PUBLICIDADE

Lobo-marinho resgatado com rede de pesca no pescoço volta ao mar, após semanas de tratamento

Lobo-marinho resgatado com rede de pesca no pescoço volta ao mar, após semanas de tratamento

Segunda-feira de boas notícias. Voltou hoje ao mar o lobo-marinho resgatado no litoral de Santa Catarina no final de setembro. O animal tinha sido encontrado na Praia do Moçambique, em Florianópolis, com parte de uma rede de pesca em volta do pescoço. Após a equipe de resgate da R3 Animal*, ter retirado o material, havia uma ferida no local, e por isso, suspeita-se que o enredamento tenha acontecido quando ele ainda era filhote.

Felizmente a lesão no pescoço não era grande, mas exames apontaram que o lobo-marinho-do-Sul (Arctocephalus australis), que era um juvenil, apresentava uma leve anemia e alterações gastrointestinais, além de uma infecção, possivelmente parasitária.

“Foi instituído um tratamento para gastrite com protetores e suplementação para anemia, além de medicamentos antiparasitários para endo e ectoparasitas”, explica Marzia Antonelli, veterinária da R3 Animal.

Após algumas semanas de tratamento, novos exames indicaram que o animal estava bem e poderia retornar ao mar. A lesão no pescoço já cicatrizou e o pelo em volta dele está crescendo.

Nesta manhã, o lobo-marinho foi levado de volta para a Praia do Moçambique, solto na areia e de lá ele seguiu para a água.

Lobo-marinho resgatado com rede de pesca no pescoço volta ao mar, após semanas de tratamento

O lobo-marinho ainda dentro da caixa, dando uma primeira olhada para fora

E a R3 faz uma importante recomendação: ao descartar argolas, lacres de embalagens, além do destino correto, lembre-se sempre de cortá-los. Uma atitude simples que pode evitar que esses resíduos não fiquem presos em animais selvagens.

Lobo-marinho resgatado com rede de pesca no pescoço volta ao mar, após semanas de tratamento

Uma olhadinha para o lado antes de voltar ao mar

Os lobos-marinhos podem ser observados em toda a América do Sul, na costa do Peru, Chile, Argentina, Uruguai e Brasil. Após o desmame, os filhotes começam a migração sozinhos para buscar alimento e descansar. Por isso, é comum durante o outono/inverno o avistamento de indivíduos dessa espécie no sul do nosso país.

Arctocephalus australis pode viver até 30 anos. As fêmeas atingem o comprimento máximo de 1,5 metro e peso em torno de 50 quilos. Já os machos chegam 2 metros e podem pesar até 200 quilos.

Lobo-marinho resgatado com rede de pesca no pescoço volta ao mar, após semanas de tratamento

Com a praia vazia, o lobo-marinho logo seguiu para a água

——————————————————————————————————

*Caso você aviste um mamífero, ave ou tartaruga marinha debilitada ou morta na praia, no Paraná, Santa Catarina ou São Paulo, ligue para o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), no telefone 0800 642 3341. No Rio de Janeiro o número é 0800 9995151Sua ajuda é fundamental para salvar vidas!

As ações de resgate, reabilitação e soltura de animais marinhos são feitas por meio do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), executado pela R3 Animal na Ilha de Santa Catarina. O PMP-BS é uma condicionante ambiental.

Fotos: Nilson Coelho

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE