Leão morre durante filmagens de documentário sobre preservação da vida selvagem narrado e produzido pelo ator Will Smith na África

Depois da bofetada que deu em Chris Rock, durante cerimônia do Oscar em 2022, o ator americano Will Smith perdeu trabalhos e se recolheu. Voltou aos poucos a novas produções. Este ano, está envolvido em trabalhos diversos, entre eles um documentário sobre preservação da vida selvagem. Mas a morte acidental de um leão, durante as filmagens em Botsuana, na África Austral, trouxe Smith novamente às manchetes. 

O ‘incidente’ aconteceu em junho logo após o animal ser atingido por dardo tranquilizante para receber, em seguida, colar de rastreamento, mas tornou-se público somente agora. Terá sido fatalidade? Ou falta de cuidado?

O fato deixou a todos do set atônitos e está sendo investigado pelo Departamento de Vida Selvagem do governo de Botsuana.

No filme, Smith é narrador e co-produtor em parceria com a organização Claws Conservancy. Mas nem ele, nem a ONG se pronunciaram a respeito até agora. 

De acordo com seu perfil no Instagram, ele chegou a Botsuana em 17 de junho para se familiarizar com o ambiente (foto abaixo). No post em que mostra sua chegada, conta também que essa era sua “primeira vez” no país. E o último post no local, publicado na mesma rede, data de 1 de julho

Nas redes sociais, defensores da preservação da vida selvagem têm criticado a realização do filme, que acabou culminando com a morte do leão: “Mais uma vez a vida selvagem sofre pela ganância e entretenimento humano”.
________________

Will Smith em seu primeiro dia em Botsuana / Foto: reprodução em vídeo

Fontes: The Sun, Sunday Standard

Foto ilustrativa (destaque): David Clode/Unsplash (Reserva Massai Mara/Quénia)

Deixe uma resposta

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.