Jovem que filmou o assassinato de George Floyd com celular recebe menção especial do Prêmio Pulitzer de Jornalismo

Jovem que filmou o assassinato de George Floyd recebe menção do Prêmio Pulitzer de Jornalismo

Poucos dias antes do juiz americano Peter Cahill anunciar a pena de 22 anos e meio de prisão para o ex-policial Derek Chauvin, condenado em abril pelo homicídio do ex-segurança George Floyd, caso que teve repercussão global e levou milhares de pessoas para as ruas do mundo inteiro para protestar contra o racismo e a discriminação aos negros, o mais renomado prêmio de jornalismo internacional, o Pulitzer, fez uma menção especial ao papel fundamental da adolescente Darnella Frazier nesse episódio tão triste da história.

A jovem, que então tinha 17 anos, gravou com seu celular a prisão e os longos nove minutos em que Derek Chauvin manteve o joelho sobre o pescoço de George Floyd, provocando sua morte por asfixia, apesar das súplicas repetidas dele por ar. Sua frase desesperada “Eu não consigo respirar” virou um novo símbolo do movimento negro. A gravação foi divulgada por ela nas redes sociais e causou muita revolta e consternação.

Vários especialistas criminais dos Estados Unidos afirmam que, o vídeo de Darnella, foi fundamental para a condenação ex-policial.

Ao anunciar a menção honrosa, o comitê do Pulitzer declarou: “Por registrar corajosamente o assassinato de George Floyd, um vídeo que gerou protestos contra a brutalidade policial em todo o mundo, destacando o papel crucial dos cidadãos na busca dos jornalistas pela verdade e justiça”.

Quando testemunhou durante o julgamento em abril, Darnella contou que estava indo a uma mercearia para comprar lanches com sua prima de 9 anos quando viu um homem sendo imobilizado na calçada, “apavorado, assustado, implorando por sua vida”. Como não queria que a criança continuasse assistindo aquela cena de horror, mandou que ela entrasse na loja e começou a filmar tudo com seu celular. “Não era certo. Ele estava sofrendo. Ele estava com dor”, lembrou.

Apesar disso, a jovem americana disse durante seu testemunho que gostaria de ter feito mais por Floyd. Que ao olhar o pai e tantos outros homens negros teme que eles possam passar pela mesma situação. “Há noites em que fico acordada, pedindo desculpas a George Floyd por não ter feito mais e interagido fisicamente para salvar sua vida”.

No ano passado, Darnella Frazier também recebeu o Prêmio de Bravura da organização PEN America. “Com nada mais do que um telefone celular e pura coragem, Darnella mudou o curso da história neste país, desencadeando um movimento ousado, exigindo o fim do racismo e da violência sistêmica contra os negros pelas mãos da polícia”, ressaltou Suzanne Nossel, CEO da instituição. “Com notável firmeza, Darnella realizou o ato expressivo de dar testemunho e permitir que centenas de milhões de pessoas em todo o mundo vissem o que ela viu. Sem a presença de espírito de Darnella e prontidão para arriscar sua própria segurança e bem-estar, talvez nunca tenhamos conhecido a verdade sobre o assassinato de George Floyd. Estamos orgulhosos de reconhecer sua coragem excepcional com este prêmio”.

Jovem que filmou o assassinato de George Floyd com celular recebe menção especial do Prêmio Pulitzer de Jornalismo

Imagem de uma câmera policial mostra Darnella, de calça azul, filmando o assassinato de George Floyd

*Com informações da Agência de Notícias Associated Press

Leia também:
Movimento ‘Black Lives Matter’ é indicado ao prêmio Nobel da Paz
Estátua de escravagista é derrubada na Inglaterra, em um dos muitos protestos contra o racismo que tomaram as ruas do mundo
São Paulo Fashion Week, maior evento de moda do Brasil, estabelece cota racial de 50% nos desfiles
Com 114 anos de atraso, zoológico de Nova York pede desculpa por exibir jovem negro em jaula com macacos
Jogadores de basquete boicotam jogos decisivos da NBA em apoio a protestos antirracistas contra mais uma violência policial

Foto: reprodução Instagram Darnella Frazier (abertura) e divulgação Minneapolis Police Department

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta