Julius Caesar, a tartaruga que se perdeu na costa gelada da Irlanda em 2019, é levada, de avião, para as águas mornas da Espanha

Julius Caesar, a tartaruga que se perdeu na costa gelada da Irlanda em 2019, é levada, de avião, para as águas mornas da Espanha

Julius Caesar tinha aproximadamente nove meses quando apareceu na areia da praia de Donegal, na Irlanda. O filhote de tartaruga-cabeçuda (também conhecida como tartaruga-mestiça) foi encontrado por uma família, que logo percebeu que ele corria risco de vida. Prontamente, ele foi levado para o Exploris Aquarium, na cidade de Portaferry, ao norte do país. Lá ele foi colocado em um tanque de água morna, pois estava com hipotermia. Sua espécie, a Caretta caretta, vive em águas de zonas tropicais e subtropicais de todos os oceanos, mas não no mar gelado do Atlântico Norte. A suspeita é que a pequena tartaruga tenha sido levada por um corrente marinha para o litoral irlandês.

Durante os últimos quase três anos, Julius Ceasar, ou JC, como virou seu apelido, ficou no aquário. Mas ali não era seu lugar. Mas por causa da pandemia e o fechamento de fronteiras no mundo todo, ele ficou ali. Entretanto, graças a esforços de vários parceiros, há poucos dias, a tartaruga foi transportada para uma área de águas mornas, onde poderá encontrar outros indivíduos de sua espécie.

No dia 15 de setembro, Julius Caesar, que agora pesa 25 kg e já é um adulto com bastante saúde, embarcou num voo que saiu de Dublin com destino às Ilhas Canárias na Espanha. Cercado de muitos cuidados – ganhou uma caixa especial para manter sua temperatura adequada e também permitir a lubrificação de seu casco -, e até ganhou um cartão de embarque próprio.

Ao levantar voo, o capitão Peter Lumsden celebrou a presença do ilustre passageiro. “É um prazer receber a bordo um passageiro muito especial hoje e garantir o transporte seguro de JC, a tartaruga, para Gran Canaria”.

Julius Caesar, a tartaruga que se perdeu na costa gelada da Irlanda em 2019, é levada, de avião, para as águas mornas da Espanha

O cartão de embarque da tartaruga: pronta para a viagem

Na chegada, Julius Caesar foi recebido por uma equipe local de veterinários e já no dia seguinte, foi devolvido ao mar, como você pode ver no vídeo emocionante abaixo:

A espécie Caretta caretta é considerada ameaçada de extinção. Um indivíduo adulto pode pesar até 180 kg e o comprimento de sua carapaça chegar a 136 cm. Na natureza, pode viver mais de 50 anos. Ela pode ser observada nos oceanos Índico, Pacífico e Atlântico, inclusive, no Brasil.

A tartaruga-cabeçuda pode nadar em profundidades de até 200 metros, mas geralmente é avistada em águas mais rasas. Carnívora, alimenta-se quando adulta de moluscos e peixes.

A última foto com os cuidadores do aquário irlandês:
Julius Caesar aparece nadando no aquário, bem no meio

Leia também:
Fêmea de onça-pintada negra é levada de avião do Pará para acasalamento com macho em São Paulo
Biólogos celebram localização de novo habitat de tartarugas-verdes no Rio de Janeiro
Mais de 100 mil filhotes de tartarugas-da-amazônia nascem em 2020, número recorde observado em Tocantins
4.700 tartarugas marinhas, atordoadas pelo frio intenso, são resgatadas no Texas

Fotos: reprodução Facebook Exploris Aquarium

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Julius Caesar, a tartaruga que se perdeu na costa gelada da Irlanda em 2019, é levada, de avião, para as águas mornas da Espanha

  • 24 de setembro de 2021 em 7:59 AM
    Permalink

    Benditos os anjos humanos que cuidaram de Julius, os que viajaram com ele e os que o esperavam para entrega-lo são e salvo ao mar, com carinho de mãe e de pai. Vai na paz, Irmão. A primeira onda bateu em mim também, Julius e segui um pouco com você, até onde “dava pé “.

    Resposta

Deixe uma resposta