Jornalista russo ganhador do Nobel da Paz doa U$ 103 milhões para crianças refugiadas da Ucrânia com leilão de medalha

Jornalista russo ganhador do Nobel da Paz doa U$ 103 milhões para crianças refugiadas da Ucrânia com leilão de medalha

Em 2021, o Comitê da Noruega escolheu os jornalistas Maria Ressa e Dmitry Muratov para receberem o Prêmio Nobel da Paz. Ela é filipino-americana e ele russo. Foram indicados “pelos seus esforços para salvaguardar a liberdade de expressão, que é uma condição prévia para a democracia e a paz duradoura“, declarou o comitê na época. A instituição ressaltou ainda que os profissionais eram representantes de “todos os jornalistas que defendem esse ideal em um mundo em que o regime democrático e a liberdade de imprensa enfrentam condições cada vez mais adversas”.

Há décadas Dmitry Andreyevich Muratov trabalha arduamente para levar informações reais e confiáveis aos russos. Em 1993 foi um dos fundadores do Novaya Gazeta e desde 1995 é seu editor-chefe. Crítico do governo, o jornal independente é um dos últimos ainda existentes na Rússia. Seis profissionais que atuavam para ele já foram assassinados. Mas o Nobel da Paz mantem sua coragem e se recusa a abandonar sua luta.

Desde o final de março, o Novaya Gazeta suspendeu suas operações até o final das “operações especiais na Ucrânia”, que é como o presidente Vladimir Putin chama a guerra contra o país vizinho. A decisão foi tomada após o governo anunciar que jornalistas seriam punidos e presos caso divulgassem material que se mostrasse contra a investida militar russa.

Nesta terça-feira (21/06), a casa de leilões americana Heritage Auctions anunciou que a medalha do Nobel da Paz, doada por Muratov, alcançou um valor recorde durante o evento realizado em Nova York: US$ 103,5 milhões, cerca de R$ 530 milhões.

O dinheiro foi imediatamente transferido para o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para ajudar no trabalho humanitário realizado junto às crianças vítimas da guerra na Ucrânia.

“Há vários meses, nós da Novaya Gazeta nos perguntamos o que poderíamos fazer para parar a guerra e ajudar esses civis a recuperar suas vidas”, disse Muratov. “Decidimos vender nossa medalha do Prêmio Nobel da Paz por meio da Heritage Auctions, que administrou o processo com muita eficiência e não cobrou nenhuma de suas taxas e comissões. Agradecemos a eles por isso”.

O leilão aconteceu na noite da segunda, 20/06, data em que se “celebra” o Dia Mundial dos Refugiados. Os lances começaram a ser dados pelo valor inicial de US$ 787 mil, mas rapidamente subiram para US$1, 2 e 3 milhões. Pouco depois de 20 minutos do início do evento, um comprador que preferiu manter o nome em sigilo, arrematou a medalha por US$ 103,5 milhões.

O jornalista russo e sua equipe já tinham doado anteriormente US$ 500 mil ao UNICEF.

“O UNICEF está honrado e profundamente grato a Dmitry Muratov por sua extraordinária generosidade – e estamos surpresos com a resposta sem precedentes ao leilão”, disse Catherine Russel, diretora executiva da entidade. “Esta notável contribuição ajudará as crianças ucranianas a sobreviverem a esta guerra brutal e, um dia, reconstruir suas vidas. Esperamos que o presente de Muratov inspire outras pessoas a apoiar crianças vulneráveis na Ucrânia e em todos os lugares. Também queremos agradecer ao licitante anônimo, cujo lance vencedor fará tanto por tantos.”

Jornalista russo ganhador do Nobel da Paz doa U$ 103 milhões para crianças refugiadas da Ucrânia com leilão de medalha

A medalha do Nobel do Paz arrematada por mais de US$ 100 milhões

Leia também:
Número de pessoas que deixaram suas casas atinge novo recorde: mais de 100 milhões fugiram de conflitos, perseguições e violência
Ganhadores do Nobel da Paz fazem apelo pelo fim da guerra na Ucrânia e contra armas nucleares
Britânico David Attenborough, um dos maiores naturalistas do mundo, é indicado ao Prêmio Nobel da Paz

Fotos: divulgação Heritage Auctions

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta