Jovem ucraniana, que se negou a fugir e a abandonar os animais, é morta a tiros após entregar comida em abrigo próximo de Kiev

Jovem ucraniana, que se negou a fugir e abandonar os animais, é morta por tropas russas após entregar comida em abrigo próximo de Kiev

Anastasiia Yalanskaya tinha 26 anos e amava os animais. Era ativista e voluntária de diversos abrigos e, enquanto as tropas russas se aproximavam de Kiev, capital da Ucrânia, se recusou a acompanhar amigos e familiares que fugiram dos bombardeios para cuidar deles e ajudar quem precisasse.

Na última sexta-feira, 4/3, ela e dois voluntários entregaram alimentos e suprimentos médicos em um abrigo para cães e gatos em Bucha, a 30 km de Kiev, que estava sem comida há três dias. A cidade foi devastada pelos bombardeios e faz parte da linha de defesa da Ucrânia, enquanto as tropas russas avançam para Kviv.

Depois de terminada a ‘missão’, quando os três se dirigiam à casa de um deles, seu carro foi baleado. Todos morreram. 

O carro foi encontrado crivado de balas e, apesar de a Rússia afirmar que seu alvo não são os civis, os amigos de Anastasiia acreditam que os soldados atiraram de forma deliberada. Para eles, as tropas russas estão matando cada vez mais civis como forma de assustar os ucranianos.

A melhor amiga da ativista, Anastasiia Hryshchenko – que está em Vinnytsia, a 250 km de Kiev -, foi quem alertou sobre seu desaparecimento. 

As duas mantiveram contato constante trocando informações sobre as áreas perigosas de Kiev, mas quando a ativista não respondeu suas mensagens por horas, entrou em contato com o pai de um dos voluntários que abrigaria os três na volta da missão.

Ao jornal Independent, outro amigo comentou: “O carro era visivelmente civil. Ela estava usando um chapéu com um pompom. Eles não se pareciam nem um pouco com militares!”.

Assim que os tiros cessaram, o homem que abrigaria Anastasiia, seu filho e o terceiro voluntário foi até o veículo. Com ajuda, levou os corpos para dentro de sua casa e para o porão, onde permaneceram por dias, e depois foram levados para o necrotério de Bucha. Até ontem, ainda não haviam sido enterrados por causa do bombardeio intenso.

Lamentando que Anastasiia teve oportunidade de deixar o país, Yevhen Yalanskyi, seu ex-marido que mora em Sri Lanka, falou ao jornal Global News

“Pedi a ela que fosse mais cautelosa, que pensasse na evacuação, mas ela não me ouviu. Ela adorava os animais e estava empenhada em ajudá-los, disposta a abrir mão da própria vida para cuidar dos mais indefesos”.

E acrescentou: “Anastasiia era um dos melhores seres humanos que conheci, a melhor parceira que já tive. Não poder ajudá-la na última jornada é muito doloroso para mim”. 

Jovem ucraniana, que se negou a fugir e abandonar os animais, é morta por tropas russas após entregar comida em abrigo próximo de Kiev
Anastasiia Yalanskaya e o ex-marido, Yevhen Yalanskyi, com seu cãozinho / Foto: reprodução do Instagram

Com informações do Global News

Foto (destaque): Reprodução do Instagram

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.