Julho tem aumento de quase 30% no número de queimadas na Amazônia e num único dia recorde dos últimos 15 anos

Julho tem aumento de quase 30% no número de queimadas e num único dia recorde dos últimos 15 anos

Na quinta-feira, 30 de julho, a Amazônia registrou mais um triste recorde: 1.007 focos de calor. O número é o maior para um único dia deste mês desde 2005. No ano passado, no mesmo 30 de julho, foram 406 focos de queimadas.

E infelizmente, não foi apenas o dia 30 que apresentou aumento no número de focos de calor. Em julho, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foram observados 6.804 alertas de queimadas na Amazônia, um salto de 21,8% em comparação ao mesmo mês de 2019.

“O fato de ter mais de mil focos de calor em um único dia mostra que a estratégia do governo de fazer operações midiáticas não é eficaz no chão da floresta. A moratória, que proíbe no papel as queimadas, não funciona se não houver também uma resposta no campo, com mais fiscalizações. Afinal, criminoso não é conhecido por seguir leis”, afirma Rômulo Batista, porta-voz da campanha de Amazônia do Greenpeace Brasil.

De acordo com um levantamento realizado pela organização, que sobrevoou áreas dos estados do Pará e do Mato Grosso, houve um crescimento de 76,72% nos focos de calor dentro de Terras Indígenas em relação ao mesmo período do ano passado. O mesmo aconteceu em Unidades de Conservação, onde os alertas aumentaram em quase 50%.

Julho tem aumento de quase 30% no número de queimadas na Amazônia e num único dia recorde dos últimos 15 anos

Fogo atinge a vegetação em Alta Floresta, no Mato Grosso

Os números são extremamente preocupantes porque é em agosto que começa “oficialmente” o período da seca na Amazônia e em 2019, o fogo foi devastador na região. Além disso, a estação de chuvas, que acontece entre março e abril, teve índices bem abaixo de níveis históricos,

“O desmatamento precisa ser combatido durante todo o ano, principalmente considerando que as queimadas na Amazônia não são resultado de um fenômeno natural, mas da ação humana. O fogo é uma das principais ferramentas utilizadas para o desmatamento, especialmente por grileiros e agricultores, que o usam para limpar áreas para uso agropecuária ou especulação”, ressalta Batista.

Para o coordenador do Greenpeace, a prática se tornou ainda mais comum com a falta de fiscalização e o desmantelamento dos órgãos ambientais. “Estamos observando uma tendência de alta nas queimadas neste ano. Além da ameaça do coronavírus, com a temporada de fogo, os povos indígenas estarão ainda mais vulneráveis, pois a fumaça e a fuligem das queimadas prejudicam ainda mais sua saúde”, lamenta.

Julho tem aumento de quase 30% no número de queimadas na Amazônia e num único dia recorde dos últimos 15 anos

A fumaça avança sobre uma área em Nova Maringá, no Mato Grosso

Leia também:
Brasil lidera ranking de países com maior perda florestal na última década
Operações das Forças Armadas na Amazônia continuarão até 2022, anuncia governo federal
“Há erosão da democracia no Brasil e políticas públicas ameaçam Amazônia”, diz análise enviada a congressistas americanos
Empresários cobram ações do governo contra o desmatamento e alertam sobre péssima imagem do Brasil no exterior

Fotos: Christian Braga/Greenpeace

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta