Livro gratuito e online dá dicas de receitas vegetarianas e veganas fáceis, saborosas e nutritivas para fazer na quarentena

Assim como no resto do mundo, pandemia do novo coronavírus, o COVID-19, no Brasil, levou grande parte da população a ficar em casa, para proteger a si mesmo e os outros. O isolamento social pode ser difícil por vários motivos, dentro da realidade de cada pessoa.

Nós queremos te ajudar a passar por essa grave crise global da melhor forma possível, ao mesmo tempo em que seguimos na luta por um planeta mais verde e justo. Pensando nisso, criamos o  “Quarentena Sem Carne”, um pequeno livro gratuito com várias receitas fáceis, saborosas e nutritivas.

Elas foram sugeridas por chefs, nutricionistas e influenciadores, entre eles, Alana Rox, Elisa Fernandes, Jess Romano e Bianca Neves que defendem uma boa alimentação para te ajudar a lidar com a ansiedade, se manter em forma, entreter as crianças e, claro, descobrir novos sabores e ingredientes durante este período em casa.

Todas as receitas são vegetarianas ou veganas porque, para quem pode escolher o que comer, o Greenpeace incentiva a redução drástica do consumo de carne e derivados. É pela nossa saúde, pelos animais e pelo meio ambiente! Afinal, a agropecuária é hoje uma das principais causas do desmatamento de florestas no mundo e responsável por cerca de 60% das emissões dos gases do efeito estufa que provocam as mudanças climáticas.

Como diz Adriana Charoux, nossa porta-voz da campanha de Florestas, o impacto do modelo atual de produção agrícola no Brasil, especialmente de proteína animal, é um dos maiores problemas, e por isso precisamos buscar as soluções.

“Tornar viável a diminuição ou substituição da “mistura” nossa de cada dia por alimentos nutritivos, à base de plantas, é parte da solução que governos e empresas têm o dever de estimular, como direito de todos e não um luxo para poucos. Para nós consumidores, em meio à quarentena que nos tira da zona de conforto, fica o convite para embarcarmos nessa aventura gastronômica e se abrir para experimentar novos sabores”.

Livro gratuito e online dá dicas de receitas vegetarianas e veganas fáceis, saborosas e nutritivas para fazer na quarentena

Fica também um convite à reflexão sobre um futuro melhor e mais justo para quando a crise do coronavírus passar. O sistema alimentar e econômico atual coloca as  populações mais vulneráveis em constante fragilidade, como agora. Mudanças na forma como consumimos nossa comida  são o primeiro passo para provocarmos as modificações estruturais que precisamos. E todos nós somos responsáveis por isso — cidadãos, governos e empresas.

Você pode aproveitar a quarentena em casa para colocar a mão na massa com os ingredientes sem carne, preparando pratos irresistíveis como o arroz de açafrão com grão-de-bico, castanha de caju e tomates tostados, o carpaccio de abobrinha, a moqueca de banana-da-terra (na imagem logo mais abaixo) ou então, o bolo de banana com pasta de amendoim, na foto que abre este texto).

Baixe gratuitamente o livro de receitas aqui.

Livro gratuito e online dá dicas de receitas vegetarianas e veganas fáceis, saborosas e nutritivas para fazer na quarentena

 *Texto publicado originalmente em 09/04/20 no site do Greenpeace Brasil

Leia também:
Pão é partilha. Receita também!
Na cozinha, de quarentena
Cheesecake para adoçar a quarentena

Fotos: reprodução livro

Greenpeace Brasil

O Greenpeace Brasil faz parte da organização não-governamental internacional, sem fins lucrativos, com mais de 30 anos de luta pacífica em defesa do meio ambiente. Atua no Brasil desde 1992 (Eco92) e em 30 países por meio de ativismo e de protestos pelo meio ambiente

Um comentário em “Livro gratuito e online dá dicas de receitas vegetarianas e veganas fáceis, saborosas e nutritivas para fazer na quarentena

  • 11 de maio de 2020 em 6:55 PM
    Permalink

    Alimentação vegana já deveria ser o óbvio ululante da rotina de todos os terráqueos que, insensatos, ainda se “deliciam” com a ingesta de pedaços de cadáveres de animais, mastigando músculos, vísceras, chupando ossos e classificando sua dieta primitiva e bárbara como “saudável”. Incompatível para humanos e muito mais perniciosa para os animais que sofrem antes e na hora de sua morte, a fim de que “majestades humanas” continuem se locupletando das carcaças de outras espécies, torturando seres admiráveis e bons ou pagando para que mercenários o façam. Felizmente grande parte do mundo ecologicamente correto já despertou para a realidade de que animais são amigos, não comida. Elementar, meu caro, elementar.

    Resposta

Deixe uma resposta