Líderes que promovem cooperação ajudam a superar pandemias e desastres, revelam pesquisadores

Líderes que promovem cooperação ajudam a superar pandemias e desastres, revelam pesquisadores

Por André Julião*

Um grupo internacional de pesquisadores reuniu um conjunto de informações sobre respostas a desastres e pandemias e apontou uma série de comportamentos que podem contribuir para a superação da crise da COVID-19. Entre os resultados, os autores apontam as vantagens de ter líderes que promovam a cooperação entre as pessoas e a adesão às novas normas, da difusão de mensagens que tragam um senso de propósito comum entre a população e da diminuição da polarização política.

O estudo, publicado na Nature Human Behaviour, foi liderado por pesquisadores da New York University e da Stanford University, nos Estados Unidos, e tem ainda autores de outras universidades norte-americanas, do Reino Unido, Holanda, China, Austrália, Canadá e do Brasil.

“Quando começou a pandemia e ficou evidente o tamanho do problema, formou-se esse grupo para dar um panorama geral de como as ciências humanas e do comportamento poderiam contribuir na contenção da pandemia”, disse Paulo Sérgio Boggio, professor do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Presbiteriana Mackenzie (CCBS-UPM), único coautor brasileiro do estudo, à Agência Fapesp.

Boggio coordena o Laboratório de Neurociência Cognitiva e Social do CCBS-UPM e é pesquisador do Centro de Pesquisa Aplicada em Bem-Estar e Comportamento Humano (CEBEM), um Centro de Pesquisa e Engenharia (CPE) constituído pela FAPESP e pela Natura, com sede na Universidade de São Paulo (USP).

“Não é exagero dizer que essa é uma pandemia sem precedentes em vários aspectos. Por isso, buscamos assuntos relacionados, como desastres e outras pandemias. Esses eventos nos ensinaram muito”, diz Jay J. van Bavel, professor da New York University, que coordenou a pesquisa com Robb Willer, da Stanford University.

Atualmente, o grupo realiza pesquisa em mais de 60 países para verificar o quanto o que foi levantado no estudo se aplica especificamente à pandemia do novo coronavírus SARS-CoV-2.

Propagação de informação sobre saúde

O artigo mostra que crises como a atual criam uma oportunidade para líderes em diferentes níveis, nas famílias e locais de trabalho e, até, em comunidades e nações. Os líderes podem coordenar os indivíduos e ajudá-los a evitar comportamentos inadequados para a nova situação, como formar aglomerações e não usar máscaras, no caso da pandemia atual.

Isso pode ser bastante positivo em comunidades mais pobres, onde líderes religiosos e comunitários podem ajudar a propagar informações de saúde que ajudem a conter a pandemia nesses locais. No entanto, se aplica também a autoridades em nível nacional.

“Um exemplo emblemático de liderança positiva é Jacinta Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, que se colocou o tempo todo como mais uma cidadã do país e que estava junto com a população no enfrentamento da pandemia. O resultado foi muito positivo, com o país tendo praticamente erradicado novas infecções”, destaca Boggio.

Brasil e Estados Unidos, líderes que são maus exemplos

No caso dos Estados Unidos e do Brasil, explica o pesquisador, as diferentes versões de presidentes e governadores sobre a gravidade do vírus podem abalar a confiança da população e prejudicar a adesão às novas normas de saúde, resultando, por exemplo, em níveis de isolamento abaixo do ideal.

O alto grau de polarização política nos dois países também é visto como um fator que atrapalha a contenção do novo coronavírus, uma vez que estudos mostram que pessoas em polos opostos do espectro político tendem a duvidar de mensagens vindas do outro lado.

Solidariedade X pânico

Líderes e membros da mídia devem destacar medidas tomadas em conjunto por ambos os lados, quando houver. Em outros contextos, isso reduziu a polarização e levou a uma visão menos enviesada dos fatos”, escrevem os autores. “Ter políticos, celebridades e líderes comunitários respeitados, com comportamentos exemplares, pode ajudar a promover a cooperação e condutas em prol da sociedade”.

Além desses resultados, o estudo traz uma série de lições de outras crises que podem ajudar na contenção da pandemia e dos efeitos sociais causados por ela. Uma delas é que a solidariedade é a regra, enquanto o “pânico”, a exceção, em episódios como esse.

Estudos sobre respostas a terremotos e outros desastres mostram que as pessoas tendem a ajudar umas às outras nessas situações. O destaque pela mídia de imagens de saques, ou de pessoas fazendo compras em excesso, traz uma ideia equivocada da situação e gera medo e ansiedade na população.

Nesse sentido, os autores apontam que as mensagens que mais surtem efeito, sejam elas transmitidas pela mídia ou pelos líderes, normalmente obedecem a alguns requisitos, como enfatizar os benefícios para o indivíduo em seguir as novas normas, focar na proteção de outros (como pais e avós, por exemplo), alinhar-se a valores morais da pessoa (como a ênfase na família) e apelar para o consenso científico, social ou mesmo para a aprovação do grupo ao qual o indivíduo pertence (classe social, igreja etc.).

Os pesquisadores destacam ainda que preparar as pessoas para lidar com notícias fraudulentas (fake news), garantindo informação de qualidade e argumentos contra boatos, pode ajudar a prevenir contra informações falsas durante a pandemia.

Distanciamento ou isolamento físico, não social

Por fim, uma vez que as pessoas sentem necessidade maior de conexão com as outras, os pesquisadores recomendam o uso do termo distanciamento físico em vez dos usados atualmente.

“A ideia do termo é também de enquadramento da informação. Distanciamento ou isolamento social aumentam a conotação de um isolamento do contato humano. Mas, como temos muitas alternativas tecnológicas para interagir com os outros, o ideal seria chamar apenas de distanciamento ou isolamento físico. Isso ajuda a manter uma perspectiva mais positiva, de que os contatos sociais podem existir, contanto que se mantenha fisicamente afastado”, finaliza Boggio.

Leia o artigo na íntegra: Using social and behavioural science to support COVID-19 pandemic response.

*Este texto foi publicado originalmente no site da Agência Fapesp, em 2/6/2020

Foto: Wikimedia Commons

Deixe uma resposta