Justiça dá prazo de 30 dias para que União apresente novo plano contra garimpo em TI Yanomami

A Justiça Federal de Roraima deu prazo de 30 dias para que a União apresente um novo cronograma de ações para combater o garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami, sob pena de multa de R$ 1 milhão em caso de descumprimento. Cabe recurso. 

A decisão foi divulgada pelo Ministério Público Federal (MPF) na última segunda-feira (29), após audiência de conciliação ter sido realizada, na semana passada, em conjunto pelas 1ª e 2ª Varas Federais de Roraima. 

“A medida foi necessária diante da inércia do Estado brasileiro em elaborar um planejamento efetivo para a instalação de bases de proteção e retirada dos invasores do território tradicional”, disse o MPF, em nota. 

A reunião foi realizada a pedido do MPF e contou com a participação dos Ministérios da Justiça e Segurança Pública, da Defesa, dos Povos Indígenas, da Saúde e do Meio Ambiente.

Também estavam presentes representantes da Polícia Federal, da Força Nacional de Segurança Pública, do Estado de Roraima, da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Segundo o MPF,  a União se comprometeu a apresentar um novo cronograma de ações envolvendo a retirada de garimpeiros, a instalação da base de proteção etnoambiental Pakilapi e a implementação de políticas públicas permanentes no território Yanomami em até 30 dias. 

A determinação da multa, caso a promessa não seja cumprida, foi tomada no âmbito de duas ações civis públicas abertas pelo MPF em 2017 (governo Temer) e 2020 (governo Bolsonaro), nas quais o órgão pediu que os órgãos federais fossem obrigados a instalar bases de proteção etnoambiental (Base) no TI Yanomami. 

Ainda de acordo com o MPF, mesmo após cinco anos da sentença favorável (que envolvem os 4 anos de Bolsonaro), União e Funai não implementaram a base do rio Uraricoera, o que permitiu a entrada desenfreada de garimpeiros ilegais na região, uma das mais afetadas pela mineração ilegal

“Se o Estado brasileiro tivesse cumprido as decisões judiciais proferidas nessas ações, o território Yanomami estaria devidamente protegido e não estaríamos assistindo à tragédia humanitária e ambiental instalada entre as comunidades indígenas”, afirmou o procurador da República responsável pelo caso, Alisson Marugal, na nota divulgada pelo MPF. 

O órgão frisou a crise humanitária presente na TI Yanomami, com o registro, por exemplo, de quadro de desnutrição desenfreada de crianças indígenas, ao mesmo tempo que instalações de saúde foram tomadas pelos invasores e passaram servir como centro logístico de atividade ilegal. 

Procurada pela Agência Brasil, a Advocacia-Geral da União (AGU) disse que “o governo federal, de acordo com determinação do presidente da República, elabora plano de ação para a nova etapa da operação de desintrusão, que se dedicará à implementação de medidas estruturantes e permanentes”. Segundo a instituição, “o plano de ação será apresentado ao Judiciário e aos órgãos adequados no prazo estabelecido”.

Leia também:
Como as Forças Armadas sabotaram a Operação Yanomami.
Após um ano de operações do governo federal em território Yanomami, garimpo persiste e saúde colapsa
Garimpo ainda ameaça povo Yanomami, um ano após ações emergenciais do governo
Lula anuncia novo plano contra garimpo na TI Yanomami: governo terá presença permanente no território e investirá R$ 1,2 bilhão/ano
Garimpeiros retornam à Terra Indígena Yanomami em Roraima, denunciam lideranças

_______________________

* Este texto foi publicado originalmente no site da Agência Brasil em 30/1/2024

Foto: Fernando Frazão

Deixe uma resposta

Agência Brasil

É uma agência pública de notícias criada em 1990, logo após a incorporação da Empresa Brasileira de Notícias (EBN) pela extinta Empresa Brasileira de Comunicação (Radiobras). Presente na web e nas redes sociais, a Agência Brasil cobre todos os eventos importantes do país, publicando diariamente dezenas de reportagens