtual, mas a sessão foi suspensa devido ao pedido de “destaque” feito pelo ministro Alexandre de Moraes, que queria mais tempo para analisar o caso. O pedido foi feito um minuto após começar o julgamento, mas deu tempo de o relator, ministro Edson Fachin, depositar seu voto, que foi divulgado: ele reconheceu os direitos dos indígenas, como contamos aqui.

Remarcado pelo presidente da Corte, Luiz Fux, para 30/6 – os indígenas estavam em Brasilia com o acampamento Levante pela Terra -, mas teve que ser adiado mais uma vez e para a volta do recesso dos ministros, em 28 de agosto.

O STF também vai apreciar o marco temporal, interpretação defendida por alguns políticos ruralistas que restringe os direitos indígenas. Eles declaram que os povos indígenas só teriam direito à terra se estivessem sobre sua posse em 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição. Alternativamente, precisariam estar em disputa judicial ou conflito comprovado pela área na mesma data.

A tese é perversa porque desconsidera expulsões e outras violências sofridas por esses povos. Além disso, ignora o fato de que eram tuteladas pelo Estado e não podiam entrar na Justiça de forma independente até 1988.

Sem dúvida, será o julgamento do século!

Entenda o que está em jogo nesta entrevista de Adriana Ramos, coordenadora do Programa de Política e Direito do Instituto Socioambiental (ISA) para o site Amazônia Latitude, parceiro do Conexão Planeta.

Relator da ONU escreve a ministros do STF

Francisco Cali Tzay, relator especial da ONU sobre os direitos dos povos indígenaspediu, hoje, 23 de agosto, ao STF que garanta os direitos dos povos indígenas a suas terras e territórios, e que rejeite o argumento do marco temporal.

“A aceitação de uma doutrina de marco temporal resultaria em uma negação significativa de justiça para muitos povos indígenas que buscam o reconhecimento de seus direitos tradicionais à terra. De acordo com a Constituição, os povos indígenas têm direito à posse permanente das terras que tradicionalmente ocupam”, destacou.

Dinaman Tuxá, um dos coordenadores-executivos da Apib (foto abaixo), completa a fala de Tzay: “Nos sentimos obrigados a nos fazer presente em Brasília, neste cenário tão desolador que está sendo promovido tanto pelo Congresso Nacional, mas principalmente pelo governo federal, no que tange o direito dos povos indígenas”.

Luta pela Vida: maior acampamento indígena da história reúne mais de 6 mil pessoas de 173 povos em Brasília, em defesa de seus direitos

Delegações e protocolos de saúde

As delegações indígenas começaram a chegar no domingo, 22/8, enquanto as barracas e as estruturas para alimentação, debates, atendimento médico e banheiros terminavam de ser montados.

O segundo dia do acampamento começou com a apresentação das delegações.

De manhã, em um momento de apresentações culturais, todos tiveram a oportunidade de exibir suas danças e cantos tradicionais, reforçando a ancestralidade cultural compartilhada entre os povos.

À tarde, representantes da coordenação da Apib e de suas organizações regionais fizeram uma análise da conjuntura política e dos desafios que os povos indígenas enfrentam em todo o país.

A Apib exigiu que viajassem à Brasília somente os indígenas totalmente imunizados contra a Covid-19. Mesmo assim, no acampamento, equipes de saúde testam os manifestantes e reforçam as orientações para o uso de máscaras, limpeza constante das mãos e manutenção do distanciamento social. Máscaras estão sendo distribuídas gratuitamente.

Waleska Sajnovisch, sanitarista e pesquisadora da Fiocruz, aplica teste de Covid no ALV
Foto: Tuane Fernandes/Greenpeace

“É importante destacar também, que nosso acampamento desenvolveu uma série de protocolos sanitários, dedicados a reforçar as normas existentes da OMS. Todos os indígenas que estão no acampamento devem ser vacinados, obrigatoriamente para poder acompanhar nosso acampamento”, reforça Dinamam Tuxá.

Dossiê e apoio internacional

O acampamento recebeu a visita da comitiva da Progressive International, articulação que reúne entidades de direitos humanos, partidos políticos, sindicatos e outras instituições do campo progressista de diversos países.

A comitiva foi recepcionada por representantes dos Povos Munduruku e Kayapó, que aproveitaram o encontro para denunciar os impactos que estão enfrentando devido a projetos de infraestrutura próximos às suas terras.

Representantes da Apib entregaram cópias do Dossiê Internacional lançado, na semana passada, para servir como instrumento de denúncia global. O documento traz uma série de denúncias sobre ameaças e violências cometidas pelo governo Bolsonaro contra os povos indígenas.

Sonia Guajajara, coordenadora-executiva da Apib, discursa em plenária / Foto: Kamikiá Kisedje

Uma delegação da Apib foi convidada para visitar a Embaixada da Noruega, onde também puderam entregar o Dossiê e demandar apoio para sua luta ao Embaixador Sr. Nils Martin Gunneng, e ao oficial do programa, Sr. Kristian Bengston.

Às 15h, foi realizada a Plenária ‘Os Cinco Poderes, para promover uma análise de conjuntura sobre os poderes legislativo, executivo, judiciário e os poderes popular e espiritual.

“Essa plenária que fala dos cinco poderes é muito importante dentro do acampamento Luta pela Vida e ela tem um significado muito grande porque passa pela discussão do Legislativo, do Judiciário e do Executivo, mas lembra do quarto poder, que são as massas, que é o povo, que é a nação brasileira como um todo, não só os povos indígenas, mas o povo brasileiro que é o quarto poder”, reforça Marcos Sabaru, assessor político da Apib.

“E aí a gente fala no quinto poder, como sendo o espiritual. As divindades regem as nossas vidas, regem as comunidades, dão força nos momentos de dificuldade, nas invasões dos garimpeiros, dos madeireiros, contra os mineradores, contra as PECs e PLs e portarias, contra todas as mazelas do homem e também espirituais, também contra a pandemia, contra doenças”, conclui.
_______________

Leia também:
Indígenas vão a Brasília reivindicar direitos e acompanhar julgamento histórico no STF
Povos indígenas denunciam Bolsonaro no Tribunal de Haia
Acampamento Levante pela Terra, em junho de 2021

Foto: Kamikiá Kisedje (a liderança Sonia Guajajara discursa na Plenária ‘Os Cinco Poderes’)

*Este texto foi originalmente publicado pelo site do Instituto Socioambiental (ISA) em 23/8/2021 e publicado, aqui, no Conexão Planeta, com edição de Mônica Nunes

Instituto Socioambiental

O Instituto Socioambiental (ISA) é uma das principais organizações ambientalistas e indigenistas do Brasil. Fundada em 1994, o ISA atua regional e nacionalmente para defender povos indígenas, comunidades tradicionais, direitos humanos e o patrimônio cultural, valorizando a diversidade socioambiental do Brasil

Deixe uma resposta