Julho foi o mês mais quente do planeta dos últimos 142 anos

Julho foi o mês mais quente do planeta dos últimos 142 anos

“Neste caso, o primeiro lugar é o pior lugar para se estar. Julho é tipicamente o mês mais quente do ano no mundo, mas julho de 2021 se superou como o julho e mês mais quente já registrado. Este novo recorde contribui para o caminho perturbador e assustador que a mudança climática estabeleceu para o globo”. Foi desta maneira que o pesquisador Rick Spinrad, da Agência Nacional de Oceano e Atmosfera dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês) resumiu os dados apresentados na sexta-feira, 13/07.

De acordo com a análise feita pela agência americana, julho de 2021 foi o mês mais quente dos últimos 142 anos, desde que medições da temperatura do planeta começaram a ser feitas, em 1879. O que os cientistas observaram é que a temperatura global combinada da terra e da superfície do oceano ficou 0,93oC acima da média do século 20. A marca atingida no mês passado é um recorde, superando julho de 2016, que estava empatado com 2019 e 2020.

No Hemisfério Norte, a temperatura terrestre no mês passado foi 1,54oC acima da média para esse período. Algumas regiões do Canadá como diversos estados da costa oeste dos Estados Unidos enfrentaram ondas de calor extremo, além de inúmeros incêndios florestais.

“Cientistas de todo o mundo forneceram a avaliação mais atualizada das formas como o clima está mudando. O relatório preocupante do IPCC que conclui que a influência humana está, inequivocamente, causando as mudanças climáticas, e confirma que os impactos estão se espalhando e se intensificando rapidamente”, lembra Spinrad.

O relatório da NOAA também indicou que em julho, a cobertura de gelo do mar Ártico foi a quarta menor para o mês em um recorde de 43 anos, de acordo com o National Snow and Ice Data Center Offsite. O aumento da temperatura do planeta também é tido como o responsável por uma temporada que furacões que começou mais cedo, com o Elsa, no Atlântico.

Leia também:
Cientistas alertam sobre aumento da ‘zona morta’ nas águas do Golfo do México, onde vida marinha não sobrevive por falta de oxigênio
Se nada for feito para conter a crise climática, 98% das colônias de pinguim-imperador podem ser extintas
Em apenas um dia, Groenlândia perdeu 8,5 bilhões de toneladas da camada de gelo

Imagem: reprodução NOAA

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta