#Juntos: manifesto reúne assinaturas de milhares de brasileiros a favor da vida, da liberdade, da democracia e do Brasil

#Juntos: manifesto reúne assinaturas de milhares de brasileiros a favor da vida, da liberdade e da democracia

Juntos, somos mais fortes. Pouquíssimas vezes em nossa história essa frase foi tão importante. O Brasil já é o segundo país no mundo com o maior número de casos de coronavírus: são mais de 500 mil pessoas contaminadas e quase 30 mil perderam a vida. Ao mesmo tempo em que se tenta controlar a pandemia, existe um movimento, cada vez mais forte, contra a democracia, a ciência, a preservação ambiental, os povos indígenas, a cultura, a diversidade e a liberdade de imprensa.

É realmente inacreditável que, enquanto milhares de famílias sofram com a perda de seus parentes para a COVID-19, a sociedade brasileira precise ainda agir contra tantos retrocessos.

Retrocessos que já tinham sido anunciados ainda durante a campanha eleitoral do presidente Jair Bolsonaro. “Seu eu assumir a presidência do Brasil, não terá mais um centímetro para terra indígena”, disse na época.

Depois de eleito, Bolsonaro cumpriu suas promessas. E nos últimos meses, tem feito ameaças veladas a diversas instituições responsáveis pelo equilíbrio democrático do país.

O descaso total com a moral e a ética ficou evidente quando os brasileiros puderam assistir ao conteúdo do vídeo da reunião ministerial realizada no dia 22 de abril, que integra o inquérito que investiga a tentativa de interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal, de acordo com as denúncias do ex-ministro Sérgio Moro.

Durante o encontro, além do linguajar chulo do presidente, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, chamou os ministros do Supremo Tribunal Federal de ‘vagabundos’ e defendeu mandá-los para prisão e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, deixou clara sua vontade de passar por cima do Congresso Nacional, e se aproveitar desse momento, quando a imprensa está focada na morte de milhares de brasileiros, vítimas da COVID-19, para “a canetadas”, deixar a “boiada” passar e liberar, de vez, o caminho para o agronegócio e o desmatamento no país (leia mais aqui).

Consternados e alarmados com a situação atual do Brasil, personalidades das áreas cultural, político, social, ambiental e empresarial, de esquerda e de direita, se uniram para lançar o Manifesto Estamos Juntos.

“Somos cidadãs, cidadãos, empresas, organizações e instituições brasileiras e fazemos parte da maioria que defende a vida, a liberdade e a democracia“, começa o texto.

O manifesto, publicado nos principais jornais do país no último final de semana, tinha originalmente 6 mil assinaturas, dentre elas, a do líder indígena Ailton Krenak, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do economista e cientista político Luiz Carlos Bresse Pereira, do diretor teatral Aderbal Freire Filho, do médico Dráuzio Varella, do ex-mininstro do Meio Ambiente, Sarney Fillho, da antropóloga Maria Luiza Heilborn e da especialista em educação Cláudia Costin (veja lista completa de nomes neste link).

“Como aconteceu no movimento Diretas Já, é hora de deixar de lado velhas disputas em busca do bem comum. Esquerda, centro e direita unidos para defender a lei, a ordem, a política, a ética, as famílias, o voto, a ciência, a verdade, o respeito e a valorização da diversidade, a liberdade de imprensa, a importância da arte, a preservação do meio ambiente e a responsabilidade na economia”, afirmam os signatários.

Neste momento, já são mais de 230 mil assinaturas. E você pode fazer parte deste movimento também!

Leia abaixo o texto do Manifesto Estamos Juntos na íntegra:

Somos cidadãs, cidadãos, empresas, organizações e instituições brasileiras e fazemos parte da maioria que defende a vida, a liberdade e a democracia.

Somos a maioria e exigimos que nossos representantes e lideranças políticas exerçam com afinco e dignidade seu papel diante da devastadora crise sanitária, política e econômica que atravessa o país.

Somos a maioria de brasileiras e brasileiros que apoia a independência dos poderes da República e clamamos que lideranças partidárias, prefeitos, governadores, vereadores, deputados, senadores, procuradores e juízes assumam a responsabilidade de unir a pátria e resgatar nossa identidade como nação.

Somos mais de dois terços da população do Brasil e invocamos que partidos, seus líderes e candidatos agora deixem de lado projetos individuais de poder em favor de um projeto comum de país.

Somos muitos, estamos juntos, e formamos uma frente ampla e diversa, suprapartidária, que valoriza a política e trabalha para que a sociedade responda de maneira mais madura, consciente e eficaz aos crimes e desmandos de qualquer governo.

Como aconteceu no movimento Diretas Já, é hora de deixar de lado velhas disputas em busca do bem comum. Esquerda, centro e direita unidos para defender a lei, a ordem, a política, a ética, as famílias, o voto, a ciência, a verdade, o respeito e a valorização da diversidade, a liberdade de imprensa, a importância da arte, a preservação do meio ambiente e a responsabilidade na economia.

Defendemos uma administração pública reverente à Constituição, audaz no combate à corrupção e à desigualdade, verdadeiramente comprometida com a educação, a segurança e a saúde da população. Defendemos um país mais desenvolvido, mais feliz e mais justo.

Temos ideias e opiniões diferentes, mas comungamos dos mesmos princípios éticos e democráticos. Queremos combater o ódio e a apatia com afeto, informação, união e esperança.

Vamos #JUNTOS sonhar e fazer um Brasil que nos traga de volta a alegria e o orgulho de ser brasileiro”.

Leia também:
Talvez a maior ameaça à Covid-19 para o Brasil seja Bolsonaro
Bolsonaro dá ao Ministério da Agricultura o poder de autorizar concessões para a gestão de florestas públicas
Entidades médicas, políticos e sociedade civil repudiam discurso de menosprezo de Bolsonaro sobre pandemia de coronavírus
Governo federal tira sociedade civil do conselho do Fundo Nacional do Meio Ambiente
“Nem na ditadura houve um discurso como o do atual governo contra os indígenas”, diz a antropóloga Manuela Carneiro da Cunha

Imagem: reprodução manifesto

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta